02 novembro 2010

Asmático que conhece sua doença controla melhor o problema - pesquisa da USP

Pacientes com asma que sabem mais sobre a doença, os sintomas e os remédios conseguem ter um controle mais eficaz da asma e, como consequência, melhor qualidade de vida


A fisioterapeuta Luciene Angelini diz que “conhecer a doença é fundamental no tratamento”. Ela conta que a implantação de um programa de educação que enfatize a participação do paciente no monitoramento da doença e no ajuste da medicação, associado a visitas médicas regulares, tem um impacto positivo no controle clínico de asmáticos. A educação em saúde é um tratamento não medicamentoso que deve ser recomendado e incentivado no manejo das doenças crônicas.


Em um estudo produzido na Faculdade de Medicina da USP, Luciene trabalhou com três grupos de pacientes. O primeiro não foi submetido ao programa educativo, enquanto o segundo recebeu aulas para entender melhor a técnica inalatória, o que é a doença e seus sintomas, o que pode agravá-la e a diferença entre os tipos de medicação. O terceiro grupo, além das aulas, fez um monitoramento próprio da doença, por meio de um diário de sintomas. Os pacientes que receberam as aulas educativas aumentaram o conhecimento sobre a asma e sobre a técnica inalatória em 100% e os pacientes que também realizaram o próprio monitoramento da doença atingiram quase 50% no controle da asma, ou seja, tiveram os sintomas, como falta de ar, chiado no peito, tosse e sensação de aperto no peito, reduzidos.
– Eles passaram a faltar menos na escola e no trabalho, reduziram o uso de corticoide oral e de medicação de resgate, bem como o número de idas ao serviço de emergência, internações e admissão hospitalar. Os sintomas de ansiedade também diminuíram. Tudo leva a uma melhora da qualidade de vida. 


A asma é uma doença inflamatória de duração prolongada (crônica) e caracterizada pelo estreitamento generalizado dos brônquios (tubos que levam o ar aos pulmões). Pode ser desencadeada por fatores alérgicos, irritantes, infecções por vírus e até fatores emocionais. É mais comum em crianças e adolescentes, mas também afeta adultos. Até o momento, a asma não tem cura, mas pode ser controlada, permitindo uma vida normal ao seu portador.  


O tratamento da asma segue algumas diretrizes: 
1) Controle da doença, 
2) Higiene do ambiente: controlar a poeira no domicílio, limpar a casa com pano úmido, sem levantar poeira com espanador ou vassoura, evitar odores fortes e fumaça de cigarro são essenciais para a saúde do asmático. 
3)Terapia com remédios para combater as crises. Entre os medicamentos mais indicados, estão os broncodilatadores de ação imediata. Recomendados para o tratamento da crise aguda de asma, eles podem ser utilizados na forma inalatória sob a forma de spray (“bombinhas”) ou via nebulização. 
4) Terapia com remédios controladores para uso diário, mesmo que esteja bem, para combater a inflamação e evitar crises.
5) Imunoterapia (vacina para alergia) é um tratamento essencial para os casos de asma alérgica. 


Em resumo: para tratar asma, não basta tomar remédios.

Fonte: R7 notícias

1 Dê sua opinião:

Clínica de Alergia - Policlínica Geral do Rio de Janeiro disse...

Existem diversos tipos de medicamentos para controle da asma. O médico escolherá de acordo com a análise clínica de cada paciente. Publicamos um texto sobre o tema em 2006 e convido que leia no link: http://blogdalergia.blogspot.com/2006/12/atualmente-existem-dois-principais.html
Aproveito para lembrar que o controle da asma não depende só de remédios mas também no controle de fatores agravantes, que variam em cada pessoa. Por isso, é muito importante que mantenha acompanhamento com especialista, mesmo que esteja bem e sem crises. Agradecemos sua participação em nosso blog.

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".