29 agosto 2015

29 de Agosto - Dia Nacional de Combate ao fumo






Fumar é um risco à saúde que podemos evitar 

Ao parar de fumar seu corpo vai recebendo benefícios constantes. 
Veja só: 

Após 20 minutos 
A pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal

Após 2 horas 
Não há mais nicotina circulando no seu sangue 

Após 8 horas 
O nível de oxigênio no sangue se normaliza 

Após 12 a 24 horas  
Seus pulmões já funcionam melhor 

Após 2 dias 
Seu olfato já percebe melhor os cheiros e o seu paladar já sente melhor o sabor da comida 

Após 3 semanas 
Você vai notar que sua respiração se torna mais fácil e a circulação melhora 

Após 1 ano 
O risco de morte por infarto já se reduziu à metade 

Após 5 a 10 anos  
O risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram 

Dando o primeiro passo para deixar de fumar 
O mais importante é escolher uma data para ser o seu primeiro dia sem cigarro. Esse dia não precisa ser um dia de sofrimento. Faça dele uma ocasião especial e procure programar algo que goste de fazer para se distrair e relaxar. 

Você pode escolher duas formas para deixar de fumar 
Parada imediata 
Essa deve ser sempre a primeira opção. Você deixa de fumar de uma só vez, cessando totalmente de uma hora para outra. 
Parada gradual 
Você pode usar esse método de duas maneiras Reduzindo o número de cigarros. Para isso, é só contar o número de cigarros fumados por dia e passar a fumar um número menor a cada dia Adiando a hora em que fuma o primeiro cigarro do dia. Você vai adiando o primeiro cigarro por um número de horas predeterminado a cada dia até chegar o dia em que você não fumará nenhum cigarro. Se você escolher a parada gradual não deve gastar mais de duas semanas no processo. 

Mas atenção! 

- Fumar cigarro de baixos teores não é uma alternativa! Eles fazem tanto mal à saúde quanto os outros cigarros. 

 - Cuidado com os métodos milagrosos para deixar de fumar. Se tiver dúvidas, procure orientação médica. 
  
- Fumar narguilé parece inofensivo mas não é:  Segundo a Organização Mundial da Saúde (2005) uma sessão de narguilé dura em média de 20 a 80 minutos, o que corresponde à exposição de todos os componentes tóxicos presentes na fumaça de 100 a 200 cigarros.  
Fonte: INCA

23 agosto 2015

Unhas e alergias




Unhas tiveram função vital para os nossos antepassados na defesa contra inimigos, como verdadeiras garras, originando a expressão usada até hoje: “entre unhas e dentes”.
A humanidade evoluiu e as unhas perderam funções, mas não a sua importância: hoje ainda têm função de defesa, protegem a sensibilidade na ponta dos dedos, interagem com o organismo expressando alterações sistêmicas, doenças, uso de medicamentos, fatores ambientais, ocupacionais, hábitos, etc.
Lembramos das unhas em geral, apenas por seu papel estético, quando na verdade o seu exame pode contribuir de forma significativa para a análise clínica feita pelo médico.
Os cosméticos usados nas unhas podem ser divididos em 4 grupos: 
1. Esmaltes, 
2. Endurecedores de unhas, 
3. Removedores de esmalte e 
4. Removedores de cutículas. 

Esmaltes
Os esmaltes são utilizados para enfeitar as unhas, cobrir descoramentos e dar resistência às unhas fracas. São compostos por várias substâncias:
- Formador primário de filme responsável pela dureza e resistência à abrasão - ex: polímeros de metacrilatos, polímeros vinílicos e nitrocelulose.
- Resina formadora secundária de filme com a função de acrescentar brilho e aderência - ex: formaldeído, p-toluenosulfonamida.
- Plastificantes que proporcionam flexibilidade - ex: ftalato de dibutila, ftalato de dioctila, fosfato de tricresila.
- Solventes - ex: acetatos, cetonas, tolueno, xileno.
- Corantes - pigmentos orgânicos e inorgânicos.
- Materiais de carga especial para dar iridescência - ex: escamas de peixe de guanina ou flocos de dióxido de titânio revestido com mica.
Os três primeiros componentes são dissolvidos em um solvente, acrescentando cor e cargas para obter um aspecto cosmético desejado.
Endurecedores
Endurecedores são preparações cosméticas usadas para aumentar a resistência de unhas quebradiças. São modificações dos esmaltes de unha transparentes com concentrações diferentes de solventes e resinas. Funcionam como camada básica para melhor aderência do esmalte colorido.
Removedores de esmalte
Removedores são substâncias utilizadas para remover os esmaltes de unhas. A forma mais conhecida é a líquida, contendo solventes como: acetona, álcool, acetato de etila, acetato de butila. Essas substâncias podem provocar irritações e ressecamentos da pele ao redor das unhas. Alguns removedores contém materiais gordurosos em sua composição, por exemplo, álcool cetílico, lanolina e óleos sintéticos, sendo mais adequados.
Removedores de cutículas
Removedores de cutículas dissolvem o excesso de tecido cuticular das unhas. Contém hidróxido de sódio ou de potássio entre 2 e 5%, e propilenoglicol ou glicerina como umectante.
Alergia aos cosméticos usados nas unhas
A alergia mais comum é a Dermatite de Contato ou Eczema de Contato ao esmalte. Curiosamente a lesão não surge nas unhas, mas sim em pálpebras, lábios, face, orelhas, queixo e pescoço, ou seja, em locais onde a mão toca e a pele é mais fina. Raramente surgem nos dedos, em torno da unha.
Esmaltes contém substâncias e resinas para dar brilho e proporcionar secagem rápida, sendo em geral causadoras da alergia. A substância sensibilizante mais comum dos esmaltes é a Toluenosulfonamida (resina liberadora de formaldeído), embora muitas outras possam estar envolvidas, como por exemplo, pigmentos, resina poliéster, metilacrilatos, nitrocelulose, etc.
Endurecedores e removedores podem também causar alergia de contato, embora não se utilize mais formaldeído livre nessas preparações. As substâncias usadas são náilon, acetatos, resinas acrílicas, nitrocelulose, entre outras.
Unhas artificiais
Unhas Artificiais são cada vez mais utilizadas por sua praticidade e contém substâncias variadas, utilizando uma cola acrílica para fixação. 
As substâncias mais comuns que podem causar alergia de contato são o metacrilato e as resinas à base de formaldeído. As lesões são raras nas mãos e dedos, mas surgem à distância em pálpebras, lábios, face, queixo e pescoço.
Testes de contato
O diagnóstico da alergia ao esmalte é confirmado através da realização de testes de contato. Consiste na aplicação de fita hipoalergênica contendo substâncias padronizadas nas costas do paciente. O paciente retorna para uma primeira avaliação após 48 horas e retorna ainda para uma ultima avaliação 72 horas após a colocação do teste.
Tratamento

O tratamento compreende o afastamento do produto causador da alergia de contato e no emprego de medicação para controlar as lesões do eczema.
Dicas finais
- Lave as mãos com sabonete líquido, suave e hidratante.
- Use diariamente um creme hidratante nas mãos.
- Ao fazer as unhas, utilize produtos de qualidade. Evite retirar a cutícula, pois aumenta o risco de reações alérgicas. Use uma espátula de madeira para afastá-las.
esmalte

16 agosto 2015

Asma e Rinite

  Muitas pessoas têm asma e também têm rinite. 
E não é raro que estas duas doenças ocorram juntas.
Porque isto acontece? 
 

1: Nariz e pulmões pertencem ao mesmo aparelho respiratório, numa mesma pessoa. 
É errado raciocinar como se fossem estruturas separadas. Na realidade, o aparelho respiratório é único: começa no nariz e termina nos alvéolos pulmonares, em total sincronia: VIAS RESPIRATÓRIAS UNIDAS.


2: O trabalho respiratório é integrado. Ao inspirar, o nariz recebe o ar e imediatamente começa o processo da respiração. Este ar será aquecido, filtrado, umedecido, condicionado e limpo, proporcionando melhores condições para que a respiração pulmonar se realize adequadamente. Ou seja, o nariz é o primeiro passo da respiração. Protege o organismo contra o ingresso de microrganismos presentes no ar que respiramos, retém as impurezas, regula a temperatura e a umidade do ar que passa em direção aos pulmões. 

3: O ar continua seu caminho em direção aos brônquios, por onde entra nos pulmões e daí percorrerá um caminho até os alvéolos onde ocorrerá a troca do oxigênio (O2) pelo gás carbônico (CO2) que será exalado. 

Traduzindo: ninguém respira só com o nariz ou só com os pulmões! Simples assim... 
Mas na prática não é tão simples: somos capazes de permanecer dias, meses e até anos com as narinas entupidas, espirrando e muitas vezes, sem tratamento. Com o passar do tempo, certamente o pulmão também sofrerá. 

Rinite é grave? 
As pessoas têm mais medo da asma do que da rinite, que é considerada uma doença de menor importância. A rinite não é uma doença grave. Porém, como diz o ditado popular, a rinite não mata, mas...maltrata! A inflamação repetida da mucosa nasal na Rinite Alérgica pode resultar em acometimento os olhos, ouvidos, seios da face, amígdalas, faringe e pulmões. E a rinite pode desencadear a “TUDOITE”: sinusite, otite, amigdalite, conjuntivite, piora da asma (ou bronquite), etc...  E forma-se o problema: 
A pessoa, seja criança ou adulto, passa a ficar permanentemente com algum problema, tosse, catarro, mal estar, respiração bucal, entre outros.
Em suma, a rinite não mata, mas pode maltratar muito!

Rinite e asma: doenças interligadas 
Os estudos mostram que cerca de 80% das pessoas que têm asma, têm também a rinite alérgica. O contrário não é tão alto, mas também é expressivo: cerca de 40% das pessoas que têm rinite, têm também a asma. 

E esta associação não é inerte: as duas doenças interagem. A presença dos sintomas nasais, em especial da obstrução do nariz, leva ao agravamento da asma, piora das crises, maior gasto com remédios, maior sofrimento às pessoas. 

A rinite alérgica pode “virar” uma asma? 
De certo modo, sim. Nem todo mundo que tem rinite terá obrigatoriamente asma. Mas, as pessoas portadoras de rinite (crianças ou adultos) têm alto risco de evoluir com surgimento de asma. O inicio da asma pode passar despercebido, surgindo como uma tosse insistente, quando ri, brinca, ao fazer esforços ou durante a noite. Numa pessoa que tenha as duas doenças, tratar a rinite melhora a asma? Sim. É provado que quanto pior estiver a rinite, pior será o comportamento pulmonar. E, o contrário: tratar a rinite leva a uma grande melhora da asma. 

Concluindo: embora o nariz e os brônquios tenham funções diferentes, compõem a mesma via respiratória, ou seja, um caminho único e revestido por um mesmo tipo de mucosa. Por isso, é necessário tratar da rinite para se conseguir sucesso no controle da asma. As vias respiratórias são unidas: do nariz até os pulmões! Não adianta tratar só a asma sem tratar a rinite e vice versa.

PS: vale lembrar que  Asma, Bronquite asmática, Bronquite alérgica ou simplesmente bronquite, são nomes usados popularmente para definir uma mesma doença. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...