Pular para o conteúdo principal

Eczema de contato ocupacional nos idosos

O eczema de contato é produzido pela ação direta de substâncias sobre a pele. Estas substâncias podem atuar como irritantes da pele ou por mecanismo alérgico. Em algumas pessoas, o eczema pode estar relacionado às atividades de trabalho, sendo neste caso, chamado de "Eczema de contato ocupacional". Antigamente, era raro em idosos. Hoje, é comum que  idosos trabalhem até uma idade mais avançada, manipulando por mais tempo determinados materiais. Além disso, alguns indivíduos passam a lidar com substâncias novas, mais sensibilizantes, decorrentes de trabalhos alternativos, iniciados após a aposentadoria, para complementar a renda familiar. O aparecimento das lesões na pele resulta da exposição repetida com substâncias às vezes puras ou em altas concentrações durante o trabalho. Cerca de 80% dos casos de lesões na pele de origem ocupacional é consequente da ação irritante das substâncias empregadas. Diagnóstico do problema O diagnóstico é clínico. O médico alergista analisa a história clínica de cada pessoa e procede um exame cuidadoso das lesões, avaliando o aspecto, sua localização e as características do processo recente (agudo) ou antigo (crônico). Quando alguém refere piora nos dias de trabalho e tem melhora nas férias ou mesmo nos fins de semana, apontam para um eczema profissional. Certas atividades determinam alta incidência de dermatoses em virtude do material utilizado. O teste de contato é o método utilizado para o diagnóstico. O teste é realizado nas costas do paciente, usando uma bateria padrão, contendo as substâncias que mais comumente são responsáveis por esse tipo de eczema. Como é realizado o teste de contato?
Os testes de contato são realizados com as substâncias a serem testadas colocadas em pequenos pedaços de papel absorvente presos a uma fita adesiva hipoalergênica, que é aplicada diretamente sobre a pele, onde ficará em contenção durante 48 horas. Neste intervalo, não é permitido molhar o local nem realizar exercício físico vigoroso. - Após 48 horas o material é removido e verifica-se se ocorreu reação no local de aplicação de cada substância. O local pode ser exposto à luz solar (devido a possível piora com a luz). - Após mais 24 ou 48 horas observa-se novamente o local do teste para confirmar a reação alérgica. É importante não molhar a região para não apagar as marcações feitas em cada local testado. Considerações Finais • A alergia de contato, uma vez instalada, se repetirá todas as vezes que houver nova exposição com a substância desencadeante. Uma vez alérgico, será sempre alérgico. Até o momento, a medicina ainda não tem a cura definitiva do problema. Não existe vacina para dermatite de contato. • A dermatite de contato é benigna, não é transmissível nem contagiosa. • A substância causadora deve ser evitada, já que o contato resulta na recidiva da doença. • É importante conhecer o nome químico da substância causadora, mas também onde é encontrada e as formas de evitá-la. Usar equipamentos de proteção nos casos ocupacionais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.