Pular para o conteúdo principal

Cortisona - uso no tratamento dos alérgicos idosos




A cortisona pode ser considerada um milagre terapêutico do século 20 para o tratamento das doenças alérgicas. Doenças como asma, urticária, farmacodermia, anafilaxia e varias outras manifestações de alergia, antes potencialmente fatais, tiveram seu prognóstico mais ameno desde que este medicamento foi introduzido no mercado. 

Entretanto, mesmo após mais de meio século de inestimáveis benefícios, o emprego da cortisona ainda provoca questionamento na população alérgica ou até mesmo em boa parte da classe medica. Em parte porque, sendo um medicamento hormonal, pode determinar o aparecimento de efeitos adversos (felizmente reversíveis em sua grande maioria, quando a droga é convenientemente utilizada). 

Vale ressaltar que não existe medicamento sem algum tipo de efeito adverso. Um simples analgésico usado por milhões de pessoas no mundo pode ser causa de morte para aqueles suscetíveis. A cortisona, do ponto de vista “benefício versus risco”, quando corretamente aplicados no tratamento de doenças alérgicas, constitui um medicamento seguro e mesmo imprescindível. 

Quando se fala em idosos portadores de manifestações alérgicas, a utilização da cortisona precisa ser criteriosamente avaliada, reservada para pessoas realmente necessitadas e sob supervisão médica. Em geral, os idosos têm outras manifestações patológicas além da alergia, nas quais os esteroides podem interferir. Mas, não significa que os corticóides não possam ser utilizados após os 60 anos de idade. Neste caso, precisam ser cuidadosamente empregados para não haver interferência com outras doenças onde poderiam interferir de maneira negativa. 

No caso dos corticosteroides para uso sistêmico, ou seja, em forma de comprimidos, xaropes ou injeções, devem ser indicados nas situações clinicas de absoluta necessidade e por tempo o mais limitado possível. Mas, o ideal seria que estes medicamentos tivessem sua venda controlada, como acontece com os antibióticos. Ressalta-se que uma falha terapêutica grave é a utilização de injeção de cortisona de deposito, de ação prolongada, quando não se tem noção exata da eficiência da medicação e nem do tempo necessário para sua eliminação. 

Modernamente, surgiram os corticosteróides para uso inalado para tratamento de controle da asma e para uso intranasal no tratamento da rinite alérgica. Inicialmente foram lançados sob a forma de sprays (“bombinhas”) e mais recentemente, na forma de inaladores. Estes medicamentos possuem uma característica especial, pois são formulados em doses mínimas (microgramas), proporcionando uma ação direta nas vias respiratórias, com mínima interferência no resto do organismo e com outras medicações. Por isto, a cortisona sob a forma inalada é de extrema utilidade para pacientes alérgicos, muito bem aceita por médicos e pacientes, controlando eficientemente sintomas nasais e brônquicos. 
Da mesma forma, cremes, pomadas e loções contendo corticoides tópicos (para uso na pele) são eficazes e seguros. 

Em resumo, corticoides inalados e cutâneos, podem oferecer o máximo de benefícios e o mínimo de efeitos adversos, constituindo portanto, uma medicação ideal para pacientes idosos com sintomas alérgicos. A avaliação do beneficio terapêutico e do risco de efeitos colaterais dos corticoides sistêmicos é prerrogativa do médico alergista em consonância com o clínico assistente do idoso. O que não pode acontecer é dispensar uma terapêutica fundamental para o controle de uma manifestação alérgica que possa evoluir para uma situação irreversível, apenas pelo temor de uma reação adversa.


A equipe da Clínica de Alergia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro lançou o livro "Alergia no idoso - Aspectos Clínicos", destinado para médicos geriatras e clínicos. 
Este texto é de autoria do Dr Magalhães Rios, diretor do Serviço e coordenador do "Projeto de atendimento especial aos alérgicos da terceira idade". 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.