Pular para o conteúdo principal

Asma na escola



A escola, nos dias atuais, pode ser considerada como uma extensão do lar, já que por motivos diversos a criança inicia sua vida escolar cada vez mais cedo, lá passando grande parte do seu dia. É na escola que a criança se sociabiliza através do relacionamento com os professores e colegas.


A asma, da mesma maneira que outras doenças infantis, é capaz de afetar a criança não apenas em casa, mas também no ambiente escolar, podendo provocar reflexos na sua relação com os colegas e professores. A equipe escolar por sua vez, nem sempre está preparada para lidar com essas situações, o que pode resultar em problemas na relação com o aluno.


É fundamental que pais e professores estejam atentos e orientados corretamente sobre a asma para que a criança não enxergue a doença como um problema a ser superado em sua iniciação social e para que se possa obter uma melhor qualidade de vida ao asmático.


O papel da escola


A integração entre a escola , a família e o aluno portador de asma é importante:
- É preciso estabelecer um diálogo com a família e o médico para que seja possível colocar em prática os cuidados necessários
- O aluno asmático não pode ser visto como "diferente", nem necessita mimos especiais: as situações específicas deverão ser discutidas com a família
- No ato da matrícula, deverá ser feita uma ficha com os dados complementares da criança
- A escola não pode substituir o papel da família no tratamento da asma, mas é preciso que a equipe escolar tenha conhecimento correto do problema para que possa atuar em sintonia com a família: a falta do conhecimento sobre os sintomas pode levar ao não reconhecimento de uma crise e provocar situações conflitantes.


Como atuar no caso de uma crise no horário escolar:


- Levar o aluno para um lugar calmo, e procurar tranquilizá-lo.
- Se possível, inicie uma medicação, que pode ser uma nebulização ou aerossol com espaçador em dose previamente orientado pelo médico.
- Averiguar se houve algum motivo para a crise e afastá-lo, se possível.
- Se a escola puder dispor de um aparelho portátil para medida do sopro ("Peak Flow") pode ser de grande ajuda na avaliação da intensidade da crise.
- Entrar em contato com a família do aluno para comunicar a situação e receber novas instruções.


Aulas de educação física


A participação nas aulas de educação física e nas atividades esportivas é de grande importância para a integração da criança e do adolescente em seu meio. Se a asma está bem controlada, a criança pode perfeitamente participar das atividades de educação física. Uma parcela de asmáticos apresenta a chamada asma causada pelo exercício físico. Nesses casos, pode ocorrer uma crise provocada por determinados tipos de exercícios físicos. Em alguns casos, será necessário o uso de uma medicação antes de realizá-los, desde que isto não se transforme em uma situação embaraçosa para a criança. Em outros, pode-se escolher uma modalidade esportiva ao qual a criança se adapte melhor.
A natação é um exercício físico geralmente bem tolerado pelo adolescente asmático enquanto a corrida extenuante pode levar ao broncoespasmo por exercício. Recomenda-se que cada caso seja resolvido individualmente, de acordo com as necessidades de cada criança.


Cuidados ambientais na escola:


- A limpeza das dependências da escola deve ser feita fora do horário de aulas, na ausência dos alunos.
- Obras, pinturas, detetizações devem ser programadas para o período de férias.
- A sala de aula deve ser bem ventilada.
- O fumo não deve ser permitido nas dependências da escola
- Na criança pré escolar e nas aulas de artes, deverá ser dada preferência pela utilização de tintas e substâncias com pouco odor,
- Evitar uso de cortinas nas salas de aula e, se necessárias, lavá-las periodicamente
- Ventiladores deverão ser limpos diariamente com pano úmido
- Usar quadro branco. Caso use giz, a limpeza deve ser feita utilizando-se pano úmido.

Comentários

  1. um post muito interessante.
    Gostei muito.
    Bjinhos, RS.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Rosa. O tema é importante pois atinge qualquer idade.Abraços. Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  3. Olá meu nome é Ângela e vim dizer que o blog está maravilhoso, estou amando tudo o que estou vendo sobre ASMA , é um assunto que está em alguns de meus estudos nos ultimos dias e estou gostando, acabei de achar blog e sempre que puder estarei vindo até aqui para mais uma pesquisada. Parabêns pelo trabalho de todos vocês. Acredito que é de grande ajuda para muitas pessoas que não entendem muito bem do assunto.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Ângela. Suas palavras são um estímulo ao nosso trabalho voluntário no Blog da Alergia.
    Aproveitamos para convidá-la a assinar nosso blog, passando a receber nossos textos diretamente em seu e-mail.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo9/8/12 18:40

    adorei tudo o que li.
    aprendi mais sobre asma. minha filha tem e faz uso de sabultamol para prevenir e tambem nas crises. e sempre bom saber mais sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo9/8/12 18:44

    foi muito bom ler e saber mais sobre asma. adorei as publicaçoes!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pela visita e pelo incentivo ao nosso trabalho voluntário.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo1/8/17 18:06

    Oi eu gosto de uma garoto com asma se eu falar que eu gosto dele pode desencadear a asma

    ResponderExcluir
  9. O fato de dizer ao seu amigo que gosta dele não é considerado como causador de crise de asma. Convido que escreva para nosso e-mail e encaminho para você a cópia em PDF sobre a asma. Gratos por sua visita

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano. Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico. Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madei

Dermografismo

A bolsa pesada marca o seu braço? A roupa apertada, a alça do soutien, o elástico da roupa faz você coçar e empolar? Atenção: pode ser dermografismo! Dermografismo é uma doença da pele que afeta cerca de 5% da população e que se caracteriza pelo aparecimento de coceira intensa em locais de pressão. Após o ato de coçar surgem “lanhos” vermelhos nas pele. É uma forma de urticária, sendo também chamado de urticária factícia ou urticária falsa.A urticária clássica se caracteriza pelo surgimento de placas avermelhadas que se acompanham de coceira na pele, podendo ter causas variadas, como medicamentos, alimentos, certas doenças, entre outras causas – veja post sobre o tema neste mesmo Blog. No caso do dermografismo, após pressão sobre um determinado local no corpo, a coceira surge em primeiro lugar e só depois de se coçar é que surgem as placas. Por isso, é comum que se inicie em locais onde a roupa aperta, elásticos, alça do soutien. O dermografismo faz parte de um grupo de urticárias deno

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert. Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa. É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça Quadro c