Pular para o conteúdo principal

Obesidade e Asma


Asma e obesidade estão relacionadas? “Estudos sugerem que a ação pró-inflamatória do tecido adiposo pode levar ao desenvolvimento de inflamação nas vias aéreas e, como consequência, deste processo, a asma”, explica o Dr. Fábio Kuschnir, especialista e diretor da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI).
Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS), a asma atinge cerca de 235 milhões de pessoas em todo o planeta. Só no Brasil, a doença afeta aproximadamente 20% das crianças e adolescentes. Estudos apontam que a asma é responsável pela morte de dois milhões de pessoas no mundo.
Já a obesidade, ainda de acordo com dados da OMS, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estarão com sobrepeso, e mais de 700 milhões, obesos. O número de crianças com sobrepeso e obesidade no mundo poderá chegar a 75 milhões.
Diferentes hipóteses envolvendo fatores genéticos, ambientais, nutricionais, tipo de microbiota, estilos de vida entre outros, procuram explicar a relação entre asma e obesidade. Dr. Kuschnir explica que, embora a chamada “asma-obesa” apresente algumas características específicas, até o momento, não há um mecanismo único que seja dominante, uma vez que estes fatores podem atuar em diferentes estágios do desenvolvimento do indivíduo, desde o período pré-natal até a idade adulta. O desafio é entender como a obesidade influencia a asma e vice-versa.
Abaixo, o especialista da ASBAI comenta estudos e a relação entre as duas doenças crônicas.

Uma pessoa obesa tem mais propensão a desenvolver a asma?
Dr. Fábio Kuschnir – Sim. Estudos de seguimento (longitudinais) mostram que, em geral, a obesidade precede a asma e que o risco de asma aumenta com a obesidade.
Há levantamento de quantos pacientes com obesidade sofrem com a asma?
Dr. Fábio Kuschnir – Estudos de metanálise envolvendo dezenas de milhares de pacientes, inclusive brasileiros, de diferentes faixas etárias, demonstraram que aqueles com sobrepeso e obesidade apresentaram respectivamente 25% e 50% mais chance de ter asma. Em função da alta prevalência do excesso de peso na população mundial é possível dimensionar o seu impacto sobre o desenvolvimento ou piora da asma.
Tratar a asma em pacientes obesos requer um maior cuidado? Quais?
Dr. Fábio Kuschnir – Sim, especialmente em adultos pode requerer mais atenção, principalmente em relação à gravidade do quadro clínico e resposta ao tratamento. Substâncias como a Proteína C reativa, Interleucina 6 e leptina produzidas pelas células do tecido adiposo (adipócitos) foram associadas com uma diminuição da função pulmonar e uma inflamação nas vias aéreas do tipo neutrofílica (“asma não alérgica”), especialmente nos casos mais graves de asma. Este tipo de inflamação difere do padrão encontrado na “asma alérgica” clássica causada por aeroalérgenos da poeira doméstica como os ácaros, pelos de animais e fungos.
De um modo geral, os neutrófilos são mais resistentes aos corticoides, fazendo com que pacientes obesos asmáticos sejam menos sensíveis ao tratamento com estes medicamentos, considerados de primeira linha para manutenção e controle dos sintomas da asma.
A atividade física é recomendada para um paciente com obesidade e asmático?
Dr. Fábio Kuschnir – Juntamente com a terapêutica adequada e a dieta, visando a redução do peso, um plano de atividades físicas é um dos pilares do tratamento da asma nestes pacientes. Estudos mostram que, isoladamente, o exercício aumenta a capacidade aeróbica, melhora o controle dos sintomas de asma e, consequentemente, a qualidade de vida.
O tratamento na criança com obesidade e asma é semelhante ao do adulto?
Dr. Fábio Kuschnir – Sim, porém é sempre bom lembrar que crianças não são “mini-adultos” e a asma apresenta características clínicas e funcionais próprias da faixa etária.
A maioria das crianças obesas com asma é constituída por alérgicos com padrão inflamatório pulmonar eosinofílico, característico da asma “alérgica”, típico da infância. Nestes casos, a maioria dos pacientes desenvolveu obesidade posteriormente, complicando uma asma pré-existente e são bons respondedores à terapia convencional com corticoides inalatórios.
Para uma melhor qualidade de vida, quais recomendações o Sr. pode passar a uma pessoa com obesidade e asma?
Dr. Fábio Kuschnir – Em primeiro lugar consultar o alergista para um diagnóstico preciso da sua enfermidade. Algumas medidas citadas anteriormente irão melhorar a qualidade de vida da pessoa com asma e obesidade:
  • A redução de peso está associada à diminuição dos sintomas e da gravidade da asma, além de melhorar a função pulmonar e a resposta ao tratamento da asma.
  • A instituição de uma dieta “natural” a base de frutas, vegetais e carnes magras (peixe).
  • Atividade física
A associação destes dois últimos itens apresenta um efeito sinérgico na melhora da qualidade de vida e nos parâmetros clínicos e funcionais da asma.
Embora seja uma agenda aparentemente “fácil” de cumprir, na prática sabemos das dificuldades de implementar tais medidas. Por esta razão, o ideal é que sempre que possível o paciente com asma e obesidade seja assistido por uma equipe multidisciplinar constituída minimamente pelo médico especialista, nutricionista e profissional de educação física.
“Asma e Obesidade está na grade científica do 46º Congresso Brasileiro de Alergia e Imunologia, que este ano acontece na cidade de Florianópolis (SC), entre os dias 25 e 28 de setembro. O tema centra do Congresso este ano é “A Medicina Translacional nas Doenças Alérgicas”.     (Por Patrícia Andrade)
FONTE: EcoDebate

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano. Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico. Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madei

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert. Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa. É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça Quadro c

Disidrose (eczema disidrótico)

A disidrose é um eczema localizado em mãos e pés, ocorrendo em surtos alternados a períodos sem sintomas. A palavra disidrose (dis=defeito e hidrose=produção de água ou suor) foi usada pela primeira vez em 1873, porque na época acreditava-se que a doença era causada por distúrbios sudoríparos. Já em 1876, alguns estudos atribuíram a doença a fatores nervosos e modificaram o nome para Phompholix. Atualmente a disidrose é considerada uma reação eczematizada. Assume características peculiares por atingir mãos e pés, onde a pele tem características especiais, sendo mais espessada. O líquido presente nas lesões resulta de processo inflamatório. A alteração do suor, embora não seja fator causal, é um importante agravante das lesões. Verifica-se também que outros fatores, como alterações climáticas e estresse emocional constituem significativos fenômenos desencadeantes. Por isso, alguns autores preferem utilizar o termo Eczema Disidrótico. Como se manifesta: Na disidrose, surge primeiro o