Pular para o conteúdo principal

Alérgicos a medicamentos e leitura das bulas dos remédios


A alergia a medicamentos está aumentando no mundo inteiro. Mas nem toda reação é causada por alergia. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) define como reação adversa a medicamento qualquer efeito nocivo, não intencional e indesejado de uma droga, observado nas doses terapêuticas habituais em seres humanos para fins terapêuticos, profiláticos ou diagnósticos. As reações adversas a medicamentos classificam-se em previsíveis e imprevisíveis. A alergia é uma reação imprevisível que envolve a participação do sistema imunológico. 
 
As bulas dos medicamentos obedecem regulamentação da ANVISA e devem informar de forma completa e em linguagem acessível, dados importantes como por exemplo:
-Nome comercial e denominação genérica dos princípios ativos;
-Indicação da composição do produto; se é para uso adulto ou infantil,
-Informações ao paciente (em linguagem acessível): como funciona o medicamento,riscos, modo de uso, reações adversas, o que fazer em caso de superdosagem e cuidados de conservação do produto;
-Informações técnicas para profissionais de saúde bem como informações legais, número de registro na Anvisa, CNPJ do laboratório.
 
Mas, nem sempre é fácil identificar apenas na leitura da bula se um remédio poderá causar alergia. Por isso, o Blog da Alergia selecionou algumas dicas.

- A alergia é uma reação imprevisível, que pode ocorrer mesmo quando uma pessoa já fez uso de um determinado remédio. Neste quesito, a maioria das bulas não é clara quanto à possibilidade de causar alergia. A palavra "hipersensibilidade" em geral é usada como sinônimo de alergia.

- Se você tem alergia a uma determinada substância, saiba que a reação pode ocorrer não apenas aos medicamentos para uso sistêmico, ou seja: injeções,comprimidos ou xaropes, mas também para uso tópico: colírios, gotas, pomadas, remédios ginecológicos, entre outros.
 
- Remédios homeopáticos, fitoterápicos ou ditos naturais, embora mais raramente, também podem provocar alergia.

- O nome do remédio pode ser diferente, mas indicar o mesmo princípio ativo. Por exemplo: os analgésicos como a dipirona e a aspirina estão contidos em inúmeros medicamentos nomes comerciais diferentes. Por isso, fique atento ao princípio ativo.
 
- Podem ocorrer as chamadas "reações cruzadas" entre substâncias aparentemente diferentes mas que tenham semelhança farmacológica. Um exemplo é a reação que ocorre entre analgésicos e anti-inflamatórios.

- Se você tem alergia a medicamento, leia sempre a bula antes de usar. E, se esta leitura gerar dúvidas, o médico especialista em Alergia e Imunologia poderá esclarecer e orientar de forma adequada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…