Pular para o conteúdo principal

Pós-graduação


Curso de Pós-Graduação em Alergia e Imunologia




Faculdade de Medicina de Petrópolis - FMP FASE




Serviço de Alergia - Hospital Central do Exército - HCE - RJ


Missão
: difundir conhecimentos de excelência em Alergia e Imunologia Clínica. 
Visão: oferecer formação qualificada aos médicos pós-graduandos, incluindo atendimento ambulatorial especializado aliado à educação à comunidade leiga.
Objetivo Geral
O curso destina-se à formação de especialistas em Alergia e Imunologia Clínica, tornando-os aptos a entender os processos imuno-alérgicos envolvidos nas doenças atópicas e a diagnosticar e tratar essas enfermidades. Visa, ainda, incentivar a pesquisa e a realização de trabalhos científicos nessa área de conhecimento. Procura alcançar não apenas profissionais da cidade do Rio de Janeiro, mas também médicos oriundos do interior, onde há maior carência de cuidados especializados.

Público alvo: Médicos que tenham concluído residência médica ou pós-graduação Latu-Sensu (carga horária acima de 2.000 horas) em pediatria, clínica médica, medicina da família ou especialidades a fins.
Duração: dois anos, englobando atividades teóricas e treinamento ambulatorial.

Coordenação Acadêmica:
José Luiz de Magalhães Rios

Coordenação Administrativa:

Marilucia Alves da Venda


EQUIPE MÉDICA (ordem alfabética)
Dr. Alfredo Alves Neto
Dr. Emmanuel Reis Martins
Dra. Fátima Emerson
Dra. Fernanda Bonheur
Dr. José Leonardo Sardenberg
Dra. Katiuscia Brilhante Albuquerque
Dra Kleiser Aparecida Pereira Mendes
Dr. Lian Pontes de Carvalho
Dr. Luiz Carlos Arcanjo
Dra. Neide Freire Pereira
Dr. Nelson Guilherme Cordeiro
Dr. Sílvio Lima Filho
Dra.Tânia Maria Gonçalves Tavares



PARCERIAS: O curso trabalha em parceria com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) - Associação Brasileira de Alergia e Imunologia regional RJ (ASBAI-RJ) e com o Centro de Aperfeiçoamento e Estudos em Alergia e Imunologia (CPA).


Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Alérgicos podem tomar vacina da febre amarela?

O aumento do número de pessoas no Brasil com febre amarela trouxe à tona a necessidade do uso da vacina e com isso, surgiram algumas dúvidas.

A vacina é produzida pela FIOCRUZ com o vírus da febre amarela vivo e atenuado cultivado em ovos embrionados de galinha, obedecendo normas padronizadas da Organização Mundial da Saúde. É disponibilizada gratuitamente em postos de saúde e ocasionalmente em alguns aeroportos, terminais rodoviários e hospitais públicos.

Em 95% das pessoas o efeito protetor (imunidade) ocorre uma semana após a aplicação. Por isso, recomenda-se vacinar dez dias antes da viagem para que haja tempo para proteção efetiva contra a doença. Confere imunidade por 10 anos ou até mais, podendo ser utilizada a partir dos 9 meses de idade. É aplicada por via subcutânea no braço (região deltóidea).

Recomenda-se vacinar todos que residam ou viajem para zonas de risco como florestas e cerrados ou ainda, pessoas profissionalmente expostas ao vírus da febre amarela.
Efeitos colaterais A …