Pular para o conteúdo principal

Alérgeno do ano de 2011


No dia 3 de fevereiro realizou-se em New Orleans o 22º Encontro Anual da ACDS (American Contact Dermatitis Society)  e, como é habitual, na ocasião do evento foi escolhido o Alérgeno do ano de 2011: dimetil fumarato (DMF) - uma substância volátil usada como fungicida em móveis, roupas e sapatos.

Alérgeno é toda substância de origem natural (ambiental, alimentar) capaz de provocar uma reação alérgica em um órgão sensível, como por exemplo, na pele.

A ACDS estuda as alergias de contato e com esta eleição anual quer chamar a atenção para as substâncias que causam alergia cutânea de contato, que são escolhidas pela freqüência do aparecimento ou mesmo para destacar as menos conhecidas e assim incentivar a prevenção.

DMF é usado como conservante para combater fungos em sofás, sapatos, roupas e causou inúmeros casos de alergia na Europa, a partir de 2007. No Brasil e nos EUA, não foram detectados casos em número significativo.

Os casos de dermatite grave foram relatados na Espanha, Suécia, Inglaterra e outros países da Europa. No início não foi prontamente diagnosticada. Surgia como uma erupção cutânea grave, predominante na parte posterior das pernas, nádegas e nas costas. Com o passar do tempo, descobriu-se um elo comum - cada paciente havia adquirido recentemente um móvel de origem chinesa. Por isso, foi chamada de "dermatite do sofá." Mas, não havia nenhum produto químico comum ou tecido nos sofás examinados que pudesse justificar a alergia. Pesquisadores da Universidade de Malmo, na Suécia finalmente, identificaram o culpado: Dimetil Fumarato (DMF), um fungicida usado em pequenos pacotes para combater mofo e umidade.

DMF é volátil e seus vapores causam a dermatite de contato pois permanecem nos sofás, roupas, calçados e produtos durante o transporte. Mesmo níveis muito baixos de exposição podem desencadear uma grave reação cutânea.

As alergias de contato resultam da participação de células e não tem a participação da IgE (imunoglobulina E) e por isso provocam eczema mas não são capazes de provocar reações anafiláticas.

A eleição do alérgeno do ano é importante para chamar a atenção do perigo destas substâncias e para estimular medidas preventivas. Um caso índice é o Timerosal, eleito alérgeno do ano em 2002 e que hoje quase não é encontrado, pois a substância foi removida de muitos produtos, como por exemplo, do Merthiolato®, que foi obrigado a modificar sua fórmula para minimizar o numero de casos ocorridos com esta substância.

Em 2010, o alérgeno do ano foi a Neomicina, antibiótico amplamente usado em cremes, pomadas e muitas vezes utilizado sem orientação ou prescrição médica. Os membros da ADC adiantam que para 2012, estão entre os mais votados: acrilatos e metacrilatos, polímeros usados em próteses, produtos odontológicos, entre outros. 

Fontes: 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.