30 setembro 2015

Urticária

No dia 1º de Março é comemorado o Dia Mundial da Urticária.
  
Aproveitando a data, vamos aprender um pouco mais sobre esta doença.

A urticária é caracterizada pelo aparecimento de urticas, que são lesões vermelhas e inchadas, de formatos e tamanhos variados, que coçam bastante, podendo também queimar ou até doer. As urticas duram de minutos a horas, desaparecendo em no máximo 24 horas, sem deixar marcas ou cicatrizes. 

Cerca de 50% dos casos de urticária são acompanhados de angioedema, que são inchaços maiores, localizados e mais profundos que ocorrem principalmente nos lábios, pálpebras, pés, mãos e genitais. 


Classificação da urticária
A urticária pode ser classificada pela duração dos sintomas em: 
Urticária aguda – crises duram menos de 6 semanas; 
Urticária crônica – crises duram mais de 6 semanas e ocorrem na maioria dos dias ou todos os dias , muitas vezes duram anos. 



Urticária Aguda
Ocorre o aparecimento de urticas (lesões altas e avermelhadas) de tamanhos variados em qualquer parte do corpo, com muita coceira. Pode ocorrer também o angioedema (inchaços), principalmente na área da face. Nos casos muito graves, pode haver inchaço da língua e da glote e levar ao risco de morte se o indivíduo não for atendido a tempo. 

As causas mais comuns da urticária aguda são medicamentos, alimentos, picadas de insetos, infecções (principalmente virais) e contactantes (látex). Pode ocorrer por mecanismos alérgicos e não alérgicos. 

Urticária aguda alérgica
Na urticária aguda alérgica por medicamentos ou alimentos, o quadro ocorre rapidamente, no máximo em até uma hora da ingestão do agente causador da crise. Normalmente a urticária alimentar é grave e cursa com angioedema. 

Os alimentos mais implicados são crustáceos (camarão), amendoim, trigo, soja, ovo e leite de vaca. Pessoas alérgicas a esses alimentos podem também não tolerar alimentos semelhantes ou da mesma família, por exemplo, um indivíduo alérgico a amendoim pode manifestar a doença ao ingerir nozes ou amêndoas. 

Urticária aguda pseudoalérgica
Existem as urticárias agudas pseudoalérgicas (falsa alergia), que na verdade ocorrem por intolerância a medicamentos e ao corante artificial amarelo tartrazina. Esse tipo de urticária é dose dependente, ou seja, ocorre se a dose ingerida for suficiente para desencadear a crise e isso é variável para cada indivíduo. 

Urticária Crônica 
Pode ser subdividida em dois tipos: urticária espontânea e urticária induzida. 

Urticária crônica espontânea
A urticária crônica espontânea (UCE) é o subtipo de urticária que surge sem que se encontre qualquer fator desencadeante para o aparecimento da crise. O paciente procura a causa o tempo todo e não a encontra. Cerca de 60% de todas as urticárias crônicas são da forma espontânea. 

Cientificamente não se sabe exatamente porque ela ocorre, pois os mecanismos que a causam ainda não são completamente conhecidos pela medicina. Os estudos científicos atuais demonstram a possibilidade de parte das urticárias espontâneas serem uma doença autoimune, nesse caso ocorre a produção de autoanticorpos, que são anticorpos produzidos pelo nosso próprio organismo, causando urticária. A favor dessa teoria observa-se a associação desse tipo de urticária com outras doenças autoimunes, isso é, o paciente com UCE frequentemente possui outras doenças autoimunes. 

A doença autoimune que mais se associa à urticária crônica espontânea é a doença da tireoide, principalmente tireoidite de Hashimoto, mas também vitiligo, artrite reumatoide, anemia perniciosa, síndrome de Sjoegren, entre outras. 

Importante salientar que ainda não existe um exame comercialmente disponível que confirme a presença dos autoanticorpos como causa da urticária crônica espontânea. Deve ser frisado que o tratamento de outras doenças autoimunes que possam estar presentes concomitantemente à urticária não melhora os sintomas desta – nesses casos, a urticária necessita de tratamento específico. 

Urticária crônica induzida
A urticária crônica induzida ocorre devido a um fator desencadeante externo como fricção, pressão, vibração, calor localizado, frio, aumento da temperatura corporal ou contato com a água ou com outras substâncias. De acordo com essa causa, receberá um nome específico – por exemplo, se for causada pela fricção da pele, chamará dermografismo; se for causada pelo aumento da temperatura do corpo, chamará urticária colinérgica. 

Normalmente, nas urticárias induzidas, as crises são rápidas e duram menos de 1 hora – exceto a de pressão tardia e de contato, que podem ser mais duradouras. Esse tipo de urticária agrupa as urticárias físicas, que são as causadas por estímulos físicos, como citados acima e visualizados na tabela abaixo. 

Muitos pacientes têm mais de um tipo de urticária. Podem ter urticária crônica espontânea associada a urticária física. Ou ainda ter duas ou mais urticárias induzidas, como dermografismo + urticária colinérgica. 

Existe uma variedade de urticária colinérgica e urticária aquagênica que só cursam com coceira e são denominadas respectivamente, prurido colinérgico e prurido aquagênico. 

Tratamentos disponíveis 
Tratar o portador de urticária é um desafio. Não existe um tratamento que seja único e ótimo para todos os pacientes. Ele deve ser individualizado, considerando cada doente e o seu tipo de urticária. 

É importante frisar que só um médico pode conduzir um tratamento de urticária. Ele será capaz de fazer o diagnóstico correto da doença, dos tipos e, assim, iniciar o tratamento. 

Urticária aguda – o tratamento baseia-se no uso de anti-histamínicos e, em algumas situações, no uso de corticoide sistêmico por curto período de tempo. Na emergência, usa-se anti-histamínicos por via venosa e adrenalina por via subcutânea. Pacientes com grande risco de urticária e angioedema alérgico grave podem carregar consigo e utilizar uma seringa autoaplicável de adrenalina, para uso em situações de emergência. 

Urticária crônica – também baseia-se no uso de anti-histamínicos, chamados popularmente de antialérgicos. Muitas vezes, estas medicações precisam ser usadas em doses altas, acima das recomendadas em bula e, até mesmo, em combinação de dois ou mais medicamentos antialérgicos diferentes. Caso não haja melhora apenas com a associação de anti-histamínicos, outras medicações mais complexas precisarão ser adicionadas ao tratamento, como dapsona, ciclosporina e outros imunossupressores, dependendo sempre de cada paciente e de seu tipo de urticária. Isso vai ser avaliado pelo médico que estará acompanhando o doente. Por causa do risco de efeitos colaterais graves a médio e longo prazos, os corticoides sistêmicos (prednisona, prednisolona, betametasona e outros) devem ser evitados no tratamento da urticária crônica. Existe ainda um medicamento não aprovado para uso em urticária no Brasil chamado Omalizumabe. Este tratamento já está sendo usado em vários países da Europa, Estados Unidos e Canadá com excelentes resultados nos pacientes com urticária crônica espontânea que não respondem aos tratamentos convencionais com os antialérgicos. Brevemente deverá ser aprovado pela ANVISA e será mais uma opção de tratamento.
FONTE

4 Dê sua opinião:

Anônimo disse...

Boa noite. Eu comecei a ter muita coceira no corpo esse ano e observando notei q ocorrem quando estou suando mt,fazendo exercício por ex., tb quando tomo banho quente ou mais pro morno e tb quando estou mais nervosa e ansiosa. Tenho coceira nos braços e pernas e no tronco geralmente,n causam vermelhidão, apenas coçam como se pinicasse. As vezes coça a cabeça tbe.sempre q n aguento tomo hixizine. O q eu tenho? Tem como amenizar?obrigada.

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Bom dia. O seu relato sugere que possa ser uma urticária física, mas não é possível fazer diagnóstico sem examinar pessoalmente.
Recomendo uma consulta com alergista para que este possa avaliar o seu caso, conduzir a investigação diagnóstica e indicar o tratamento adequado para seu caso. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

Makeuptown Katia disse...

Olá!
Estou com urticária já faz 1 mês.estou tomando remédios, mas não vejo muito efeito.
Gostaria de saber se a urticária pode ter relação com a menstruação.
A princípio eu comi broto de bambu ( 1ª vez) num domingo e a alergia só manifestou na quinta-feira, o médico disse que poderia ser do broto de bambu, mas depois de 4 dias? Nao teria que dar no mesmo dia a alergia? O que aconteceu é que na quinta de manha minha menstruação desceu e logo em seguida deu a alergia ... Será que tem ligação com a menstruação ? Se puderem me dar um luz, agradeço ... Moro no Japão e aqui é um pouco diferente do Brasil. Por favor ... Se puderem me ajudar agradeço .
Obrigada .
Katia

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Katia: compreendo sua preocupação e seu sofrimento, mas não sei de que forma posso ajudá-la através de um contato na internet. A urticária é uma doença complexa e necessita o conhecimento e o exame do paciente para detectar sua(s) causa(s) e indicar um tratamento. Contudo, farei algumas considerações, baseadas em seu relato:
1) A urticária, mais do que uma alergia que se manifesta na pele, pode ser a expressão de manifestações patológicas em outros locais do organismo humano.
2) A urticária pode ter causas variadas. O tratamento se baseia na pesquisa e na detecção das possíveis causas, que variam em cada pessoa. Por isso, a consulta médica é fundamental para que se conheçam dados sobre o paciente, desde sua identificação, idade, características pessoais, história familiar, doenças pregressas (anteriores à consulta, medicamentos que utiliza, hábitos alimentares, hábitos de vida, etc.).
3) A alergia nem sempre é a causa de uma urticária.
4) Fatores hormonais agravar a doença urticariana.
Concluindo, o tratamento da urticária pode ser demorado e nem sempre de fácil resolução. A literatura médica indica que cerca de 60% das urticárias pode ser idiopática, ou seja, onde a causa não é detectada pelo médico. As lesões na pele têm que ser examinadas e analisadas em conjunto com sua história clínica. Agradecemos sua visita ao nosso blog e desejamos que melhore de sua urticária.

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...