Pular para o conteúdo principal

Asma e Rinite - Vias Respiratórias Unidas


Comentários

  1. Olá, boa noite. Fico feliz em ter encontrado esse blog.
    Eu tenho 25 anos e nunca na minha vida tive alergia a nada, para fica gripada era uma vez no ano e olhe lá!
    Sendo que desde maio/2018 descobri que tenho rinite e como foi algo muito novo para mim, quando começava as crises eu corria para o otorrino e o mesmo me receitava predsin 20 mg por 5 dias e caso de nenhuma melhora por ate 10 dias e usar o awamys de 12/12 horas por dia, um jato em cada narina sem tempo para parar. (ele deu a entender que poderia usar para sempre, mas meu medo de causar algum problema, so me fez usar no máximo um mês) Assim que eu parava de usar o awamys a rinite voltada, e isso acaba me deixando com amigdalite e sendo assim, precisava usar antibioticos. Finalmente consegui marcar uma consulta com a alergista neste mês de outubro e fiz teste de alergia na pele, com uns furinhos e nenhum deram reação. Então ela me passou exame de alergia no sangue para Blomia tropicalis D201, Dermatophagoides farinae (D2), Dermatophagoides pteronyssinus (D1), epitelio e caspa de gato (e1) e po caseiro h1 (greer labs H1) todos deram o resultado menor que 0,1 KU/L, mas o IGE TOTAL deu 297,0 kul que de acordo com o exame esta alto. Por favor, peço que me ajude pois só poderei levar esses exames no dia 12 de novembro para essa médica devido a agenda cheia. OBS: depois que descobri a rinite tive duas crises de asma, me sintia engasgada como se estivesse me afogando. A minha pergunta é, se tenho rinite porque os exames de sangue deram negados e o IGE TOTAL deu alto? O que posso fazer para não ter crise de asma e da rinite? Faltam cinco dias para o predsin acabar e o meu medo é ter crises antes de voltar na alergista. Me ajude por favor pois estou sofrendo com isso.

    ResponderExcluir
  2. Acabei esquecendo de dizer, que nesse mês foi a primeira vez que fique quatro dias sem sentir cheiro nenhum, li que a rinite causa isso, voltei a sentir depois que voltei a tomar o predsin. A medica me passou o alektos para tomar de 5 a 7 dias em caso de rinite, ou por mais dias. Tomei por cinco dias e não tive melhora e por isso estou usando o predsin.
    O alektos pode ser usados por um longo prazo, mais de dois meses por exemplo?

    ResponderExcluir
  3. Gabrielle Bom dia. O diagnóstico da rinite é clínico, ou seja, é baseado na análise feita pelo médico baseado em sua história (anamnese) e no exame físico realizado. Os exames e testes ajudam para complementar este diagnóstico. A rinite é uma doença que parece simples e sem importância, uma vez que não ameaça a vida. Contudo, pode provocar muito desconforto e afetar a qualidade de vida da pessoa. A medicação deve ser feita de acordo com a prescrição médica Alektos é um antialérgico (anti-histamínico) e pode ser usada por tempo prolongado. Convido que escreva para nosso e-mail (blogdalergia@gmail.com) e enviaremos para você uma cópia em PDF do livro: “Alergia nasal: É mais feliz, quem respira pelo nariz”. Obrigado por sua participação no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, obrigada por me responder...
      O que me causa medo é, como irei tratar a rinite se mesmo apos fazer exame de sangue não foi detectado o que causa a alergia. É possível tratar a rinite evitando as crises sem saber o que esta causando isso? Eu sinto que preciso fazer algo para que a rinite não ataque senão a asma pode atacar também. OBS: Lembrando que eu nunca tive alergia a nada e nem tão pouco asma.
      Por favor, peço um auxilio pois todos os dias acordo com medo da rinite atacar e em seguida acabar atacando a asma e eu não saber o que fazer.

      Excluir
  4. Gabrielle: Bom dia Como falei, não é apenas um exame que orienta o(a) médico(a) para fazer seu tratamento. E cada pessoa é única e deve ser analisada de forma individual. Vale lembrar que existem diversos tipos de rinite. E, além disso, os fatores agravantes e/ou desencadeantes das crises também podem ser diferentes em cada paciente. Por isso, o tratamento deve ser personalizado, pois não há uma medicação padronizada que seja definitiva em todos os casos. Agradecemos sua visita ao blog da Alergia. .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…