Pular para o conteúdo principal

Viver bem com Asma


A asma é uma enfermidade muito comum, que afeta mais de 300 milhões de pessoas no mundo e mais de 10 milhões de brasileiros. A doença se manifesta de formas variadas, comporta-se e evolui ao longo do tempo, por caminhos diferentes, levam aos mesmos sinais e sintomas que definem a doença: episódios recorrentes de falta de ar; chiado; aperto no peito e tosse, geralmente seca ou com pouca produção de catarro. 

Nas últimas décadas, a asma foi reconhecida como doença inflamatória crônica e novas terapias surgiram para auxiliar no controle da doença, proporcionando uma qualidade de vida melhor ao paciente e seus familiares. Entretanto, mesmo com esses avanços, a asma continua gerando sofrimento e custos para os pacientes, as famílias, o sistema de saúde; e mortes pela doença continuam acontecendo.


É muito importante no tratamento da asma, que o asmático ou os seus pais, no caso das crianças, saibam:

a) identificar precocemente os sintomas de crises;
b) saber quais são os medicamentos indicados para a crise e para a manutenção;
c) saber usá-los corretamente, já que a maioria é para uso inalatório, ou seja, são medicamentos administrados diretamente nas vias aéreas para que atuem nos brônquios de maneira rápida, sem efeitos colaterais para o resto do organismo.

O automanejo da asma é fundamental e depende de médicos e pacientes motivados, que busquem constantemente informação, atualização e uma relação clara e produtiva

A asma é um problema de saúde pública mundial, impacta significativamente a vida das pessoas, colocando-as em risco nos casos graves, gera sofrimento e gastos significativos para as famílias e para os sistemas de saúde. O conhecimento e a participação ativa do próprio asmático em seu tratamento são fundamentais para o sucesso no controle da asma. 


O objetivo do livro "Viver bem com asma" é contribuir para que os asmáticos brasileiros possam obter um controle melhor da asma, ganho na autoestima e qualidade de vida dos pacientes e dos familiares de asmáticos. O texto foi desenvolvido por meio de perguntas consideradas relevantes por médicos, pacientes e familiares de asmáticos.


Autores:

Eduardo Costa F. Silva
Faradiba Sarquis Serpa
Maria de Fátima Epaminondas Emerson

Faça o download do livro "Viver Bem com Asma" no site da ASBAI: Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Ou, se preferir, escreva para nosso e-mail (blogdalergia@gmail.com) e enviaremos para você a cópia do livro em PDF.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Alérgicos podem tomar vacina da febre amarela?

O aumento do número de pessoas no Brasil com febre amarela trouxe à tona a necessidade do uso da vacina e com isso, surgiram algumas dúvidas.

A vacina é produzida pela FIOCRUZ com o vírus da febre amarela vivo e atenuado cultivado em ovos embrionados de galinha, obedecendo normas padronizadas da Organização Mundial da Saúde. É disponibilizada gratuitamente em postos de saúde e ocasionalmente em alguns aeroportos, terminais rodoviários e hospitais públicos.

Em 95% das pessoas o efeito protetor (imunidade) ocorre uma semana após a aplicação. Por isso, recomenda-se vacinar dez dias antes da viagem para que haja tempo para proteção efetiva contra a doença. Confere imunidade por 10 anos ou até mais, podendo ser utilizada a partir dos 9 meses de idade. É aplicada por via subcutânea no braço (região deltóidea).

Recomenda-se vacinar todos que residam ou viajem para zonas de risco como florestas e cerrados ou ainda, pessoas profissionalmente expostas ao vírus da febre amarela.
Efeitos colaterais A …