Pular para o conteúdo principal

Adrenalina autoinjetável


Adrenalina é uma medicação salvadora Não há a menor dúvida que a adrenalina deve ser utilizada nos primeiros minutos de uma crise de anafilaxia. Isto não apenas reverte, como previne o agravamento dos sintomas até o choque ou a falência respiratória. 

A Diretoria da ASBAI enviou carta à Anvisa em novembro de 2014 solicitando a viabilização no Brasil da medicação epinefrina (adrenalina) em sua forma autoinjetável. Mas até agora, não temos ainda este importante instrumento para os anafiláticos brasileiros 

O ideal é que a própria pessoa, um familiar ou alguém disponível no local aplique o remédio, já aos primeiros sinais da reação anafilática. Isso é impossível quando a pessoa ou seu familiar tem de preparar uma injeção. Imagine: abrir uma ampola, aspirar a medicação na dose correta, aplicar com técnica...Isso é muito difícil para quem não tem prática e principalmente em situações de stress. 

É comprovado que o atraso na aplicação da adrenalina pode agravar o problema, não havendo tempo para chegar ao hospital e receber tratamento apropriado. Outros medicamentos, como corticóides e antialérgicos (antihistamínicos) demoram para iniciar sua ação, sendo considerados medicações de segunda linha. A maioria dos países disponibiliza a venda para a população de adrenalina autoinjetável, ou seja, já preparada para que a própria pessoa (criança ou adulto) aplique a medicação de forma imediata. 

O uso é bem simples e mesmo que não seja um profissional de saúde, é possível utilizar a medicação de forma segura. 

 Veja a diferença entre ambas as apresentações: 

APLICAÇÃO INTRAMUSCULAR



 Técnica para aplicação intramuscular: 
1- Colocar o remédio na seringa esterilizada, usando agulha esterilizada; 
2- Posicionar o indivíduo de acordo com o local de aplicação da injeção, por exemplo, se for no braço, o indivíduo deve estar sentado, enquanto se for no glúteo, deve estar deitado de barriga para baixo ou de lado; Se for a própria pessoa a se autoaplicar, o ideal é a coxa (músculo vasto lateral) 
3- Passar uma gaze com álcool no local de aplicação da injeção (na urgência, isso pode ser desprezado) e fazer uma prega na pele com o polegar e o indicador, no caso do braço ou da coxa. Não é necessário fazer a prega no caso do glúteo; 
4- Inserir a agulha num ângulo de 90º, mantendo a prega. 
5- Aplicar a injeção, empurrando o êmbolo da seringa enquanto se mantém a prega na pele; 
6- Remover a injeção, desfazer a prega na pele e massagear. Se, ao aplicar a injeção surgir sangue na seringa, deve-se retirá-la e voltar a inseri-la um pouco mais ao lado, pois a presença de sangue indica que um vaso sanguíneo foi atingido e que a injeção não está bem aplicada no músculo 

DISPOSITIVO AUTOINJETÁVEL

Técnica de aplicação com dispositivo autoinjetável (*) 
1- Após remover o dispositivo da embalagem, retire a parte azul 


2- Coloque a parte laranja na parte externa da coxa. Não há necessidade de perder tempo fazendo assepsia e retirando a roupa. 


3- Pressione firmemente contra a pele até ouvir um “click”. Segure o dispositivo e conte até 10. NÃO RETIRE O DISPOSITIVO ANTES DE CONTAR ATÉ 10!. Isso acarretará na perda da medicação 


4- Remova o dispositivo e massageie o local 

(*) Figuras acima foram retiradas do site: The Sidney Children's Hospitals Network.  
Deixamos as instruções em Inglês para mostrar mais este problema: como a adrenalina autoinjetável não é comercializada aqui no Brasil, a bula é em Inglês, ou seja, os brasileiros portadores de anafilaxia, além de terem de importar pagando preço mais alto, não conseguem , em sua maioria, ler as instruções constantes na bula.


 Aplicação da adrenalina autoinjetável
Muito mais simples que preparar uma injeção!

Fonte:
Anafilaxia Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Corticóides nasais na rinite alérgica

Os principais medicamentos usados no tratamento da rinite alérgica são os corticóides usados sob a forma de sprays nasais. Estes medicamentos têm eficácia comprovada na redução dos sintomas. Contudo, muitas pessoas ainda têm medo de usá-los apenas pelo fato de serem corticoides, por medo de efeitos colaterais. 

A rinite alérgica é definida como uma doença inflamatória crônica do nariz, que resulta em sintomas: espirros em salva, coriza, obstrução nasal e coceira (no nariz, olhos ouvidos e garganta). Sendo assim, o tratamento deve combater essa inflamação persistente que caracteriza a doença.  

A rinite parece ser uma doença simples e sem importância, mas não é verdade, pois pode causar muitos problemas, como: tosse crônica, infecções repetidas (sinusite, amigdalite, otite, pneumonia, entre outras), tosse crônica, aumento das adenoides, respiração bucal, alterações de olfato, paladar, distúrbios de sono, etc. O fato é que a doença pode interferir de forma grave na qualidade de vida, em …