Pular para o conteúdo principal

Fibrose cística orientações para professores e equipe escolar



O que é a Fibrose Cística? 
A Fibrose Cística (FC), também conhecida como Doença do Beijo Salgado ou Mucoviscidose, é uma doença genética, ainda sem cura, mas que se diagnosticada precocemente e tratada de maneira adequada, o paciente poderá ter uma vida praticamente normal, dentro de seus limites. 
Na maioria das vezes a FC é diagnosticada já na infância, embora também possa ser diagnosticada na adolescência ou na fase adulta. É importante ressaltar que a FC não é contagiosa e não afeta questões cognitivas. Devido aos diferentes sintomas, algumas pessoas não aparentam ter nenhuma doença, porém, o tratamento deve ser mantido para que não ocorram intercorrências e complicações futuras. 

Quais os sintomas?
Pneumonia de repetição, tosse crônica, desnutrição, dificuldade de ganhar peso e estatura, movimentos intestinais anormais (diarreia) pólipos nasais, sabor mais salgado na pele / suor mais salgado que o normal e uma espécie de alongamento das pontas dos dedos das mãos e dos pés, também conhecida como “baquetamento”. De forma geral, a pessoa com Fibrose Cística tem a secreção do seu organismo mais “grossa” que o normal, o que dificulta sua eliminação. No sistema respiratório o muco espesso bloqueia os canais dos brônquios ocasionando dificuldades para respirar, causando tosse crônica, infecções de repetição, pneumonias, entre outros. No sistema digestório, o muco espesso evita que as enzimas digestivas, necessárias à digestão, cheguem ao intestino, fazendo com que, por vezes, a pessoa com FC fique desnutrida. Por isto, algumas pessoas com FC realizam reposição enzimática através da ingestão de cápsulas a cada alimentação, fundamental para que consigam ganhar peso e absorver nutrientes. 

Como pode ser identificada e diagnosticada? 
A FC pode ser identificada no Teste do Pezinho e diagnosticada através de Exames Genéticos, ou do Teste do Suor. Para saber mais sobre o diagnóstico, acesse: http://unidospelavida.org.br/a-fibrose-cistica/diagnostico/ 

Como é realizado o tratamento? 
Como professor de uma pessoa com FC, é fundamental que você conheça um pouco mais sobre sua rotina do tratamento para que possa auxilia-lo quando preciso, inclusive lembrando-o dos medicamentos. Via de regra, o tratamento é diário e composto por: 
- Ingestão de Enzimas Digestivas para as alimentações; 
- Antibióticos 
- Suporte Nutricional 
- Broncodilatadores 
- Fisioterapia Respiratória 
- Antinflamatórios 
- Atividade Física 
- Acompanhamento Multidisciplinar frequente 
O tratamento de cada pessoa com FC varia de acordo com a gravidade da doença e com a forma que ela se manifesta. Porém, a maioria dos tratamentos são projetados para tratar problemas digestivos e para limpeza dos pulmões. 

Cuidado com as infecções: 
Uma das coisas mais importantes que uma pessoa com FC pode fazer para manter-se saudável é minimizar a exposição à germes e bactérias nocivas. Realizar a higiene das mãos frequentemente (lavagem das mãos com água e sabão e a utilização de álcool em gel é fundamental). Quando houver outro aluno resfriado em sala de aula, tentar manter ao máximo a ventilação do local, fazer a higienização das mãos com frequência e usar tecidos quando espirrar, tossir ou assoar o seu nariz, evitando contato com as pessoas com FC. Naturalmente, estes cuidados devem ser tomados para todas as pessoas, porém, especialmente para quem tem FC. 
Temos um texto sobre as viroses, a escola e as crianças com FC que pode ser acessado aqui

Atividade Física:
A atividade física é fundamental para todos as pessoas, e em especial para as pessoas com FC, pois ajuda a soltar o “muco” que obstrui os pulmões, fortalecendo também os músculos utilizados para a respiração. Pessoas com FC devem ser incentivadas à se exercitar o máximo possível. Porém, podem apresentar dificuldades respiratórias, cansando-se facilmente. É importante que seus colegas saibam do que acontece para que o ajudem nestas atividades. Seja sensível ao avaliar as capacidades físicas do aluno. Converse com ele e com os pais para determinar um nível adequado de atividade física, e, se preciso, discuta com a equipe multidisciplinar que o acompanha. Tente inclui-la em todos os jogos e atividades em que ele ou ela está em condições físicas de participar. 

Desidratação: 
Pessoas com FC estão em maior risco de desidratação, especialmente quando o exercício é realizado em dias quentes. Água ou bebidas esportivas precisam ser facilmente acessíveis durante as atividades físicas. Importante: Pessoas com FC são pessoas normais!

Por vezes, precisarão ausentar-se para realizar determinado tratamento, mas com um bom acompanhamento e apoio da instituição de ensino e de seus colegas, não haverá tempo longe da escola que impacte em seu desempenho escolar. Apoio, compreensão e carinho são fundamentais! 

Contem com o Instituto Unidos pela Vida para sanar outras dúvidas e para divulgar a Fibrose Cística em suas instituições! Entre em contato conosco pelo contato@unidospelavida.org.br e saiba como ajudar! :) Entenda mais sobre a Fibrose Cística: 
Acesse: Unidos pela vida

Comentários

  1. Meu filho tem asma alérgica,rinite crônica alérgica e dermatite ,ele faz o uso dos medicamentos Flutican 50mcg e Flixotide 250mg, então gostaria de saber se ele brincar com uma criança que está com catapora e ele pegar catapora vai interferir no uso dos medicamentos..... Meu filho está muito bem ,com tudo controlado .... Mas ele quer muito brincar com o primo ,mas ele esta com catapora e eu não sei o que fazer ... Deixar ou não? Desde ja obrigada!!!

    ResponderExcluir
  2. Dayane: o caminho mais adequado é vacinar seu filho. Estima-se que uma única dose da vacina contra varicela (catapora) em crianças até 12 anos propicie 70 a 90% de proteção contra a infecção e 95 a 98% de proteção contra as formas graves. A criança com asma bem controlada poderá ficar bem, mesmo com a virose, mas o melhor mesmo é que ela fique saudável. A Sociedade Brasileira de Pediatria preconiza: "a vacina varicela em dose única mostrou-se altamente eficaz para prevenção de
    formas graves da doença. Entretanto, em consequência da possibilidade da ocorrência de formas leves da doença, em crianças vacinadas com apenas uma dose da vacina varicela, sugerimos a realização de uma segunda dose da vacina.Crianças que receberam apenas uma dose da vacina varicela e apresentem contato domiciliar ou em creche com indivíduo com a doença devem antecipar a segunda dose, respeitando o intervalo mínimo de 1 mês entre as doses. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergia a analgésicos e anti-inflamatórios

Você sempre usou aquele analgésico e nunca teve nada. Um belo dia toma e... incha tudo! 

É sempre uma surpresa, pois a alergia não surge da primeira vez e sim quando já se tomou aquele remédio por várias vezes.

Quer entender o que se passou? É um pouquinho complicado, mas vamos lá:


Analgésicos servem para aliviar a dor, mas a maioria também tem ação antitérmica e anti-inflamatória. A aspirina (ácido acetil salicílico ou AAS) foi o primeiro analgésico, inventado em 1800. A partir dela, foram sintetizadas outras substâncias como dipirona e os chamados anti-inflamatórios (diclofenaco, ibuprofeno, etc.). Portanto, todos derivam de uma mesma linha de família, sendo “parentes” e com ações semelhantes.
Para que se entenda porque os analgésicos provocam reações alérgicas, é preciso entender como agem: para combater a dor e a febre, estes medicamentos atuam inibindo uma enzima chamada COX 1 e impedindo a ação das substâncias provocadoras de dor, chamadas prostaglandinas.
O problema é que, ao …

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.