Pular para o conteúdo principal

Entendendo o tratamento para controle da asma

O tratamento da asma requer um acompanhamento regular com médico especialista, bem como  o monitoramento do uso correto do medicamento e avaliação a cada consulta do nível de controle da doença. 
É importante ressaltar que tratar asma não significa tratar crises. O tratamento deve ser mantido mesmo quando a pessoa está bem, sem sintomas.
Hoje a medicina dispõe de modernos medicamentos inalados para o tratamento de controle da asma. Em casos de asma grave, o tratamento com anticorpos monoclonais é capaz de controlar a doença e permitir uma melhor qualidade de vida para muitas pessoas.


ASMA - PONTOS CHAVES PARA TRATAR E CONTROLAR A DOENÇA

- Uso de medicamentos para alívio e resgate de crises

- Uso contínuo de medicamentos controladores que atuam no processo inflamatório dos brônquios, controlando a doença e evitando crises.

- Controle de ácaros no domicílio

- Controle de fatores agravantes da doença

- Tratamento da alergia nasal

- Educação do paciente e de seus familiares


SINAIS DE QUE A ASMA NÃO ESTÁ BEM CONTROLADA

- Visita à emergência ou internação recente.

- Necessidade do uso repetido de corticoide (em comprimidos ou xaropes).

- Sono alterado pela doença: acordar para usar remédios.

- Acordar e já se sentir mal.

- Atividades diárias afetadas pela asma, faltar ao trabalho ou às aulas na escola.

- Medida do sopro em queda (se tiver um aparelho medidor do PFE).

- Necessidade de usar remédios de alívio com frequência.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.