Pular para o conteúdo principal

A Rinite também ataca no verão


É comum que se fale que a rinite alérgica é uma doença do inverno. Mas, mesmo com as altas temperaturas do verão, a doença pode atacar.

Fatores associados
O uso aumentado de ventiladores, aparelhos de ar refrigerado, nem sempre com manutenção adequada. Sair do ambiente refrigerado para o calor nas ruas, significa uma brusca mudança de temperatura. Em alguns locais de trabalho, a temperatura é tão baixa que mesmo em pleno verão, é necessário vestir roupas quentes. E, a saída para o almoço ou o final do expediente, podem se tornar motivos para que a coriza, os espirros surjam.
- Outra situação comum é que no verão, muitas famílias estão de férias e viajam para locais de veraneio, permanecendo em imóveis que estavam fechados por longo tempo e com maior concentração de ácaros no seu interior.
- A maior frequência à piscinas e contato com cloro pode provocar irritação da mucosa nasal, surgindo sintomas nasais.
- Verão é uma época que chove muito, aumentando o tempo das crianças dentro de casa, jogando vídeo game e brincando.
- Algumas regiões do Brasil têm polinização no verão.


Sintomas principais da rinite alérgica: 
• Espirros sucessivos, 
• Coriza abundante e clara, 
• Coceira (no nariz, olhos, ouvidos e garganta), 
• Obstrução nasal

Complicações da rinite alérgica
• Sinusite 
• Conjuntivite 
• Amigdalite, faringite, laringite 
• Tosse 
• Respiração Bucal 
• Roncos e alterações de sono 
• Asma

Tratamento da rinite alérgica 
• Controle ambiental para reduzir o contato com os alérgenos, 
 Medicação para uso nas crises, bem como para controle da doença 
• Tratamento das complicações 
• Imunoterapia com alérgenos (vacina para alergia) 
• Controle da asma, que pode acompanhar a rinite. O tratamento deve ser integrado, já que as vias respiratórias são únicas e interligadas.


DICAS

• Tomar bastante líquido durante o dia, fora de refeições. 
• Lavar narinas com soro fisiológico, se sentir necessidade. 
• Manter a casa arejada, janelas abertas e limpeza diária com pano úmido 
• Usar os travesseiros e colchões encapados com material impermeável. 
• Não fumar e não permitir que fumem dentro da casa e do automóvel. A fumaça do cigarro é um potente irritante para os pulmões, desencadeando crises de rinite e asma. 
• Evitar animais dentro da casa. Se não for possível, proibir circular dentro do quarto. 
• Manter limpos os filtros do ar condicionado, bem como os dutos de ventilação. Usar em temperatura moderada. 
• Limpar as pás de ventiladores, incluindo aqueles instalados no teto, de difícil alcance.

A rinite deve ser tratada não só nas crises. 
Mantenha o controle, obedecendo a orientação do alergista. 
Vida ao ar livre!
Procure ter atividade física, caminhar. 
Crianças devem ser estimuladas a brincar. 

Comentários

  1. Olá! Estou fazendo imunoterapia para para algumas alergias. É normal ficar uma marca roxa no local da injeção? Estou tomando semanalmente na parte de trás do braço.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde. A aplicação da imunoterapia com alergenos não deve deixar marcas no local da aplicação. Aconselho que entre em contato com seu alergitsta para que a oriente. Gratos por sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É possível que estejam injetando de forma errada, ou é reação a vacina?

      Excluir
  3. Convido que escreva para nosso e-mail (blogdalergia@gmail.com) e enviaremos para você uma cópia em PDF do livro intitulado: “Alergia, doença do século XXI”. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  4. Chay, bom dia. Não tenho condições para afirmar o que está ocorrendo no local da aplicação de sua vacina sem examinar pessoalmente. Avaliar pela internet pode gerar erro. Recomendo que retorne ao alergista que acompanha seu tratamento e peça uma orientação. Gratos por seu contato conosco no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano. Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico. Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madei

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert. Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa. É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça Quadro c

Dermografismo

A bolsa pesada marca o seu braço? A roupa apertada, a alça do soutien, o elástico da roupa faz você coçar e empolar? Atenção: pode ser dermografismo! Dermografismo é uma doença da pele que afeta cerca de 5% da população e que se caracteriza pelo aparecimento de coceira intensa em locais de pressão. Após o ato de coçar surgem “lanhos” vermelhos nas pele. É uma forma de urticária, sendo também chamado de urticária factícia ou urticária falsa.A urticária clássica se caracteriza pelo surgimento de placas avermelhadas que se acompanham de coceira na pele, podendo ter causas variadas, como medicamentos, alimentos, certas doenças, entre outras causas – veja post sobre o tema neste mesmo Blog. No caso do dermografismo, após pressão sobre um determinado local no corpo, a coceira surge em primeiro lugar e só depois de se coçar é que surgem as placas. Por isso, é comum que se inicie em locais onde a roupa aperta, elásticos, alça do soutien. O dermografismo faz parte de um grupo de urticárias deno