Pular para o conteúdo principal

Maconha e Alergia



A maconha pode atuar como alérgeno (substância capaz de provocar uma reação alérgica - imunológica). A alergia à maconha (cannabis) resulta de uma sensibilização a uma proteína conhecida como Can s 3, presente na Cannabis sativa. 

A sensibilização alérgica à cannabis pode ocorrer através do consumo ativo com exposição por inalação, contato cutâneo, ingestão ou uso intravenoso. A maioria dos pacientes apresenta rinoconjuntivite e asma e / ou prurido, urticária de contato e / ou angioedema. Os efeitos da exposição indireta à cannabis na sensibilização alérgica ainda são pouco conhecidos.

Recentemente foi publicado na revista americana "The Journal of Allergy and Clinical Immunology" o relato de dois casos em que a sensibilização e alergia de cannabis estava associada a alergias alimentares cruzadas,  parecendo resultar da exposição passiva à cannabis. Tanto a cannabis como as alergias alimentares foram documentadas por uma história completa, testes cutâneos e por testes imunológicos.


Os autores descrevem um adulto e uma criança que apresentam sintomas alérgicos respiratórios e cutâneos na exposição passiva de cannabis e que negam qualquer exposição ativa anterior ao fármaco. Ambos os pacientes tinham sintomas alérgicos generalizados e graves ao ingerir frutas. O diagnóstico da alergia à cannabis foi comprovado e se baseou na história clínica e em testes cutâneos cutâneos positivos.


Em essência, estas descrições de caso suportam a presunção de que a exposição indireta da cannabis sem qualquer exposição ativa anterior poderia ter causado sensibilização e elicitação de sintomas alérgicos à cannabis. Estudos maiores são necessários para confirmar esses achados preliminares.


Alergia a maconha é pouco relatada ao médico, em função de sua ilegalidade.Pode ocorrer em usuários e em trabalhadores que manipulam a maconha. Parece que as pessoas sensíveis a plantas e polens teriam maior risco.  
Os sintomas em geral são discretos, podendo ocorrer rinite alérgica, asma, conjuntivite. Também são descritos casos de coceira e urticária e até mesmo casos graves, com sintomas anafiláticos.

Comentários

  1. Gostaria de saber se já foi publicado algo sobre a alergia ao clima. Eu tenho esse problema e ele é sério!! Passo muito bem no inverno seco ou sob ar condicionado e tenho péssima resistência ao calor. Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Maci Boa noite A adaptação de cada pessoa às condições climáticas é bastante individual. Muitas pessoas agravam sua alergia no inverno e outras com o calor. Mas, não se pode afirmar que seja uma "alergia ao clima". Publicamos alguns textos abordando a influência das mudanças climáticas sobre as doenças alérgicas. Você pode localizar na "nuvem de palavras" que se localiza no final da página ou no setor de pesquisa na coluna da direita. Agradecemos sua participação no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Daciele: boa noite. O diagnóstico é clínico e não depende da realização de testes ou exames. Gratos por sua visita ao blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  5. Tenho urticária, minha alergia é ao café parei e não parou a alergia, li que o thc poderia ajudar na cura da urticária.
    Isso procede?

    ResponderExcluir
  6. Desconheço a substância o que me impede de opinar. Gratos por sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  7. Oi pessoal, segue de um artigo publicado pelo Anais Americano de Alergia Asma e Imunologia. Tem informações bastante elucidativas. Creio que podem ajudar muitas pessoas:
    http://www.annallergy.org/article/S1081-1206(15)00035-6/fulltext

    ResponderExcluir
  8. Boa dica. Obrigada pelo envio do artigo e por sua participação no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite, eu fumo Maconha a pouco mais de 7 anos e de uns tempos pra cá eu estou sentindo urticarias pela corrente sanguinea braços maos um pouco nas pernas tbm e problemas respiratorios leve, mesmo se eu nao fumar e ficar proximo de quem esta fumando ou ate mesmo se eu sentir o cheiro da maconha me afeta eu tbm sinto dores nas articulaçoes da cabeça e sinto meu pescoço inxar alem de sinais pequenos pretos e manchas vermelhas e sinais pelo pescoço tbm pequenos pretinhos eu realmente nao estou mais fumando mas mesmo assim os sintomas ainda nao passou, pode me dizer oq eu posso fazer eu sinto alem disso pontadas na cabeça de leve. se puder me ajudar agradeço muito obrigado!

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde. Recomendo uma consulta com especialista em Alergia para que seu caso seja avaliado, definindo o diagnóstico e assim possa iniciar o tratamento adequado para você. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  11. Anônimo1/7/18 00:55

    Usuários que possuem alergia a maconha irão apresentar os sintomas toda vez que fumarem?

    ResponderExcluir
  12. Sim A alergia surge sempre que entrar em contato com a substância causadora da reação. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Alérgicos podem tomar vacina da febre amarela?

O aumento do número de pessoas no Brasil com febre amarela trouxe à tona a necessidade do uso da vacina e com isso, surgiram algumas dúvidas.

A vacina é produzida pela FIOCRUZ com o vírus da febre amarela vivo e atenuado cultivado em ovos embrionados de galinha, obedecendo normas padronizadas da Organização Mundial da Saúde. É disponibilizada gratuitamente em postos de saúde e ocasionalmente em alguns aeroportos, terminais rodoviários e hospitais públicos.

Em 95% das pessoas o efeito protetor (imunidade) ocorre uma semana após a aplicação. Por isso, recomenda-se vacinar dez dias antes da viagem para que haja tempo para proteção efetiva contra a doença. Confere imunidade por 10 anos ou até mais, podendo ser utilizada a partir dos 9 meses de idade. É aplicada por via subcutânea no braço (região deltóidea).

Recomenda-se vacinar todos que residam ou viajem para zonas de risco como florestas e cerrados ou ainda, pessoas profissionalmente expostas ao vírus da febre amarela.
Efeitos colaterais A …