Pular para o conteúdo principal

O que significa caseína


 
Caseína nada mais é do que leite de vaca.  Por que não usar, então, uma linguagem coloquial, de fácil entendimento para qualquer cidadão? 
Essa falta de objetividade tem levado perigo às pessoas que desenvolveram alergia alimentar, o que corresponde entre 8% e 10% da população brasileira. 
Os rótulos das embalagens de alimentos deixam muito a desejar em relação às informações claras e compreensíveis por boa parte dos consumidores. 
Por exemplo, maltodextrina, carboidrato complexo, proveniente da conversão enzimática do amido do milho ou, simplesmente, milho. Nos pacotes de bolachas, a descrição da composição do alimento, na maioria das vezes, está em letras pretas, fundo vermelho, brilhante. Não há contraste, o que dificulta a leitura dos ingredientes utilizados no produto.  Dessa forma, a pessoa alérgica ao leite não sabe se pode ou não consumir esse ou aquele alimento.

Estudos conduzidos em 2009 pela Unidade de Alergia e Imunologia do Instituto da Criança do HC-FMUSP mostraram que 39,5% das reações alérgicas foram relacionadas aos erros na leitura de rótulos. 

“Além disso, são raros os fabricantes que alertam para o risco da contaminação no caso de indústrias que manipulam insumos alimentícios diversos, podendo expor o paciente alérgico a pequenas frações do ingrediente que ele não pode consumir”, explica o Dr. Fábio Morato Castro, da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI). 
Dessensibilização
Mais de 100 pacientes responderam de forma positiva ao tratamento de Dessensibilização Alimentar, realizado pelo Hospital das Clínicas de São Paulo (HCSP). Anteriormente a este tratamento, essas pessoas não podiam ter o mínimo contato com os alimentos aos quais eram sensíveis, nem mesmo inalar ou encostar, devido a fortes e graves reações alérgicas. Os resultados são promissores, com uma taxa de sucesso em torno dos 90%. A técnica, também conhecida como Imunoterapia Oral, é realizada com a ingestão do alimento alergênico causador, com o objetivo de tornar o organismo mais tolerante à substância. O tratamento é realizado entre 12 e 15 sessões. No início, o alimento é diluído e começa a administração oral do extrato alimentar, em pequenas quantidades, que vão aumentando, progressivamente, até uma porção habitual, ou seja, uma refeição comum. 

Fonte

Nota: recentemente a legislação brasileira de rotulagem mudou, obrigando os fabricantes a incluir nos rótulos a mensagem: CONTÉM LEITE, para esses produtos . No entanto, persiste a necessidade de prestar muita atenção aos rótulos, pois essas informações podem passar despercebidas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Corticóides nasais na rinite alérgica

Os principais medicamentos usados no tratamento da rinite alérgica são os corticóides usados sob a forma de sprays nasais. Estes medicamentos têm eficácia comprovada na redução dos sintomas. Contudo, muitas pessoas ainda têm medo de usá-los apenas pelo fato de serem corticoides, por medo de efeitos colaterais. 

A rinite alérgica é definida como uma doença inflamatória crônica do nariz, que resulta em sintomas: espirros em salva, coriza, obstrução nasal e coceira (no nariz, olhos ouvidos e garganta). Sendo assim, o tratamento deve combater essa inflamação persistente que caracteriza a doença.  

A rinite parece ser uma doença simples e sem importância, mas não é verdade, pois pode causar muitos problemas, como: tosse crônica, infecções repetidas (sinusite, amigdalite, otite, pneumonia, entre outras), tosse crônica, aumento das adenoides, respiração bucal, alterações de olfato, paladar, distúrbios de sono, etc. O fato é que a doença pode interferir de forma grave na qualidade de vida, em …