Pular para o conteúdo principal

Riscos em cosméticos e produtos de beleza


Olhando para a figura, eu pergunto: é possível viver sem cosméticos? 

A Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosméticos aponta que cerca de 79% das mulheres brasileiras usam algum produto de beleza diariamente e que o faturamento do setor foi de 85 milhões em 2012. A cada momento surgem novos cosméticos, com aprimoramento de suas qualidades: produtos de maquiagem de duração prolongada, shampoos que lavam a seco, esmaltes holográficos, glitters, cremes rejuvenescedores milagrosos, desodorantes de longa duração, hidratantes, protetores solares, entre outros. 

Contudo, nem tudo são flores neste segmento: uma pesquisa recente da Unicamp chamou a atenção para substâncias presentes em cosméticos capazes de provocar alergia.  As empresas argumentam que não são substâncias proibidas e que obedecem as normas da Anvisa 

Os pesquisadores dão importantes alertas: 

- Esmaltes: 3 dos 9 esmaltes investigados continham taxas elevadas de sudam III, corante que pode ser cancerígeno. Substâncias como nitrotolueno, tolueno, formaldeído, dibutil ftalato presentes em esmaltes de unhas podem causar alergia.

 - Batons: oxidaram, ou seja, perderam suas propriedades, antes do fim do prazo de validade, provavelmente devido ao contato com a saliva. Recentemente a Universidade da Califórnia divulgou uma pesquisa em que de 32 batons e gloss do mercado americano continham chumbo em quantidade acima do permitido na legislação. Em 10 marcas havia excesso de cromo, além de manganês, titânio e alumínio. A Anvisa em seu site, esclarece que o chumbo não é mais utilizado em batons brasileiros mas que a substância pode aparecer como contaminante no limite máximo de 20ppm (partes por milhão)  

- Lápis de olhos: podem causar irritação, infecção e alergia 


- Hidratantes: evitar aqueles que contenham ftalato 

- Protetores solares: a maioria já retirou o ácido para-aminobenzóico (PABA), mas muitos ainda contém benzofenona 3, que pode causar alergia em pessoas suscetíveis. 

- Xampus – evitar aqueles contendo metildibromo glutaronitrilo, que pode provocar alergia, em especial nas crianças. Cita-se também a Cocamidopropyl betaina, presente não somente em shampoos,como também em alguns tipos de sabonetes líquidos, gel barba, produtos de limpeza para lentes de contato e demaquilantes. 

- Tinturas de cabelo – podem provocar alergia em especial pela presença da substãncia parafenilenodiamina e seus derivados. Infelizmente a maioria das tintas contém esta substância, usada em sua fixação. Mas, outras substâncias contidas nas tinturas de cabelo podem provocar alergia. Além disso, deve-se preferir produtos sem amônia , cujo cheiro ativo pode trazer desconforto e agravar alergias respiratórias. 

- Fragrâncias – encontradas em perfumes, mas também em qualquer cosmético perfumado e são os principais alérgenos em cosméticos. Cerca de 1 a 4% da população tem alergia a fragrâncias. 

 - Desodorantes: fragrâncias, propilenoglicol e parabenos podem causar alergia. 

- Lenços umedecidos podem provocar dermatite alérgica por sensibilidade à substância Metilisotiazolinona, eleita "alérgeno do ano" em 2013 pela Sociedade Americana de Dermatite de Contato.

 Dificuldades: 
- Rótulos não são claros e muitas vezes o nome da substância é substituído por códigos . Por exemplo, o Sudam 3 tem identificação em rótulo como CI26000 ou Solvent Red 23. 
- Rótulos divulgam a composição, mas não a quantidade da substância usada no produto. 
- Alguns rótulos usam letras mínimas que dificultam a leitura. 
- Os fabricantes recomendam que seja feito um teste de sensbilidade, aplicando o cosmético em uma pequena área da pele antes do uso, antes de usar normalmente. Mas, vale ressaltar que a alergia não surge da primeira vez e sim com o passar do tempo. O teste é válido para identificar as substâncias às quais a pessoa já é sensível, mas não prevê o aparecimento de novas sensibilizações. 

Dicas: 
- Use produtos de qualidade, certificados pela Anvisa. 
- Cosméticos infantis obedecem leguslação própria. 
- Guarde em local seco e protegido do sol. 
- Obedeça o prazo de validade. Não use se o produto mudar a coloração, cheiro ou textura. 
 - Evite compartilhar maquiagem, esmaltes ou outros produtos de beleza. 
- Prefira produtos hipoalergênicos e naturais. Leia atentamente os rótulos 

Se persistirem dúvidas, procure um médico especialista em Alergia para uma orientação segura e adequada. O teste de contato pode ser útil na identificação da substância causadora da alergia. Se a pessoa sabe qual é o alérgeno, deve ler os rótulos e evitar seu uso. O site da ASBAI (WWW.sbai.org.br) oferece um setor “Localize um especialista”, onde basta digitar o Estado, a cidade e abrirá uma lista com os nomes de alergistas na localidade desejada

Fonte: O Globo - saúde - 26 maio 2013

Comentários

  1. Super dicas!!
    cuidados simples e que nos livram de problemas futuros!
    Amo o Blog de vocês....obrigada!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Dolly, em nome da nossa equipe pelo seu carinhoso incentivo ao nosso trabalho voluntário no blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  3. Adorei as dicas. Sou super alérgica e tenho que ler todos os rótulos antes de usar qualquer produto. No entanto na maioria das vezes as substâncias vêm com nome em inglês e ai tenho dificuldade pra identificar o que é.

    ResponderExcluir
  4. Beatriz: obrigado por seu depoimento. Esperamos que as empresas de cosméticos compreendam a importância de informar de forma completa em seus rótulos para segurança das pessoas que são alérgicas. Gratos pela visita ao nosso blog.

    ResponderExcluir
  5. ola descobri que sou alergica ao sulfato de niquel. vcs sabe me informar se essas substancias esta presente em spray fixador de cabelo e maquiagem?e as tintas de cabelo,sera que é melhor usar a rena ejipicia?obrigada

    ResponderExcluir
  6. A henna é uma opção para alérgicos à tinturas de cabelo. Contudo, embora não seja frequente, também pode provocar alergia. Por isso, o ideal é pedir a orientação do seu alergista. Não há como saber se um produto contém sulfato de níquel. Por isso, antes de usar qualquer cosmético, leia o rótulo. Prefira produtos hipoalergênicos. Gratos pela visita.

    ResponderExcluir
  7. Acabo de descobrir que sou alérgica a sulfato de niquel e cloreto de cobalto, e me lembro que ha muito tempo atras fiz uma daquelas tatuagens de henna e ela descoloriu minha pele encheu de bolhas vermelhas e nao saiu a tinta preta, minha pele ficou manchada por uns seis meses, e depois ebranquicada no local onde tinha a tinta preta. Foi horrível, nunca mais fiz essas tatuagens

    ResponderExcluir
  8. Hat: tatuagens de henna parecem inofensivas mas podem causar alergia e outros danos à saúde. Convido que leia: http://blogdalergia.blogspot.com/2008/06/tatuagens-de-henna-podem-causar-alergia.html

    Obrigado pela visita ao nosso blog.

    ResponderExcluir
  9. katia fonseca campos14/3/15 17:00

    Obrigada pelas informações. Estou perdidinha.Os perfumes tem também o cobalto? ? obrigada

    ResponderExcluir
  10. Olá Katia, boa tarde. O cobalto não é um contactante comum em perfumes, porém você deve sempre estar atenta aos rótulos de todos os produtos que for usar em contato com seu corpo. Em caso de dúvidas, procure seu (sua) alergista. Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  11. Boa noite! Descobri que tenho alergia a sulfato de níquel +++. O médico apenas me falou pra evitar contato com metal. Mas devo ter mais álbum cuidado? Tintura de cabelo e esmaltes?? Alimentos??

    ResponderExcluir
  12. Daniele: sulfato de níquel é um metal branco, sendo o alérgeno mais comum das jóias de fantasia (bijuterias), embora não seja o único. Nem todo metal contém níquel, o aço inoxidável tem níquel, mas que este é tão firmemente ligado que raramente causa alergia. Alguns cosméticos, como sombras, lápis para os olhos e tintura para cabelos, podem ter contaminação pelo níquel. É preciso ler os rótulos antes de usar. A maioria dos cosméticos modernos está retirando o níquel de suas fórmulas É verdade que alguns alimentos contém níquel. Mas nem todas as pessoas com teste positivo ao sulfato de níquel precisam fazer dieta alimentar. O(a) alergista deverá avaliar e definir cada caso. Gratos pela visita ao blog da alergia.

    ResponderExcluir
  13. Sou alérgica a tudo isto e mais...
    Sinto bem com produtos de pH
    neutro

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde, descobri recentemente que sou alergica ao sulfato de níquel gostaria de saber se nos produtos de selagem capilar tbm existem a presença de níquel?

    ResponderExcluir
  15. Não há como responder sua pergunta sem ter acesso à formulação produtos são utilizados neste procedimento capilar. Aconselho que obtenha o rótulo e verifique se existe referência da presença de níquel na fórmula. Gratos por sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…