08 fevereiro 2015

O trabalho e as alergias

Uma pessoa adulta passa muito tempo em seu ambiente de trabalho, onde fica exposto a uma variedade de substâncias, que pode gerar uma doença ocupacional, que pode ser alérgica (imunológica) ou não. 


Alergia é uma doença na qual o sistema imunológico funciona indevidamente em resposta à exposição a um agente sensibilizante. Em alguns casos, este agente provocador está no local de trabalho, acarretando grandes problemas. Quando se suspeita de uma alergia relacionada ao trabalho, deve-se observar se os sintomas pioram ao longo da semana de trabalho e no local de trabalho. Por outro lado, os sintomas tendem a melhorar nos fins de semana, feriados ou férias. Mas, vale lembrar que nos casos mais graves, o trabalhador tem sintomas crônicos que não melhoram nem mesmo nos durante os períodos de descanso. 

As formas mais frequentes de alergias relacionadas ao trabalho, podem acometer o sistema respiratório (asma, rinite) ou a pele (alergia cutânea ou dermatite de contato ocupacional). 

A asma relacionada ao trabalho pode compreender duas situações: 1) indivíduos que eram saudáveis e tornaram-se alérgicos a uma substância no ambiente e 2) pessoas que já têm asma ou rinite previamente e agravam no ambiente de trabalho. A rinite pode ocorrer associada à asma ou isoladamente. A rinite pode ser considerada como um estágio inicial do comprometimento das vias respiratórias, podendo evoluir para asma 

A dermatite de contato ocupacional pode ser duas origens: 1) D.C. alérgica e 2) D.C. irritativa. Contudo, não é tão simples, já que uma reação pode se iniciar devido a irritação e posteriormente desenvolver a sensibilização alérgica. A mão é o local mais frequentemente acometido e as substâncias mais relacionadas são: cimento (bicromato de potássio), metais (sulfato de níquel) e derivados da borracha e látex. 

Alergia X  Profissões 

Padeiros: inalação de farinha e as enzimas utilizadas pode fazer com que algumas pessoas que trabalham em padarias possam ter rinite ou asma. 

Veterinários: é possível ocorrer sensibilização a animais, em especial gatos e cães. 

Médicos e profissionais de saúde: podem desenvolver alergia ao látex luvas ou manipulação de alguns medicamentos. 

Trabalhadores de cozinha e profissionais de limpeza: podem apresentar dermatite de mãos 

Cabeleireiros: dermatite causada por tinturas, permanentes, produtos de coloração de cabelo, ferramentas, metais. Em menor grau, podem ocorrer rinite e asma. 

Indústria de alimentos: rinite e asma devido a farinha e seus contaminantes, como, por exemplo, ácaros, mofo, fumaça da cozinha ou pela própria comida, ovos, frutos do mar. 

Construção civil: a dermatite alérgica a mais comum pode ser causada por cimento (que contém o crómio é uma substância muito alérgica), resinas, adesivos e vernizes componentes. 

Trabalho industrial e metalurgia mecânica: dermatite de processamento de metais ou pelo pó resultante da micropulverização do metal, componente do óleo, tintas, soldas. 

Trabalho com madeira: rinite e asma devido ao pó de madeira, madeira, exótico, componentes de vernizes e colas, resinas utilizadas na composição de camadas ligadas compósitos. 

Recomendações: 

No caso de suspeita de sintomas de alergia no trabalho, informar a empresa e procurar um local de atendimento especializado em Alergia, para que seja feito o diagnóstico e para detectar quais os possíveis agentes que causam a reação alérgica. 

Avaliar se o(a) trabalhador(a) está recuperado e capacitado para desempenhar a sua atividade e se necessitará de medidas preventivas adequadas para evitar a recorrência dos sintomas. A avaliação médica apontará se há necessidade de adaptação ou de mudança de função. 

O uso correto dos equipamentos de proteção individual, com especial atenção para o uso, limpeza e manutenção dos equipamentos de proteção individual (luvas, máscaras, etc.) 

Nos casos de alergia ao látex é conveniente portar identificação, em especial nos casos de necessidade de procedimento cirúrgico. 

O uso de equipamentos de proteção e orientações dadas ao trabalhador podem interferir na diminuição e controle da irritação relacionada à ocupação. A melhoria das condições de ventilação da área de trabalho, redução da exposição e o uso de equipamentos de proteção individual contribuirão para aumentar a segurança no trabalho e a diminuição das alergias ocupacionais.

Fontes: Fundalher e CIDEA

18 Dê sua opinião:

Vania Santos disse...

Tenho alergia a muitos medicamentos tais como diclofenaco,paracetamol,dipirina,nimesulida,entre outros q eu nao me lembro agora.
E tenho alergia também a tomate ,corantes,abacaxi . Peixe.
A esmalte,tintas,adesivos,ligas metalicas,tatuagens. ...
e a poeira
consutei com alergista e fiz os exames.mas na verdade nao mudou nada. Nao me tirou as dúvidas. Sofro muito com isso. Quando sinto dores tenhio q ficar com a dir pirq nao sei q remédio eu posso tomar

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Vania: em geral, as pessoas alérgicas a dipirona também têm alergia a outros analgésicos e antinflamatórios. Mas, para orientar uma alternativa segura é essencial avaliar seu caso de forma criteriosa e pessoalmente. Infelizmente não há como orientar pela internet, pois não existe uma medicação padronizada que sirva para todos os alérgicos. Caso você more no Rio, a nossa equipe médica está ao seu dispor na Clínica de Alergia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro para avaliar seu caso e prestar esclarecimentos. Gratos pela visita ao Blog da Alergia

Anônimo disse...

Ola! Minha alergolosgista receitou para mim um tratamento para minha asma. Ela receitou Montelair e relvar. Porem li na bula de relvar que ele causa (efeitos colaterais) pneumonia. Isso é verdade?

Ela também me disse que devo tomar esses remédios mesmo não havendo crise, então eu teria que tomar a vida toda? Me ajudem pois não comecei o tratamento por medo desses efeitos colaterais do relvar.

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

A medicação para controle da asma deve ser feita por tempo prolongado. Contudo, este tempo não é padronizado, varia em cada pessoa, de acordo com seus dados clínicos. Quanto à bula, é obrigatório citar todas as possibilidades de efeitos colaterais, mesmo que seja muito raro, como é o caso. Aconselho que exponha seu medo à sua médica. O diálogo e a confiança que se estabelecem entre o médico e o paciente são a base para o sucesso de qualquer tratamento. Obrigado por visitar o blog da Alergia.

Julia disse...

Há três meses desenvolvi uma alergia onde surgiram bolhas igual a queimaduras nas mãos, boca inchada e umas bolhinhas com muita coceira pelo corpo todo. Antes da alergia aparecer havia tomado dois remédio: fluconazol e cetoconazol. Na consulta ao dermatologista ela disse que provavelmente foi uma intoxicação ao medicamento. Exame de sangue não teve nenhuma alteração. Ela prescreveu 20 dias de predsim 20 mg e a pomada trok g. A alergia melhorou, mas quando terminei o remédio a alergia voltou novamente. Então dermatologista receitou mais 10 dias de predsim. E agora ao término do remédio a alergia esta voltando novamente. Não sei mais o que fazer? Será que a alergia surgiu realmente dos remédios que havia tomado? Agora marquei consulta com um alergista. Espero resolver esse problema.

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Julia: sinto muito, mas o parecer que solicita não pode ser emitido através deste aconselhamento na internet. Lesões na pele têm que ser examinadas pessoalmente. Além disso, é essencial conhecer também os dados do seu histórico clínico de forma criteriosa. Avaliar sem examinar pode incorrer em erros de diagnóstico e tratamento. Aconselho que aguarda a consulta com o alergista. Conto com a sua compreensão. Agradeço sua visita ao Blog da Alergia.

Anônimo disse...

trabalho 3 anos em uma fabrica e contrair alergia a produto quimicos mais e isso afeta muito minha vida pos sinto dores no corpo dor na cebeça, sangramento nasais torce muito mais muito forte. e a fabrica toda tem quimica pos fabricamos sapatos. todo o proceço de fabricaçao enveove quimica. o que eu faço

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Nem toda doença ocupacional é causada por uma alergia, pois nem sempre tem mecanismo imunológico.Por isso, é preciso analisar seus dados clínicos de forma criteriosa e pessoalmente para fazer o diagnóstico. Só assim será possível orientar de forma adequada. Obrigado por visitar o Blog da Alergia.

Cellis Angel disse...

Estou com a mão direita vermelha, coçando, e descamando e inchada.
Meu pulso e braço também está inchado r dói até ao ombro.
Trabalho em uma empresa onde esfórco muito o braço, além de ter contato direto com ; solventes, tintas, ácidos urinas e até fezes.
Uso luvas as vezes, mss sempre se rasgam.
O que devo fazer?







Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Cellis: é aconselhável que procure um(a) alergista para avaliar seu caso e confirmar se as lesões que descreve estão mesmo relacionadas com seu trabalho. Infelizmente não posso ajudá-la pois para opinar é essencial examinar pessoalmente. Obrigado pela visita ao Blog da Alergia.

clodoaldo disse...

sou ajudante de padeiro tenho ate vergonha de andar porair mi cosso muito q fasso?

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Clodoaldo: a manipulação da farinha e outros produtos usados no fabrico de pães pode provocar irritações e/ou alergia. Mas, para afirmar se é o seu caso, é preciso examinar pessoalmente Aconselho que procure atendimento médico pessoalmente. Obrigado pela sua visita ao Blog da Alergia.

Anônimo disse...

Tô com asma hà três semanas, tomei Relvar por uma semana mas não melhorei, a medica trocou para Vannair mas deu urticaria e tosse, ela pediu voltar para o relvar. É recomendável voltar para o relvar? será que ele fara efeito pois parei no inicio?

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Existem diversos tipos de medicamentos, usados em diferentes dispositivos inalados disponíveis para tratamento da asma. A escolha da medicação a ser usada será feita baseado no quadro clínico de cada paciente, tipo de asma, gravidade do quadro e da aceitação da medicação. Obrigado pela sua participação no Blog da Alergia.

Anônimo disse...

Eu fiz o teste de contato e descobri que sou alérgico a bicromato de potássio, essa alergia está me preocupando pq já dura 6 meses e o principal causador da alergia é o material que eu utilizo para trabalhar, sendo que não há outros lugares que possam me colocar, o que é mais aconselhável pra mim?

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

O ideal é afastar do contato com a substância que provoca a alergia, seja por uma mudança de emprego, o que nem sempre é fácil, ou então pelo remanejamento de tarefas. Além disso, dependendo do tipo de sua alergia, é possível utilizar material de proteção no contato com a substância. Gratos por sua visita ao Blog da Alergia.

Anônimo disse...

Meu tio trabalha como ajudante na construção civil, e acho que ele desenvolveu uma alergia respiratória causada pelo cimento, é uma tosse seca e muitas vezes persistente. Ele fez endoscopia uma vez, pensando que poderia ser alguma coisa diferente, mas não acusou nada. Que exames específicos ele pode fazer para obter um diagnóstico preciso?

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

O diagnóstico da tosse se baseia na avaliação clínica feita pelo médico, na anamneses e no exame físico. A partir daí, é levantada a hipótese que será confirmada por testes alérgicos (na pele ou no sangue) e por exames complementares. Gratos por sua visita ao Blog da Alergia.

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...