Pular para o conteúdo principal

Alergia a Remédios

Alguém que sempre tomou um remédio e nunca teve nada, um belo dia toma este mesmo remédio e fica com inchaços pelo corpo. Isto acontece porque a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Nem toda reação a medicamentos é causada por alergia. Por isso, se usa o termo “REAÇÃO ADVERSA A MEDICAMENTOS” para descrever qualquer reação inesperada que possa ocorrer em resposta ao uso de um remédio.

Algumas destas reações são previstas, isto é, já esperadas como resultantes da ação do produto. Um exemplo clássico é a sonolência que pode surgir após uso de alguns antialérgicos. Entretanto, existem outras, que são reações imprevistas e ocorrem apenas em algumas pessoas e não dependem da dose nem do efeito farmacológico da medicação. É neste grupo que se incluem as alergias.

COMO APARECEM AS REAÇÕES A MEDICAMENTOS
As reações alérgicas medicamentosas podem aparecer minutos ou horas após a ingestão do remédio, variando desde sintomas leves, quase não percebidos, até reações intensas e graves. As principais queixas são:
• Coceira (prurido);
• Vermelhidão da pele (eritema);
• Urticária e angioedema (inchaço);
• Sintomas respiratórios;
• Sinais de anafilaxia.

CARACTERÍSTICAS DAS REAÇÕES ALÉRGICAS A MEDICAMENTOS
• As alergias podem se manifestar com diferentes sintomas.
• O paciente já usou o remédio anteriormente sem problemas. 
• As reações alérgicas ocorrem em pessoas predispostas e resultam de doses mínimas.
• Os sinais e sintomas tendem a desaparecer com a interrupção do uso do remédio. É mais comum que desapareçam logo após esta interrupção. No entanto, alguns remédios têm eliminação lenta, fazendo com que demore dias e às vezes semanas para sua resolução.

IDENTIFICAÇÃO DAS REAÇÕES A MEDICAMENTOS
Quando uma pessoa busca atendimento em uma clínica de alergia apresentando sintomas compatíveis com reação adversa a medicamentos, a principal dificuldade é identificar qual foi o remédio responsável. Além disso, a manifestação alérgica pode assemelhar e confundir com outras doenças. Por exemplo, alguns remédios usados na hipertensão podem provocar tosse ou chiado no peito, sintomas que habitualmente não são reconhecidos como consequência do uso de remédios.

Deve-se suspeitar de uma possível reação adversa quando surgir um sintoma inesperado coincidindo com o início de um tratamento medicamentoso. O primeiro passo é fazer uma lista de todos os remédios, tanto os receitados por médicos como os de uso por conta própria. É importante frisar que remédios homeopáticos, fitoterápicos ou ditos “naturais”, também podem causar alergia.

COMO VOCÊ PODE AJUDAR NA IDENTIFICAÇÃO DO REMÉDIO CAUSADOR DA REAÇÃO
• Fazer uma listagem dos medicamentos usados, prescritos por médico ou não, mesmo os corriqueiros, como por exemplo: vitaminas, colírios, supositórios, óvulos ou cremes vaginais, homeopatia etc.
• Informar se foi a primeira vez que fez uso do medicamento ou se já teve reações adversas anteriores com a medicação em questão ou com outro remédio correlato. • Observar se os sintomas desaparecem com a suspensão do remédio.
• Informar se é portador de outras doenças alérgicas ou se existem casos de alergia na família

O ponto chave do tratamento é a orientação do paciente sobre a alergia e medidas de prevenção. Em casos específicos, recomenda-se o fornecimento de cartão detalhado com orientações de conduta em situações de emergência.

Comentários

  1. O problema é que nunca conseguimos saber exatamente qual remédio/substância causou o problema. E possível fazer essa identificação? Eu, particularmente, ando com uma lista de duas páginas de medicamentos "proibidos"... e isso se torna um problema a cada vez que tenho que ir a algum médico, pois se torna mais difícil prescrever um remédio para quem é alérgico.

    ResponderExcluir
  2. Elaine: alguns medicamentos podem fazer uma "reação cruzada" Ou seja, se uma pessoa tem alergia a um, poderá ter também com outro - exemplo: dipirona e anti-inflamatórios. Convido que escreva para nosso e-mail (blogdalergia@gmail.com) e enviaremos para você uma cópia em PDF do livro: “Alergia doença do século XXI”. Obrigado por sua participação no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.