Pular para o conteúdo principal

Doença do refluxo - Gastroesofágico e Laringofaríngeo


Doença do Refluxo:  corresponde ao retorno do conteúdo ácido do estômago para o esôfago. O refluxo pode ser discreto e passar despercebido, mas pode se acompanhar de sensação de desconforto no peito, regurgitação e gosto amargo na garganta. Vale lembrar que refluxo até certo ponto é normal, como por exemplo, após refeições copiosas.  

Existem duas variantes da doença: o refluxo gastroesofágico (RGE) e o laringofaríngeo (RLF). Ambas acontecem pela incapacidade do sistema digestivo para impedir o excesso de retorno desse conteúdo ácido.
Refluxo gastroesofágico (RGE): é a forma mais conhecida e descrita da doença. 

Refluxo laringofaríngeo (RLF): a secreção ácida pode ultrapassar o esôfago e chegar à garganta, e às vias respiratórias.  
Sintomas associados à doença de refluxo:
RLF: Os sintomas principais neste caso, são: incômodo na garganta, necessidade de limpar a garganta com frequência (pigarro) tosse, sensação de secreção constante ou de algo preso na garganta (globus). Este tipo de refluxo pode causar também rouquidão, alterações de voz, halitose (mau hálito) e agravar problemas dentários(cáries, aftas e gengivites).

RGE: Sintomas clássicos de refluxo: sensação de queimação, regurgitação, azia e má digestão. Sintomas gástricos: azia, regurgitação, enjoo e vômitos. Em alguns casos, a pessoa pode acordar à noite com sensação de afogamento. 
Outros sintomas que podem estar relacionados:
Sintomas Pulmonares: tosse, sensação falta de ar, dor no peito, asma, pneumonia. Sintomas otorrinolaringológicos: dor de garganta, rouquidão e outras alterações da voz, pigarro, dor de ouvidos, otite, sinusite, faringite, laringite, sensação de “bolo na garganta”.  Apneia de sono, aumento da salivação
Em suma, a doença do refluxo pode agravar as alergias respiratórias. 


Pontos a destacar
- O refluxo pode ser silencioso e provocar pouco ou nenhum sintoma. Nem sempre a pessoa apresenta queimação, azia e má digestão.  

- A doença do refluxo gastroesofágico é uma das causas mais comuns de tosse crônica em pacientes não fumantes com radiografia de tórax normal.

- A asma e a doença do refluxo podem estar associadas e quando isso acontece, a asma tende a ser mais grave. O tratamento do refluxo pode melhorar o controle da asma. 

- Em adultos, o refluxo gastroesofágico pode causar dor no peito tão incômoda que pode se confundir com infarto. 

- Algumas pessoas, tanto crianças como adultos, necessitam usar remédios para combater o refluxo, o que se reflete numa melhora dos sintomas respiratórios.

A doença de refluxo pode ocorrer sem nenhum sintoma aparente de queimação e azia, sendo chamada de “Refluxo silencioso” tanto em crianças como em adultos. Mesmo assim pode provocar manifestações na via respiratória. 



Mudança de hábitos indicados no tratamento da doença de refluxo
(Medidas para combater o refluxo)
- As refeições devem ser feitas com calma, priorizando alimentos saudáveis. Evitar substituir por lanches do tipo "fast food". Evitar frituras e condimentos. Mastigar cuidadosamente os alimentos. 


- Perder peso, se estiver acima do ideal.
- Evitar alimentos que interfiram na digestão e no refluxo: chá. café, chocolate, coca cola, bebidas alcoólicas e/ou gasosas, frituras, frutas cítricas, pimenta, temperos fortes, excesso de alho e cebola. Evitar tomar café várias vezes durante o dia.

 - Fazer as refeições habituais (café da manhã, almoço e jantar), mas não ficar longas horas sem se alimentar. No intervalo, coma uma fruta. O jantar deve ser a refeição mais leve. Preferir grelhados, saladas ou sopas. Evitar lanches nesse horário. 

- Evitar refeições copiosas, para não encher demais o estômago.

- Evitar uso de analgésicos e anti-inflamatórios sem orientação médica. 

- Elevar a cabeceira da cama com um calço de 10 a 15 cm - nem sempre é suficiente usar um travesseiro alto.

- Esperar pelo menos uma a duas horas para se deitar após refeições. Este conselho vale para os bebês e crianças pequenas: nunca se deve mamar deitado ou dormindo. E. só deitar pelo menos uma a duas horas após mamar. Não dar mamadeira na madrugada. 
- Evitar o sedentarismo. Procurar caminhar ou fazer atividades físicas compatíveis com a idade, sob orientação e indicação médica. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Corticóides nasais na rinite alérgica

Os principais medicamentos usados no tratamento da rinite alérgica são os corticóides usados sob a forma de sprays nasais. Estes medicamentos têm eficácia comprovada na redução dos sintomas. Contudo, muitas pessoas ainda têm medo de usá-los apenas pelo fato de serem corticoides, por medo de efeitos colaterais. 

A rinite alérgica é definida como uma doença inflamatória crônica do nariz, que resulta em sintomas: espirros em salva, coriza, obstrução nasal e coceira (no nariz, olhos ouvidos e garganta). Sendo assim, o tratamento deve combater essa inflamação persistente que caracteriza a doença.  

A rinite parece ser uma doença simples e sem importância, mas não é verdade, pois pode causar muitos problemas, como: tosse crônica, infecções repetidas (sinusite, amigdalite, otite, pneumonia, entre outras), tosse crônica, aumento das adenoides, respiração bucal, alterações de olfato, paladar, distúrbios de sono, etc. O fato é que a doença pode interferir de forma grave na qualidade de vida, em …