Pular para o conteúdo principal

O que significa caseína


 
Caseína nada mais é do que leite de vaca.  Por que não usar, então, uma linguagem coloquial, de fácil entendimento para qualquer cidadão? 
Essa falta de objetividade tem levado perigo às pessoas que desenvolveram alergia alimentar, o que corresponde entre 8% e 10% da população brasileira. 
Os rótulos das embalagens de alimentos deixam muito a desejar em relação às informações claras e compreensíveis por boa parte dos consumidores. 
Por exemplo, maltodextrina, carboidrato complexo, proveniente da conversão enzimática do amido do milho ou, simplesmente, milho. Nos pacotes de bolachas, a descrição da composição do alimento, na maioria das vezes, está em letras pretas, fundo vermelho, brilhante. Não há contraste, o que dificulta a leitura dos ingredientes utilizados no produto.  Dessa forma, a pessoa alérgica ao leite não sabe se pode ou não consumir esse ou aquele alimento.

Estudos conduzidos em 2009 pela Unidade de Alergia e Imunologia do Instituto da Criança do HC-FMUSP mostraram que 39,5% das reações alérgicas foram relacionadas aos erros na leitura de rótulos. 

“Além disso, são raros os fabricantes que alertam para o risco da contaminação no caso de indústrias que manipulam insumos alimentícios diversos, podendo expor o paciente alérgico a pequenas frações do ingrediente que ele não pode consumir”, explica o Dr. Fábio Morato Castro, da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI). 
Dessensibilização
Mais de 100 pacientes responderam de forma positiva ao tratamento de Dessensibilização Alimentar, realizado pelo Hospital das Clínicas de São Paulo (HCSP). Anteriormente a este tratamento, essas pessoas não podiam ter o mínimo contato com os alimentos aos quais eram sensíveis, nem mesmo inalar ou encostar, devido a fortes e graves reações alérgicas. Os resultados são promissores, com uma taxa de sucesso em torno dos 90%. A técnica, também conhecida como Imunoterapia Oral, é realizada com a ingestão do alimento alergênico causador, com o objetivo de tornar o organismo mais tolerante à substância. O tratamento é realizado entre 12 e 15 sessões. No início, o alimento é diluído e começa a administração oral do extrato alimentar, em pequenas quantidades, que vão aumentando, progressivamente, até uma porção habitual, ou seja, uma refeição comum. 

Fonte

Nota: recentemente a legislação brasileira de rotulagem mudou, obrigando os fabricantes a incluir nos rótulos a mensagem: CONTÉM LEITE, para esses produtos . No entanto, persiste a necessidade de prestar muita atenção aos rótulos, pois essas informações podem passar despercebidas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…