24 novembro 2013

Alergia ao látex


Látex é um produto extraído da árvore da borracha (seringueira ou Hevea brasiliensis), sendo utilizado no fabrico e manufatura de muitos materiais para uso médico: luvas, sondas, drenos, garrotes, entre outros e no uso pessoal: chupetas, brinquedos, balões de festa, infláveis, preservativos, produtos dentários, entre outros. Calcula-se que mais de 40.000 produtos de uso médico e de uso corrente contém látex e com os quais entramos em contato, seja através da pele como pela respiração. O ambiente hospitalar contem partículas de látex inaláveis, permitindo seu contato com a mucosa das vias respiratórias. 

Grupos de risco 
A alergia ao látex é mais comum em: 
- Médicos e profissionais de saúde, em especial aqueles que trabalham em centros cirúrgicos. É comprovado que a manipulação das luvas de látex libera partículas de látex ligadas ao talco no ambiente. Hospitais, clínicas e ambulâncias podem conter índices elevados de alérgenos do látex no ar, que podem ser inaladas e provocar sintomas. 
- Crianças portadoras de espinha bífida (uma doença grave que necessita de cirurgias repetidas) ou crianças que necessitem cirurgias múltiplas, como aquelas portadoras de malformações congênitas. 
- Trabalhadores com exposição ocupacional ao látex, seja por trabalharem de luvas ou equipamentos de proteção de borracha , como aqueles que trabalham diretamente na indústria da borracha ou têm contato com a árvore (seringueiros). 

Sintomas da alergia ao látex 
- Na pele: A reação mais comum é a dermatite irritativa, causada pelas lavagens repetidas das mãos com detergentes e desinfetantes e pelo contato com o talco das luvas. Contudo, o contato direto e frequente com os produtos com látex pode provocar uma série de dermatites, eczemas e até urticária. Destaca-se a Dermatite de contato alérgica (DCA) que pode surgir horas ou dias após o contato. Os casos de urticária de contato se acompanham de lesões que surgem 10 a 30 minutos após contato com as luvas. 

- Na respiração: a inalação de partículas do látex pode provocar: rinite, conjuntivite e/ou asma. Neste caso, o talco (amido) das luvas contribui para que as partículas fiquem em suspensão e sejam inaladas. 

- Anafilaxia: conhecida popularmente como choque anafilático, pode ocorrer em pessoas sensíveis, em especial quando submetidos a cirurgias ou procedimentos invasivos. Estudos apontam o látex como segunda causa de anafilaxia perioperatória, depois dos relaxantes musculares. 

Síndrome látex-fruta
Sendo o látex originário de uma árvore, algumas pessoas alérgicas ao látex podem apresentar também sensibilidade à algumas frutas e outros alimentos de origem vegetal. Mais de 20 alimentos já foram relatados como causadores dessa reação. Entre eles destacam-se: castanha portuguesa, banana, abacate, kiwi, mamão papaia, manga, maracujá, pêssego, abacaxi, figo, melão, damasco, ameixa, uva, lichia, acerola, tomate, batata, mandioca, espinafre, pimentão, e trigo sarraceno A suspeita da alergia alimentar associada à alergia ao látex baseia-se na observação do surgimento de reações sugestivas com a ingestão do alimento. Geralmente a sensibilização ao látex precede a sensibilização às frutas, mas pode ocorrer o inverso. 

Diagnóstico da alergia ao látex
O reconhecimento da alergia ao látex é feita baseado na análise dos sintomas e dos dados clínicos de cada paciente. 

A confirmação pode ser efetivada com os testes (na pele e/ou no sangue). 
- O teste cutâneo é feito utilizando extrato padronizado de látex, por método de puntura e leitura imediata. É seguro e eficaz. 
- Testes de contato (patch tests) podem ser feitos com látex e com derivados de borracha, contribuindo para diagnóstico de alergia ao látex e aos aditivos da borracha. 
- Nos casos de suspeita de síndrome látex fruta, recomenda-se realizar testes cutâneos com alimentos e em alguns casos, com o alimento in natura. 
- A dosagem da IgE específica para látex no sangue do paciente pode contribuir para o diagnóstico, bem como para monitorização da sensibilidade do paciente. Mas, não substitui o teste cutâneo, de menor custo e maior sensibilidade. 
- Testes de provocação: em geral são realizados com luvas de látex, mas incorre em risco, devendo ser realizado com acompanhamento médico e em ambiente hospitalar. Medidas de prevenção 

O acompanhamento com médico especialista em Alergia é essencial para diagnóstico e controle deste tipo de sensibilidade. Vale ressaltar que pessoas sensibilizadas ao látex não têm maiores riscos com a borracha sintética (elastômeros sintéticos), como por exemplo, neoprene e nitrilo.

Cuidados especiais:

- Evitar ou minimizar o contato com alérgenos do látex. 
- Uso de luvas especiais nos casos suspeitos 
- Preservativos e objetos sem látex 
- Realização de cirurgias em ambientes isentos de látex 
- Os portadores de alergia ao látex devem portar um cartão ou identificação específica. 
Há cerca de 2 anos, a ASBAI e a SBA (Sociedade Brasileira de Anestesiologia), revindicam junto à ANVISA a obrigatoriedade de rótulos de produtosmédicos/hospitalares conterem a informação quanto a presença ou não de látex ("contém látex" ou "não contém látex"). 
Fonte: ASBAI - Imagem: la alergia


Leia mais sobre o tema:
- Alergia a camisinha
- Alergia a luvas
- Alergia ao látex

4 Dê sua opinião:

Maria cardoso saraiva disse...

Muito me ajudou! Obrigada

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Que bom que gostou, Maria Cardoso. As suas palavras são um incentivo ao nosso trabalho voluntário. Aproveito a oportunidade para convidar você a assinar nosso blog e receber gratuitamente nossos textos diretamente em seu e-mail

Dah... disse...

Boa noite! Cheguei até o blog de vocês porque andei pesquisando sobre alergia ao látex desde que descobri que na banana continha látex (foi a primeira fruta que me deu uns sintomas bem específico) e descobri que outras frutas também contém, assim como algumas verduras... Saberia me informar se há casos registrados de alergia ao látex com efeitos negativos de dor no estômago seguida de diarréia ou vômito (no meu caso quando como alguma fruta ou verdura que contém látex, a dor no estômago só passa depois de pôr pra fora ou através da diarréia ou do vômito), nunca fiz nenhum tipo de teste com médicos, só observando e pesquisando descobri que o que tenho pode ser alergia ao látex, não tenho alergia de contato, só na ingestão mesmo, as frutas que descobri que me dão alergia são: banana, uva e tomate, e mais recentemente com pimentão vermelho, e nas minha observações e testes descobri que só me dá essas reações se estiverem crus, se forem cozidos, nada acontece!
Desde já agradeço!

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Dah Boa noite O seu relato sugere que possa ser uma alergia relacionada ao látex mas não é possível afirmar sem examinar Recomendo que procure um (a) alergista Gratos por sua participação no Blog da Alergia.

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".