Pular para o conteúdo principal

Cortisona - Corticóides ou corticosteróides

Corticóides ou corticosteróides (popularmente chamado de cortisona) são medicamentos usados no tratamento de doenças alérgicas. São sintetizado a partir de um hormônio, chamado cortiso, produzido por uma pequena glândula chamada adrenal ou supra renal, pois se localiza logo acima do rim. 

Este hormônio é essencial para a vida, contribuindo para manter o equilíbrio no organismo humano. Atua como um potente anti-inflamatório natural, além de influir em diversas funções do organismo como no metabolismo ósseo, de açucares, sais minerais, gorduras, proteínas, exercendo também ação estimuladora no cérebro. 

Estas ações são muito importantes para gerar energia necessária para manutenção das atividades diárias e em especial nas situações de estresse tanto físico como emocional. Por exemplo, no momento de uma infecção o organismo precisa de reservas de energia para se defender e o cortisol atua provendo condições para a recuperação. 

A produção de cortisol obedece a um ritmo diário (chamado de “ritmo circadiano”), com um nível máximo do hormônio pela manhã, ao acordar. O nível de cortisol vai caindo lentamente até que à noite há um nível mais baixo no sangue, coincidindo com a sensação de cansaço e necessidade de repouso. Durante o sono, a glândula volta a produzir o hormônio a fim de que o organismo esteja apto para suas atividades diárias ao acordar, pela manhã. 

Este ritmo de produção do cortisol pela supra-renal é regulado por uma outra glândula; a hipófise ou pineal, localizada no cérebro, sob a influência de outras estruturas reguladoras cerebrais. Assim, para produzir o cortisol, a glândula adrenal obedece às ordens da hipófise e do hipotálamo. A regulação do cortisol é portanto o resultado da participação harmoniosa do eixo hipotálamo – hipófise – adrenal. Assim, quando o nível sérico do cortisol, o eixo reduz sua atividade. E vice versa – se o nível está elevado, automaticamente o eixo estimula sua atividade. 

Por isso, quando uma pessoa utiliza um medicamento contendo corticóide, poderá ocorrer uma interferência no eixo regulador/produtor e resultar em alteração de produção do cortisol pelo organismo. No uso curto por poucos dias, não há problema: uma vez suspenso o medicamento, a glândula supra-renal retoma a sua produção diária normal. Entretanto, se a terapia for prolongada (acima de 30 dias) a retomada da atividade da glândula pode ser lenta ou até mesmo permanente, acarretando sérios problemas de saúde. 

Os corticóides são utilizados de forma sintética em medicamentos usados em muitas doenças e na Alergia, por sua estupenda ação anti-inflamatória. O uso deste medicamento acarreta melhora quase imediata de crises agudas de asma, rinite, urticária, eczemas, farmacodermias e da anafilaxia. 

Medicamentos contendo corticóides
Os remédios contendo corticóides sintéticos (chamados popularmente de “cortisona”), são utilizados no tratamento de diversas doenças alérgicas, como a asma, rinite, alergias na pele e no choque anafilático. 
• Via oral: xaropes e comprimidos; 
• Para uso injetável; 
• Para uso inalado: nebulizações, sprays ou inaladores de pó seco; 
• Uso na pele: pomadas e cremes; 
• Uso oftálmico –colírios. 

CORTICÓIDES POR VIA ORAL 
Usados sob forma de comprimidos ou como xaropes estão indicados nas crises de asma, rinite e em outras formas de alergia (urticária, angioedema, etc). O ideal é o uso por poucos dias, a fim de corrigir o problema sem que haja interferência na produção do cortisol pela glândula adrenal, sendo uma medicação valiosa e segura. Os efeitos colaterais são variáveis de pessoa a pessoa, dependendo da dose e do tempo de uso. Os mais comuns são aumento do apetite e alterações do sistema nervoso: algumas pessoas sentem-se com mais energia, outros se queixam de tristeza, irritabilidade e insônia. No caso da asma, é importante chamar a atenção sobre o medo do corticóide por causa dos efeitos colaterais, mas o retardo no início do uso pode acarretar piora da doença e levar à internação hospitalar (às vezes até em CTI), sendo necessário o uso de doses muito mais altas da cortisona. Ressalta-se que este medicamento só deve ser feito sob orientação do médico e em hipótese nenhuma por conta própria ou por conselhos de balconistas ou amigos pois o uso abusivo da cortisona pode provocar danos muitas vezes irreparáveis à saúde. 

CORTICÓIDES INJETÁVEIS
Os corticóides podem ser utilizados por via venosa ou intramuscular nas crises agudas de asma e em situações de emergência, como no choque anafilático. Atuam promovendo a diminuição do processo inflamatório e do edema, diminuindo a chegada das células e de fatores chamados mediadores da inflamação. 

Entretanto, existem no mercado algumas formas para uso intramuscular e que têm liberação lenta (formas de depósito), permanecendo na circulação por cerca de 20 a 30 dias após uma única aplicação. Esta liberação lenta tende a provocar efeitos colaterais mais graves e intensos e por isso não são recomendadas no tratamento de doenças alérgicas. 

Os principais efeitos colaterais dos corticóides sistêmicos – em comprimidos, xaropes ou injetáveis são: 
• Aumento de peso com deposição central de gordura (giba de búfalo). 
• Tendência a aumentar a pressão arterial. 
• Retenção de água (edema). 
• Tendência ao aumento do açúcar no sangue (diabetes). 
• Aumento da acidez estomacal (azia, gastrite). 
• Alteração do cálcio ósseo (Tendência à osteoporose). 
• Insônia, agitação. 
• Aparecimento de cãimbras. 
• Acne, surgimento de pêlos na face. 



Corticóides inalados são considerados "padrão ouro" no tratamento da asma e da rinite, atuando no processo inflamatório das vias respiratórias e resultando no controle da doença. Devem ser usados de forma contínua e por tempo prolongado. Ressalta-se que estes medicamentos não são indicados para uso nas crises, mas sim no controle da asma.

Apesar de seguros, os corticóides inalados também podem causar efeitos colaterais, mas em geral de forma localizada, como a rouquidão (disfonia) e candidíase oral (“sapinho”).Os efeitos colaterais sistêmicos são raros e de pequena intensidade. 

Os corticóides inalados podem ser usados sob forma se nebulização, como “sprays” ou aerossóis (popularmente conhecidos como "bombinhas”) ou ainda em forma de inaladores de pó. É imprescindível lavar a boca após o uso. No caso dos aerossóis ou sprays, recomenda-se também o uso de espaçadores, a fim de reduzir possíveis efeitos colaterais locais. 

Vantagens do uso inalado
 - A medicação atua mais rápido; 
- As doses são menores (microgramas); 
- Os efeitos colaterais sistêmicos são mínimos; 
- Pode-se usar por tempo prolongado sem alterar o equilíbrio do eixo hipófise - adrenal. 

CORTICÓIDES USADOS SOB FORMA DE CREMES E POMADAS 
Usados no tratamento de doenças alérgicas da pele como a dermatite atópica e o eczema de contato. 

Comentários

  1. Anônimo9/8/15 18:29

    Prezados doutores,
    Possuo um problema há 7 anos nos lábios e já fui a diversos especialistas e inclusive já fiz biópsia, porém os médicos acreditam ser uma dermatite de contato, só que até o momento não descobri o que tem me feito tão mal há tanto tempo. Para amenizar o meu problema (inchaço, vesículas, queimação e forte latejamento nos lábios) uso acetato de hidrocortisona 1% nos lábios à noite. Quais são os riscos do uso contínuo, já que quando não o passo essas lesões retornam rapidamente e diminuem drasticamente minha qualidade de vida? Gostaria de saber quais são os riscos e o que devo fazer nesta situação?

    ResponderExcluir
  2. O uso de corticóides tópicos sob forma de pomadas pode melhorar pelo efeito anti-inflamatório. Mas se a causa não for detectada e tratada, o problema se repetirá. E o uso prolongado sem acompanhamento médico pode trazer problemas. Convido que leia: http://blogdalergia.blogspot.com/2012/09/corticoides-topicos.html Gratos pela visita.

    ResponderExcluir
  3. Boa Tarde. Tira uma dúvida o spray nasal de budesonida deve ser usado e em seguida colocado na geladeira. Ele possui algum tipo de efeito colaterais.

    ResponderExcluir
  4. Não há necessidade de conservar na geladeira. Sprays nasais (como é o caso da budesonida) são seguros porque são formulados em doses mínimas (microgramas) de forma que atuam diretamente na mucosa do nariz, com mínimos efeitos no resto do organismo. Convido que escreva para nosso e-mail (blogdalergia@gmail.com) e enviaremos para você uma cópia em PDF do livro: “Alergia, doença do século XXI”. Gratos pela sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  5. Tenho alergia a fungos...penas...cachorro...poeira...tudo extra forte...descobri a 2 anos...des de então tomo loratadina para controlar. ..em julho fui numa farmacia para comprar meu remedio o farmacêutico me receitou Betametasona injetavel....foi como tirar com a mão. ..voltei ate a sentir cheiro...so q se passaram os meses e voltou tudo de novo ate pior...posso tomar com frequência essa injeção?

    ResponderExcluir
  6. Bom dia. Em primeiro lugar, farmacêuticos ou balconistas de farmácia não devem prescrever medicações. Segundo, pela sua descrição, você ao apresentar sintomas relacionados a alergia faz uso de medicações sintomáticas, medicações de alívio, e os anti-alérgicos são as medicações que devem ser utilizadas, porém, se os sintomas são muito intensos e frequentes, deveria realizar tratamento. A betametasona injetável ou oral é um corticosteróide, um hormônio, logo deve ser utilizadas em alguns casos específicos, e não como medicação sintomática, pois ela age em todo seu organismo, e tem benefícios e malefícios. Procure um especialista e trate sua alergia de forma correta. Obrigado pela visita

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…