Pular para o conteúdo principal

Quem somos


A trajetória do nosso grupo médico se inicia em 1952, quando o professor E. Brum Negreiros fundou a Clínica de Alergia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro criando um ambulatório especializado no atendimento aos portadores de doenças alérgicas e implantando o primeiro serviço universitário especializado em Alergia no Brasil. Desde então, lá passou a funcionar o Curso de Pós-Graduação em Alergia e Imunologia, inicialmente com a chancela da Pontifícia Universidade Católica (PUC RJ) e posteriormente com o Instituto Carlos Chagas.

Em 1984 o Serviço de Alergia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro passou a ser dirigido pelo Professor João Bosco de Magalhães Rios, livre docente na especialidade, mantendo sua excelência como um centro de referência como curso de Pós-Graduação, na formação de médicos especialistas e no atendimento de doenças alérgicas. Nos últimos anos este curso passou a ter a chancela da Faculdade de Medicina de Petrópolis Arthur de Sá Earp (FMP-FASE) sendo coordenado pelo Professor José Luiz de Magalhães Rios, mestre e doutor em medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Nesse ínterim, foi criado o grupo "Alergistas coligados", passando a  atuar como uma interface junto à coordenação do curso e as atividades ambulatoriais.
 
O ano de 2018 marca uma nova etapa, migrando para o Hospital Central do Exército no Rio de Janeiro. Esta migração vem complementar o crescimento para o curso, com recursos tecnológicos, hospitalares e melhores instalações, mantendo e ampliando sua missão de propagar o conhecimento para as novas gerações de alergistas.
Em todos estes anos, desde 1952, foram formados inúmeros médicos especialistas em Alergia e Imunologia, hoje renomados, no Brasil e na América Latina. A qualidade do ensino e a dedicação de todos os professores que passaram por ele tornam o curso reconhecido em todo o país, mantendo os ideais de seus eméritos idealizadores, Professor E. Brum Negreiros e Prof. J.B. Magalhães Rios.

O Blog da Alergia, criado em outubro de 2006, é um complemento a este trabalho, estendendo esta visão de excelência em propagação do conhecimento também ao público leigo, oferecendo orientações de qualidade sobre as doenças alérgicas, formas de prevenção e meios de tratamento. 

Sejam bem-vindos! 

Atenciosamente,
Fátima Emerson

(Coordenadora do Blog da Alergia)

Coordenação Acadêmica:
José Luiz de Magalhães Rios

Coordenação Administrativa:

Marilucia Alves da Venda


EQUIPE MÉDICA (ordem alfabética)
Dr. Alfredo Alves Neto
Dr. Emmanuel Reis Martins
Dra. Fátima Emerson
Dra. Fernanda Bonheur
Dr. José Leonardo Sardenberg
Dra. Katiuscia Brilhante Albuquerque
Dra Kleiser Aparecida Pereira Mendes
Dr. Lian Pontes de Carvalho
Dr. Luiz Carlos Arcanjo
Dra. Neide Freire Pereira
Dr. Nelson Guilherme Cordeiro
Dr. Sílvio Lima Filho
Dra.Tânia Maria Gonçalves Tavares



Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …