Pular para o conteúdo principal

Alergia e Gravidez


As doenças alérgicas são condições frequentes na população e afetam cerca de 8% das gestantes. Podemos ciar como principais: Asma, Rinite e Dermatoses alérgicas.


Rinite e gravidez


A rinite se caracteriza por sintomas que se confundem com gripe: espirros em salva, coriza abundante e clara, coceira do nariz, olhos, ouvidos e garganta, entupimento nasal. Os olhos podem ficar avermelhados e lacrimejando.

Os sintomas da rinite ocorrem em cerca de 20% das gestações. Há um tipo peculiar de rinite gravídica que pode surgir no início da gravidez e resulta da ação hormonal na mucosa nasal, com aparecimento de sintomas nasais. É chamada de rinite gestacional. Costuma piorar a partir do segundo trimestre e atinge o pico no último trimestre da gravidez, desaparecendo em até uma semana após o parto.

As grávidas têm facilidade em apresentar obstrução nasal e devem ser instruídas a não usar descongestionantes nasais (“gotas” nasais) pelo risco de provocar vício e aparecimento de rinite medicamentosa. 

Sinusites são frequentes em grávidas. Em geral, resultam da rinite alérgica e das modificações hormonais da gestação, que diminuem a resposta imunológica para proteger o feto, mas com isso, pode facilitar infecções na gravidez.

A rinite tem um impacto na qualidade de vida da gestante, interferindo no sono, no dia a dia , sendo um fator de risco para asma e para surgimento de sinusite. Por isso, é recomendado tratar a rinite de forma eficaz e precoce evitando que as crises se agravem.


Asma na gestante

A asma, também conhecida popularmente como “bronquite alérgica”, “bronquite asmática” ou simplesmente “bronquite, ocorre em cerca de 8% das grávidas.] Nas gestantes que já tinham asma antes da gravidez, um terço melhora, um teço piora e um terço permanece estável.

A asma pode (e deve) ser tratada durante a gestação e requer acompanhamento contínuo, objetivando a normalização da função pulmonar, da oxigenação sanguínea, controlando a doença e evitando crises. Em geral, as crises de asma ocorrem entre a 24ª e a 36º semana da gestação, sendo raras nas últimas semanas e durante o trabalho de parto.

A asma bem controlada não constitui risco para a gravidez. O tratamento não difere da asma fora da gravidez. É preferencial o uso de remédios inalados, popularmente chamados de “bombinhas”, mais eficazes e com menores efeitos colaterais.

É importante ressaltar que os medicamentos para asma podem ser classificados em 2 grupos: 
- Aliviadores: remédios usados no resgate e tratamento de crises, e 
- Controladores: remédios para uso contínuo, mesmo que a gestante esteja bem, para controlar a asma e prevenir novas crises.

A asma bem controlada não afeta a gravidez. A asma sem controle ocasiona baixa da oxigenação, gerando riscos para a mãe e para o feto.


Dermatoses alérgicas na gravidez

A pele da gestante está alterada pela influência dos hormônios gravídicos. As principais alergias na gestação são: urticária, angioedema e dermatite atópica. Além disso, podem surgir alguns tipos de erupção cutânea nas gestantes.

A urticária se caracteriza pelo aparecimento de placas avermelhadas na pele, que coçam muito e têm duração fugaz e localização variável. Chama-se de angioedema quando atinge camadas mais profundas da pele e se manifestam por edema (inchação) em lábios, pálpebras, mãos, pés, área genital e face. Existe uma urticária que é um prurido da gestação. Normalmente surge no final da gravidez, com placas vermelhas, que coçam muito. Pode aparecer também uma urticária colinérgica. Ou dermografismo, que também melhora com antialérgicos.

A dermatite atópica se manifesta como eczema na pele, acompanhado de coceira intensa.



Normas para tratamento das alergias durante a gravidez

. A gestante não precisa sofrer durante a gravidez. As alergias podem (e devem) ser tratadas, a fim de propiciar condições saudáveis de desenvolvimento para o bebê e para a futura mamãe.

. Se for possível evitar uso de remédios no primeiro trimestre, quando o risco é maior para o feto. Mas, se for necessário, pode-se tratar as alergias com segurança.

. Uma gestante que esteja fazendo uso de vacinas para alergia (imunoterapia específica com alérgenos), poderá manter seu tratamento. Mas, é consenso que o tratamento com vacinas para alergia não deve ser iniciado durante a gestação.

. Os antialérgicos (anti-histamínicos) de uma maneira geral, poderão ser usados com segurança, preferindo-se a loratadina.

. Os sprays nasais contendo corticóides são seguros, com preferência para a budesonida.

. Remédios inalados para tratar a asma: atuam mais rápido, em doses menores e têm menos efeitos colaterais.

. Tratar alergia não é só tomar remédios: a gestante alérgica não pode descuidar de sua casa, de mantê-la sem ácaros, ficando longe da poeira e da fumaça de cigarros, entre outras providências importantíssimas.

. As gestantes alérgicas podem fazer uso de anestésico na hora do parto. É importante que o obstetra e o anestesista estejam informados das condições da paciente e das medicações que ela usa.

Concluindo, é bom frisar que a gestante alérgica não precisa sofrer durante a gravidez. Ela pode continuar fazendo seu tratamento normalmente, sendo aconselhável que a grávida alérgica seja acompanhada por um(a) especialista em Alergia, em parceria com o(a) obstetra, proporcionando condições de saúde para a mamãe e para seu bebê.  

Comentários

  1. Excelente artigo. Muito útil para meu dia a dia de obstetra.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada querida Dra Leila. Agradecemos sua participação no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano. Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico. Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madei

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert. Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa. É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça Quadro c

Dermografismo

A bolsa pesada marca o seu braço? A roupa apertada, a alça do soutien, o elástico da roupa faz você coçar e empolar? Atenção: pode ser dermografismo! Dermografismo é uma doença da pele que afeta cerca de 5% da população e que se caracteriza pelo aparecimento de coceira intensa em locais de pressão. Após o ato de coçar surgem “lanhos” vermelhos nas pele. É uma forma de urticária, sendo também chamado de urticária factícia ou urticária falsa.A urticária clássica se caracteriza pelo surgimento de placas avermelhadas que se acompanham de coceira na pele, podendo ter causas variadas, como medicamentos, alimentos, certas doenças, entre outras causas – veja post sobre o tema neste mesmo Blog. No caso do dermografismo, após pressão sobre um determinado local no corpo, a coceira surge em primeiro lugar e só depois de se coçar é que surgem as placas. Por isso, é comum que se inicie em locais onde a roupa aperta, elásticos, alça do soutien. O dermografismo faz parte de um grupo de urticárias deno