Pular para o conteúdo principal

I Encontro de portadores de Angioedema Hereditário

A Associação Brasileira de Alergia no Rio de Janeiro - ASBAI-RJ realizou em sua sede o I Encontro de Portadores de Angioedema Hereditário, uma iniciativa conjunta com a Abranghe, com objetivo de promover a troca de informações e buscar soluções para a doença. O angioedema hereditário faz parte do grupo de doenças raras, mas os dados atuais contestam esta classificação: sua prevalência é significativa, uma em cada 33.000 pessoas. E talvez seja mais do que isso, pois muitas vezes demora-se para diagnosticar e tratar por falta de reconhecimento da doença entre médicos e leigos. 

O angioedema hereditário, como o nome diz, é de origem genética, ou seja a pessoa herda de sua família. Acompanha de inchaços na pele, podendo surgir na face, mão, pés, órgãos genitais, entre outros locais do corpo. O problema é que estes inchaços também podem ser internos, atingindo intestinos, pulmões, laringe e causar complicações, podendo até mesmo levar à morte. Uma grande dificuldade é que, se o diagnóstico não for feito e a doença não for reconhecida,  os sintomas podem ser confundidos, levando a tratamentos inadequados e até a cirurgias desnecessárias, agravando o sofrimento.  Por isso, é muito importante difundir informações claras e corretas, diminuindo a insegurança e os equívocos nos diagnosticos.  Angioedema hereditãrio ainda não tem cura, mas hoje existem tratamentos seguros, permitindo o controle da doença e porporcionando uma melhor qualidade de vida ao seu portador.

A criação de uma Associação de Portadores de Angioedema hereditário é fundamental para cadastrar e representar os interesses dos portadores, divulgar informações, buscar um melhor acesso ao diagnóstico e aos medicamentos, conscientizando médicos e leigos nesta luta em comum.

A Clínica de Alergia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro é um dos centros de referência para tratamento desta doença no Rio de Janeiro.  A ASBAI RJ disponibiliza em seu site um Setor de Utilidade Pública uma listagem dos Centros de Atendimento em Alergia no Estado do Rio de Janeiro. As pessoas que moram em outras localidades brasileiras cevem buscar informações junto à ASBAI nacional e à Abranghe. 

Em suma, qualquer pessoa que precise de orientação ou de informação, pode contactar a Abranghe em São Paulo, pelo telefone (011) 2063-9937 ou pelo e-mail: 
abranghe@gmail.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano. Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico. Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madei

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert. Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa. É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça Quadro c

Disidrose (eczema disidrótico)

A disidrose é um eczema localizado em mãos e pés, ocorrendo em surtos alternados a períodos sem sintomas. A palavra disidrose (dis=defeito e hidrose=produção de água ou suor) foi usada pela primeira vez em 1873, porque na época acreditava-se que a doença era causada por distúrbios sudoríparos. Já em 1876, alguns estudos atribuíram a doença a fatores nervosos e modificaram o nome para Phompholix. Atualmente a disidrose é considerada uma reação eczematizada. Assume características peculiares por atingir mãos e pés, onde a pele tem características especiais, sendo mais espessada. O líquido presente nas lesões resulta de processo inflamatório. A alteração do suor, embora não seja fator causal, é um importante agravante das lesões. Verifica-se também que outros fatores, como alterações climáticas e estresse emocional constituem significativos fenômenos desencadeantes. Por isso, alguns autores preferem utilizar o termo Eczema Disidrótico. Como se manifesta: Na disidrose, surge primeiro o