Pular para o conteúdo principal

Lenços umedecidos


Lenços umedecidos são bastante práticos para limpeza nas trocas de fraldas em bebês e crianças pequenas. Porém, nos últimos anos,  tem sido descritos casos de alergia, em consequência de produtos neles contidos,em especial pela  presença de uma substância denominada metilisotiazolinona. 

Hoje, a maior parte dos lenços umedecidos já modificou suas fórmulas. Mesmo assim, possuem outros ativos químicos, como como conservantes, fragrâncias, ácidos, entre outros. Por isso, o melhor é usar o mínimo possível. 

É aconselhável ler atentamente o rótulo e escolher marcas que não contenham o conservante mencionado, assim como a menor quantidade possível de produtos químicos. 

Vale lembrar que mesmo os que trazem na embalagem avisos como: "dermatologicamente testados” ou “naturais” ou “hipoalergênicos” podem provocar reações alérgicas ou irritativas na pele. 

 

DICAS ÚTEIS
  • Limpar com algodão embebido em água filtrada.
  • Se necessário, usar sabonete infantil neutro.
  • Secar bem após fazer a higiene.
  • Usar lenços umedecidos o mínimo possível - reservar para situações especiais. 
  • Não usá-los para limpeza de mãos e no rosto do bebê.  
  • Leia sempre o rótulo antes do uso. 
  • Caso tenha dúvidas, ou se a criança já apresentar uma pele sensível ou alergia prévia, peça orientação médica antes do uso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.