Pular para o conteúdo principal

Tecnologia no Curso de Especialização em Alergia e Imunologia Clínica




O curso de Especialização em Alergia e Imunologia Clínica da Faculdade de Medicina Petrópolis FMP/FASE, em convênio com Hospital do Central do Exército, a partir de 2019, conta com a plataforma digital Moodle, uma plataforma de aprendizagem à distância baseada em software livre. 

O Moodle é um sistema de gestão do ensino e aprendizagem de alta qualidade e com muitos tipos de recursos disponíveis, desenvolvido na forma de um aplicativo, para ajudar os educadores a criar cursos on-line, ou dar suporte on-line a cursos presenciais. Essa plataforma possibilita que os alunos (e também os professores) tenham acesso on line às aulas do curso, artigos científicos, sessões clínicas etc, pelo computador ou celular. Com isso, os alunos poderão recuperar eventuais aulas perdidas, aprofundar os temas abordados, rever, pesquisar e muito mais. 



Amplia-se enormemente o alcance e a profundidade dos ensinamentos ministrados pelo curso e insere os alunos no que há de mais moderno no universo da tecnologia de educação."

Fonte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Corticóides nasais na rinite alérgica

Os principais medicamentos usados no tratamento da rinite alérgica são os corticóides usados sob a forma de sprays nasais. Estes medicamentos têm eficácia comprovada na redução dos sintomas. Contudo, muitas pessoas ainda têm medo de usá-los apenas pelo fato de serem corticoides, por medo de efeitos colaterais. 

A rinite alérgica é definida como uma doença inflamatória crônica do nariz, que resulta em sintomas: espirros em salva, coriza, obstrução nasal e coceira (no nariz, olhos ouvidos e garganta). Sendo assim, o tratamento deve combater essa inflamação persistente que caracteriza a doença.  

A rinite parece ser uma doença simples e sem importância, mas não é verdade, pois pode causar muitos problemas, como: tosse crônica, infecções repetidas (sinusite, amigdalite, otite, pneumonia, entre outras), tosse crônica, aumento das adenoides, respiração bucal, alterações de olfato, paladar, distúrbios de sono, etc. O fato é que a doença pode interferir de forma grave na qualidade de vida, em …