Pular para o conteúdo principal

Asma e Rinite



Ou... 
1 elefante incomoda muita gente, 2 elefantes incomodam muito mais!


Se uma pessoa tem asma, ou se tem rinite, já é bem chato. Mas, se as duas doenças ocorrem juntas, o que não é raro, tudo pode se complicar. Porque isto acontece?
1: Nariz e pulmões pertencem ao mesmo aparelho respiratório, numa mesma pessoa. É errado raciocinar como se fossem estruturas separadas. Na realidade, o aparelho respiratório é único: começa no nariz e termina nos alvéolos pulmonares, em total sincronia: VIAS AÉREAS UNIDAS ou, como dizem os americanos: “UNITED AIRWAYS”.
2: O trabalho respiratório é integrado. Ao inspirar, o nariz recebe o ar e imediatamente começa o processo da respiração. Este ar será aquecido, filtrado, umedecido, condicionado e limpo, proporcionando melhores condições para que a respiração pulmonar se realize adequadamente. Ou seja, o nariz é o primeiro passo da respiração. Protege o organismo contra o ingresso de microrganismos presentes no ar que respiramos, retém as impurezas, regula a temperatura e a umidade do ar que passa em direção aos pulmões.
3: O ar continua seu caminho em direção aos brônquios, por onde entra nos pulmões e daí percorrerá um caminho até os alvéolos onde ocorrerá a troca do oxigênio (O2) pelo gás carbônico (CO2) que será exalado.
Traduzindo: ninguém respira só com o nariz ou só com os pulmões! Simples assim... Mas na prática não é tão simples: somos capazes de permanecer dias, meses e até anos com as narinas entupidas, espirrando e muitas vezes, sem tratamento. Com o passar do tempo, certamente o pulmão também sofrerá.


Rinite é grave?
As pessoas têm mais medo da asma do que da rinite, que é considerada uma doença de menor importância. A rinite não é uma doença grave. Porém, como diz o ditado popular, a rinite não mata, mas...maltrata!
A inflamação repetida da mucosa nasal na Rinite Alérgica pode resultar em acometimento os olhos, ouvidos, seios da face, amígdalas, faringe e pulmões. E, da rinite, vem a “TUDITE”: sinusite, otite, amigdalite, conjuntivite, piora da asma (ou bronquite), etc... E forma-se o problema: a pessoa, seja criança ou adulto, passa a ficar permanentemente com algum problema: tosse, catarro, mal estar, respiração bucal, entre outros.


Rinite e asma: doenças interligadas


Os estudos mostram que cerca de 80% das pessoas que têm asma, têm também a rinite alérgica. O contrário não é tão alto, mas também é expressivo: cerca de 40% das pessoas que têm rinite, têm também a asma. E esta associação não é inerte: as duas doenças interagem.
A presença dos sintomas nasais, em especial da obstrução do nariz, leva ao agravamento da asma, piora das crises, maior gasto com remédios, maior sofrimento às pessoas.


Lembro que: asma, bronquite asmática, bronquite alérgica ou simplesmente bronquite, são nomes usados para uma mesma doença.


A rinite alérgica pode “virar” uma asma?
De certo modo, sim. Nem todo mundo que tem rinite terá obrigatoriamente asma. Mas, as pessoas portadoras de rinite (crianças ou adultos) têm alto risco de evoluir com surgimento de asma.
O inicio da asma pode passar despercebido, surgindo como uma tosse insistente, quando ri, brinca, ao fazer esforços ou durante a noite.


Numa pessoa que tenha as duas doenças, tratar a rinite melhora a asma?
Sim. É provado que quanto pior estiver a rinite, pior será o comportamento pulmonar. E, o contrário: tratar a rinite leva a uma grande melhora da asma.


Concluindo: embora o nariz e os brônquios tenham funções diferentes, compõem a mesma via respiratória, ou seja, um caminho único e revestido por um mesmo tipo de mucosa. Por isso, é necessário tratar da rinite para se conseguir sucesso no controle da asma.


As vias respiratórias são unidas: do nariz até os pulmões!
Não adianta tratar só a asma sem tratar a rinite e vice versa.

Comentários

  1. Muito bom artigo. Leve, descontraído e objetivo!

    Adoro o trabalho de vocês!

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, André - em nome da equipe do Blog da Alergia. Volte sempre. Um abração!

    ResponderExcluir
  3. como a asma evolue na pessooa ???

    ResponderExcluir
  4. a asma pode se manifestar de formas bem diferentes, ora mais leve, ora mais grave. Convido que leia: http://blogdalergia.blogspot.com.br/2011/08/asma-bronquite-alergica-bronquite.html Agradecemos sua visita ao nosso blog

    ResponderExcluir
  5. a crise da asma pode ficar persistir 4 semanas mesmo tomando
    os medicamentos.

    ResponderExcluir
  6. O tempo de duração de uma crise de asma depende: 1) do tipo da crise 2) da gravidade 3) da condição de saúde do paciente 4) dos tipos dos remédios utilizados no tratamento Gratos por sua visita.

    ResponderExcluir
  7. Boa Tarde pessoal ! Tenho Tudo isso e se bobiar mais um pouquinho.. rs.. sinusite, rinite, asma, bronquite.
    Sofro muito por que os sintomas não me deixam principalmente em dias secos e com a mudança de clima, é raro um dia que eu esteja bem sem sentir uma dor de cabeça, uma chieira, falta de ar ou um incomodo no nariz. Sempre que vem as crises vou ao médico faço o tratamento mas esses sintomas nunca me largam..
    Gostaria de saber se tem alguma coisa que posso fazer no dia-a-dia para amenizar esses sintomas?! pois é muito ruim... muito mesmo!

    ResponderExcluir
  8. O tratamento para as doenças alérgicas de origem respiratória passam por 3 etapas, controle ambiental, medicações inalatórias (preventivas) e imunoterapia.

    ResponderExcluir
  9. eu tenho rinite alergica e dificuldade de respira eu tosso muito perto de poeira e passa muito carro na minha rua e e feita de terra rua de terra os carros passam rapido e sobe aquela poeira que me faz tossir quais sao as chances de eu ter asma ???

    ResponderExcluir
  10. O parecer que solicita não pode ser emitido pela internet, sem examinar de forma criteriosa e pessoalmente. Mas, pode-se afirmar que: 1) Nem todas as pessoas que têm rinite terão também com asma. 2) Quanto melhor sua rinite estiver controlada, menor a chance de ter asma no futuro. Sugiro que entre em contato com seu alergista e peça que oriente seu caso. Gratos pela visita.

    ResponderExcluir
  11. Fui diagnosticado com asma e rinite! E consigo administrar! Na infância meu médico sugeriu não retirar as amígdalas como forma de proteção! Contudo hoje estou em um dilema pois minha filha se apresenta com as mesmas características. Será que devo tomar a mesma postura de não tirar ou devemos retirar a amígdala dela enquanto criança?

    ResponderExcluir
  12. A decisão de retirar ou não as amígdalas não é padronizada, uma vez que depende das características clínicas de cada criança. Mas, vale ressaltar que a cirurgia por si só não resolverá se a criança for alérgica e a alergia não for adequadamente tratada. Convido que escreva para nosso e-mail (blogdalergia@gmail.com) e enviaremos para você uma cópia em PDF do livro: “Alergia, doença do século XXI”. Gratos pela sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  13. MINHA FILHA TEM UMA TOSSE PERSISTENTE E FOI CONSTATADO RINITE ASMATICA ELA SO TEM DOIS ANOS E OITO MESES . NÃO SEI MAIS O QUE FAZER ELA FAZ USO DO DESALEX, NOTUSS, ALEGRA E UM PO QUE COLOCA NO MINGAU QUE ESQUECI O NOME. mE AJUDEM POR FAVOR

    ResponderExcluir
  14. A tosse que acompanha a rinite alérgica é causada pelo gotejamento de secreção do nariz para a garganta, irritando os receptores ali situados.
    Este tipo de tosse pode ser reconhecido pela presença de sintomas nasais como espirros, coriza hialina ou mucosa, prurido nasal, ocular, coceira no palato, pigarro, além de história familiar e pessoal atópica. Uma característica importante é que a tosse causada pela rinossinusite piora à noite ou quando a criaança se deita. Convido que escreva para nosso e-mail (blogdalergia@gmail.com) e enviaremos para você uma cópia em PDF do livro sobre a Rinite alérgica intitulado: “É mais feliz quem respira pelo nariz”. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  15. Tenho rinite alérgica crônica sinusite crônica asma e descobri que tou com otite tive uma pneumonia a 4 meses a médica auscultou os meus pulmões e estou com secreção posso corre risco de ter pneumonia denovo

    ResponderExcluir
  16. Gyslaine Boa noite. Nem toda secreção audível na ausculta pulmonar significa que seja pneumonia. Sugiro que exponha seu temor à médica para que seja orientada de forma adequada. Gratos pela visita.

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde,há alguns meses fui ao Otorrinolaringologista pois sempre fico com falta de ar,qualquer esforço mínimo que seja! O resultado foi desvio septal grau 3 na narina esquerda, o médico disse que preciso de uma cirurgia. Fui a alergista ela disse que tenho rinite fiz o raio X e acusou isso mais cornetos inferiores hipertrofiados. Mas meu cansaço e constante, eu sempre achei que tivesse asma mas a médica disse que não. Qual o exame que posso fazer Pará saber se tenho ou não as à? Obrigada.

    ResponderExcluir
  18. Vanessa: o diagnóstico de asma é clínico, ou seja, se baseia na avaliação clínica feita pelo médico. A prova respiratória pode ser valiosa no auxílio diagnóstico. Gratos por sua visita

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.