Pular para o conteúdo principal

Será mesmo uma alergia alimentar?



Muitas pessoas afirmam ter alergia alimentar. Porém, a realidade parece ser outra. Nos Estados Unidos, uma universidade aplicou questionários sobre hábitos alimentares em 40.443 americanos.   19% dos entrevistados afirmaram ter alergia a algum alimento e quase metade dessas pessoas relatava que já havia procurado atendimento em hospital por esse motivo.

Contudo, quando era solicitado que descrevessem os sintomas para caracterizar a alergia, o resultado apontou que metade das pessoas que informavam ter alergia alimentar na realidade não sofria desse problema. Ou seja, estas pessoas não relatavam sintomas compatíveis com uma alergia alimentar. Além disso, só metade dos que afirmavam ter  alergia alimentar tinham sido diagnosticados por um médico, e a menos de um quarto tinha sido receitada adrenalina, administrada em casos de reações alérgicas graves. 

Na verdade, a grande maioria descrevia sintomas compatíveis com intolerâncias alimentares, cujos sintomas - dor de barriga, diarreia, náuseas, entre outros, podem ser bastante incômodos, mas não ameaçam a vida.  Algumas pessoas haviam tido intoxicações, por ingestão de alimentos estragados, mal conservados ou de qualidade duvidosa. 

Os sintomas principais das alergias alimentares, de origem imunológica, envolvem vários órgãos e sistemas, ao mesmo tempo: manchas na pele, urticária, coceiras, inchaços, vômitos, dificuldade respiratória, sensação de garganta fechada e anafilaxia, que pode ser fatal.  

Os investigadores alertam para a importância de se consultar um médico especialista em Alergia para um diagnóstico correto antes de se eliminar, de vez, um produto da dieta. E, nos casos confirmados de alergia alimentar, que os pacientes sejam orientados a reconhecer os sintomas da anafilaxia e aprendam a utilizar a adrenalina auto-injetável, que pode salvar vidas. 

FONTE: Gupta RS, Warren CM, Smith BM, et al. Prevalence and Severity of Food Allergies Among US Adults. JAMA Netw Open. 2019;2(1):e185630. doi:10.1001/jamanetworkopen.2018.5630   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Corticóides nasais na rinite alérgica

Os principais medicamentos usados no tratamento da rinite alérgica são os corticóides usados sob a forma de sprays nasais. Estes medicamentos têm eficácia comprovada na redução dos sintomas. Contudo, muitas pessoas ainda têm medo de usá-los apenas pelo fato de serem corticoides, por medo de efeitos colaterais. 

A rinite alérgica é definida como uma doença inflamatória crônica do nariz, que resulta em sintomas: espirros em salva, coriza, obstrução nasal e coceira (no nariz, olhos ouvidos e garganta). Sendo assim, o tratamento deve combater essa inflamação persistente que caracteriza a doença.  

A rinite parece ser uma doença simples e sem importância, mas não é verdade, pois pode causar muitos problemas, como: tosse crônica, infecções repetidas (sinusite, amigdalite, otite, pneumonia, entre outras), tosse crônica, aumento das adenoides, respiração bucal, alterações de olfato, paladar, distúrbios de sono, etc. O fato é que a doença pode interferir de forma grave na qualidade de vida, em …