Pular para o conteúdo principal

Alérgicos – preparados para sofrer?





Mas, seria melhor perguntar:



Alérgicos - preparados para prevenir a alergia 
no outono - inverno?

O outono começa oficialmente hoje e fica no ar a idéia de que está começando a temporada de sofrimento para os alérgicos.
Mas... Porque?
O forte calor do verão vai sendo gradativamente substituído pela brisa da tarde, chuvas refrescantes. O próprio sol já não é escaldante, transformando o Brasil num país de temperaturas mais amenas e agradáveis. Ao mesmo tempo, chegam as “mudanças de tempo”, tão temidas pelos alérgicos.


Já abordamos o tema anteriormente e recomendamos a leitura: Clique e leia

O fato é que no período do outono-inverno, com a temperatura mais baixa a umidade tende a aumentar, o que cria condições muito favoráveis para os ácaros. Em geral, aumentando a umidade, aumentam também os mofos e bolores (fungos) que também podem agravar alergias.
Por outro lado, neste período do ano, com o final das férias, as pessoas tendem a ficar mais tempo dentro de casa ou em ambientes fechados, como escolas, trabalho e residências.
Há um favorecimento ao aparecimento de resfriados, gripes e outras viroses. Ou seja, pouco a pouco aumentam as condições desfavoráveis para os alérgicos, aumentando crises de asma, rinite, sinusite, faringite, otite, pneumonia, etc. aumentando a procura de atendimento médico em setores de emergência.
A alergia respiratória nem sempre é grave a ponto de ameaçar a vida, mas pode provocar muito desconforto, atrapalhar o sono, as atividades diárias (escola, brincadeiras, trabalho) e prejudicar a qualidade de vida.


Mas, é possível tomar precauções para evitar o problema:

1.Faça uma visita preventiva ao seu alergista. Alergia não se trata só nas crises. É importante reavaliar seu tratamento e julgar se há necessidade de manter uma medicação contínua para prevenir que as crises venham.

2.A imunização contra a gripe é importante pois protege o alérgico das formas graves da doença.


3.Lave todas as roupas guardadas antes de usá-las, mesmo que estejam em sacos plásticos e tenham sido lavadas antes de guardadas.


4.Crianças pequenas crescem rápido e raramente têm roupas guardadas de um inverno para outro. Mas, mesmo que os adultos que moram com ela não sejam alérgicos, deverão tomar este cuidado.


5.Lave também: mantas, edredons, moletons, pijamas. O que não for possível lavar, deve ser colocado ao sol.


7.Areje sua casa: deixe janelas abertas. Vento e ar fresco não fazem mal, mas janelas fechadas, sim!


8.Alimentação saudável e líquidos: princípios básicos na dieta da família.


9.Encape travesseiros e colchões. caso não tenha uma capa, pode improvisar com plástico para embalar alimentos. Se possível, troque seus travesseiros periodicamente.


Aproveite as lindas tardes de outono para fugir do ar refrigerado. Ao invés de ir ao shopping ou ao cinema, caminhe com a família e os amigos. Deixe o computador por algumas horas e saia para tomar uma água de coco, um suco ou simplesmente um de um passeio para colocar o papo em dia, conviver e brincar com seus filhos.

Comentários

  1. ola eu tenho uma alergia no rosto e no braço naum doi nada so q enche de caroso naum sei oq passar ou usar ?? deve ser alergia ha po oq devo passar no rosto

    ResponderExcluir
  2. Bruno: peço sua compreensão, mas não há como indicar uma medicação sem examinar sua pele pessoalmente. A nossa equipe está ao seu inteiro dispor na Clínica de Alergia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro. Agradecemos sua visita.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.