19 fevereiro 2017

Maconha e Alergia



A maconha pode atuar como alérgeno (substância capaz de provocar uma reação alérgica - imunológica). A alergia à maconha (cannabis) resulta de uma sensibilização a uma proteína conhecida como Can s 3, presente na Cannabis sativa. 

A sensibilização alérgica à cannabis pode ocorrer através do consumo ativo com exposição por inalação, contato cutâneo, ingestão ou uso intravenoso. A maioria dos pacientes apresenta rinoconjuntivite e asma e / ou prurido, urticária de contato e / ou angioedema. Os efeitos da exposição indireta à cannabis na sensibilização alérgica ainda são pouco conhecidos.

Recentemente foi publicado na revista americana "The Journal of Allergy and Clinical Immunology" o relato de dois casos em que a sensibilização e alergia de cannabis estava associada a alergias alimentares cruzadas,  parecendo resultar da exposição passiva à cannabis. Tanto a cannabis como as alergias alimentares foram documentadas por uma história completa, testes cutâneos e por testes imunológicos.


Os autores descrevem um adulto e uma criança que apresentam sintomas alérgicos respiratórios e cutâneos na exposição passiva de cannabis e que negam qualquer exposição ativa anterior ao fármaco. Ambos os pacientes tinham sintomas alérgicos generalizados e graves ao ingerir frutas. O diagnóstico da alergia à cannabis foi comprovado e se baseou na história clínica e em testes cutâneos cutâneos positivos.


Em essência, estas descrições de caso suportam a presunção de que a exposição indireta da cannabis sem qualquer exposição ativa anterior poderia ter causado sensibilização e elicitação de sintomas alérgicos à cannabis. Estudos maiores são necessários para confirmar esses achados preliminares.


Alergia a maconha é pouco relatada ao médico, em função de sua ilegalidade.Pode ocorrer em usuários e em trabalhadores que manipulam a maconha. Parece que as pessoas sensíveis a plantas e polens teriam maior risco.  
Os sintomas em geral são discretos, podendo ocorrer rinite alérgica, asma, conjuntivite. Também são descritos casos de coceira e urticária e até mesmo casos graves, com sintomas anafiláticos.

4 Dê sua opinião:

Maci Nogueira disse...

Gostaria de saber se já foi publicado algo sobre a alergia ao clima. Eu tenho esse problema e ele é sério!! Passo muito bem no inverno seco ou sob ar condicionado e tenho péssima resistência ao calor. Muito obrigada!

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Maci Boa noite A adaptação de cada pessoa às condições climáticas é bastante individual. Muitas pessoas agravam sua alergia no inverno e outras com o calor. Mas, não se pode afirmar que seja uma "alergia ao clima". Publicamos alguns textos abordando a influência das mudanças climáticas sobre as doenças alérgicas. Você pode localizar na "nuvem de palavras" que se localiza no final da página ou no setor de pesquisa na coluna da direita. Agradecemos sua participação no Blog da Alergia.

Daciele Preci disse...

Olá, gostaria de saber se existe, e qual, teste cutâneo ou sanguíneo para confirmação de alergia a maconha? Obrigada

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Daciele: boa noite. O diagnóstico é clínico e não depende da realização de testes ou exames. Gratos por sua visita ao blog da Alergia.

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".