Pular para o conteúdo principal

Alérgicos a medicamentos e leitura das bulas dos remédios


A alergia a medicamentos está aumentando no mundo inteiro. Mas nem toda reação é causada por alergia. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) define como reação adversa a medicamento qualquer efeito nocivo, não intencional e indesejado de uma droga, observado nas doses terapêuticas habituais em seres humanos para fins terapêuticos, profiláticos ou diagnósticos. As reações adversas a medicamentos classificam-se em previsíveis e imprevisíveis. A alergia é uma reação imprevisível que envolve a participação do sistema imunológico. 
 
As bulas dos medicamentos obedecem regulamentação da ANVISA e devem informar de forma completa e em linguagem acessível, dados importantes como por exemplo:
-Nome comercial e denominação genérica dos princípios ativos;
-Indicação da composição do produto; se é para uso adulto ou infantil,
-Informações ao paciente (em linguagem acessível): como funciona o medicamento,riscos, modo de uso, reações adversas, o que fazer em caso de superdosagem e cuidados de conservação do produto;
-Informações técnicas para profissionais de saúde bem como informações legais, número de registro na Anvisa, CNPJ do laboratório.
 
Mas, nem sempre é fácil identificar apenas na leitura da bula se um remédio poderá causar alergia. Por isso, o Blog da Alergia selecionou algumas dicas.

- A alergia é uma reação imprevisível, que pode ocorrer mesmo quando uma pessoa já fez uso de um determinado remédio. Neste quesito, a maioria das bulas não é clara quanto à possibilidade de causar alergia. A palavra "hipersensibilidade" em geral é usada como sinônimo de alergia.

- Se você tem alergia a uma determinada substância, saiba que a reação pode ocorrer não apenas aos medicamentos para uso sistêmico, ou seja: injeções,comprimidos ou xaropes, mas também para uso tópico: colírios, gotas, pomadas, remédios ginecológicos, entre outros.
 
- Remédios homeopáticos, fitoterápicos ou ditos naturais, embora mais raramente, também podem provocar alergia.

- O nome do remédio pode ser diferente, mas indicar o mesmo princípio ativo. Por exemplo: os analgésicos como a dipirona e a aspirina estão contidos em inúmeros medicamentos nomes comerciais diferentes. Por isso, fique atento ao princípio ativo.
 
- Podem ocorrer as chamadas "reações cruzadas" entre substâncias aparentemente diferentes mas que tenham semelhança farmacológica. Um exemplo é a reação que ocorre entre analgésicos e anti-inflamatórios.

- Se você tem alergia a medicamento, leia sempre a bula antes de usar. E, se esta leitura gerar dúvidas, o médico especialista em Alergia e Imunologia poderá esclarecer e orientar de forma adequada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alérgicos podem tomar vacina da febre amarela?

O aumento do número de pessoas no Brasil com febre amarela trouxe à tona a necessidade do uso da vacina e com isso, surgiram algumas dúvidas.

A vacina é produzida pela FIOCRUZ com o vírus da febre amarela vivo e atenuado cultivado em ovos embrionados de galinha, obedecendo normas padronizadas da Organização Mundial da Saúde. É disponibilizada gratuitamente em postos de saúde e ocasionalmente em alguns aeroportos, terminais rodoviários e hospitais públicos.

Em 95% das pessoas o efeito protetor (imunidade) ocorre uma semana após a aplicação. Por isso, recomenda-se vacinar dez dias antes da viagem para que haja tempo para proteção efetiva contra a doença. Confere imunidade por 10 anos ou até mais, podendo ser utilizada a partir dos 9 meses de idade. É aplicada por via subcutânea no braço (região deltóidea).

Recomenda-se vacinar todos que residam ou viajem para zonas de risco como florestas e cerrados ou ainda, pessoas profissionalmente expostas ao vírus da febre amarela.
Efeitos colaterais A …

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …