Pular para o conteúdo principal

Refluxo laringo-faríngeo

Chama-se de refluxo gastroesofágico (RGE) ao retorno do conteúdo ácido do estômago para o esôfago em geral acompanhado de desconforto no peito e sensação de gosto amargo na garganta. Vale lembrar que refluxo até certo ponto é normal. Por isso, os bebês golfam e qualquer pessoa pode arrotar ou ter azia quando come em excesso.
Porém, o conteúdo ácido presente no estômago pode retornar pelo esôfago e chegar até a garganta, causando sintomas. Quando isso ocorre é denominado Refluxo Laringofaríngeo (RLF).




O refluxo laringofaríngeo pode causar inflamações ao atingir as cordas vocais provocando manifestações clínicas como:
• Incômodo na garganta;
• Necessidade de limpar a garganta com muita frequência (pigarro);
• Tosse;
• Sensação de algo preso na garganta (globus).


Refluxo Laringofaríngeo (RLF) X Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE)
Apesar de possuir a mesma base fisiopatológica, o RLF é considerado diferente da DRGE clássica que possui como principais características:

• Azia e/ou regurgitação;
• Boa resposta ao tratamento medicamentoso;

O paciente com RLF geralmente não apresenta azia e/ou regurgitação, já que a quantidade de líquidos e gases que retorna é muito pequena.
O tratamento necessita de doses maiores, tempo mais prolongado e possui uma resposta clínica irregular. Essa doença pode se agravar em pessoas que usam a voz com maior frequência, como professores e cantores.

Como é feito diagnóstico de refluxo laringofaríngeo?
Além de analisar cautelosamente os sinais e sintomas do RLF, o médico deve solicitar uma laringoscopia. Por meio desse exame, o especialista pode verificar o estado das cordas vocais, descartar outras doenças e analisar as evidências de RLF. Quanto mais intensa a inflamação, maior a possibilidade de refluxo gastroesofágico

Qual é o tratamento mais adequado?
O refluxo precisa ser bem controlado com medicamentos que serão indicados pelo medico. Além disso, recomenda-se:

• Atenção à higiene bucal.
•Ingerir muito líquido para evitar a sensação desagradável de boca seca.
•Evitar a ingestão de bebidas alcoólicas, com cafeína, antialérgicos e balas mentoladas, pois são produtos que contém substâncias que ressecam a garganta e as cordas vocais.
• O tabagismo deve ser eliminado.
• Tomar cuidados com a voz, evitando gritar, sussurrar, falar por longos períodos sem interrupção e pigarrear.


Adaptado de: Federação Brasileira de Gastroenterologia

Comentários

  1. Sinto a boca amargar como se estivesse saindo fel das laterais da língua e quando isso se acentua começo a sentir desconforto no estômago. Também sinto a boca encher de água, vontade de arrotar e, por vezes, regurgitação. Já fiz uma endoscopia com biópsia e não acusou nada (!?). Poderia me orientar?
    Bj

    ResponderExcluir
  2. Os sintomas que descreve podem ser causados por refluxo mas nem sempre o exame detecta o problem. Aconselho que procure um(a) especialista em otorrino. Se for o caso, poderá realizar uma videolaringoscopia. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Alérgicos podem tomar vacina da febre amarela?

O aumento do número de pessoas no Brasil com febre amarela trouxe à tona a necessidade do uso da vacina e com isso, surgiram algumas dúvidas.

A vacina é produzida pela FIOCRUZ com o vírus da febre amarela vivo e atenuado cultivado em ovos embrionados de galinha, obedecendo normas padronizadas da Organização Mundial da Saúde. É disponibilizada gratuitamente em postos de saúde e ocasionalmente em alguns aeroportos, terminais rodoviários e hospitais públicos.

Em 95% das pessoas o efeito protetor (imunidade) ocorre uma semana após a aplicação. Por isso, recomenda-se vacinar dez dias antes da viagem para que haja tempo para proteção efetiva contra a doença. Confere imunidade por 10 anos ou até mais, podendo ser utilizada a partir dos 9 meses de idade. É aplicada por via subcutânea no braço (região deltóidea).

Recomenda-se vacinar todos que residam ou viajem para zonas de risco como florestas e cerrados ou ainda, pessoas profissionalmente expostas ao vírus da febre amarela.
Efeitos colaterais A …