Pular para o conteúdo principal

Limpeza de ar-condicionado e ventilação garantem a saúde na empresa


Boa parte das doenças respiratórias ocupacionais pode ser prevenida, afirmam os médicos. Medidas simples podem ser oferecidas, como orientar os funcionários a tomar a vacina contra a gripe A e a consultar o médico da companhia em caso de sintomas de doenças respiratórias.

Há casos em que a empresa deve intervir diretamente - como em ambientes fechados, nos quais a possibilidade de troca e renovação do ar é menor. O acúmulo de poluentes pode desencadear sintomas alérgicos respiratórios, dependendo da sensibilidade do profissional, explica a médica alergista Fátima Emerson. 
 
A resolução nº 176 da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) estabelece padrões de qualidade do ar que devem ser seguidos em locais de uso público e coletivo climatizados artificialmente.

A Chemtech, empresa de prestação de serviços em engenharia e tecnologia da informação, por exemplo, faz a limpeza do duto do ar-condicionado e o tratamento da água usada neste processo semestralmente. "Nunca identificamos nenhum caso de doença respiratória aqui", diz Leonardo Mendes, coordenador do Departamento de Segurança, Meio Ambiente e Saúde da empresa.

No caso de indústrias que utilizem produtos químicos que podem causar irritação, a área de produção precisa ser projetada com ampla ventilação, sinaliza Eduado Algranti, médico da Fundacentro (Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho). O layout do parque gráfico foi um dos investimentos da gráfica Mattavelli. A empresa, que utiliza tintas atóxicas, feitas com óleo de soja, projetou um espaço para facilitar a ventilação do ambiente.
Fonte: Folha de S Paulo

Comentários

  1. Pois eu estou com uma tosse horrível há 1 semana e dor de garganta e ouvidos devido ao ar condicionado do meu trabalho. E é uma instituição de saúde. Vejam só !

    ResponderExcluir
  2. O ar refrigerado não é a causa única dos sintomas, mas pode atuar como agravante do problema. Aconselho que procure um alergista para orientar seu tratamento de forma adequada para que possa conviver de forma saudável no ambiente refrigerado do seu trabalho. Agradecemos sua visita ao nosso blog.

    ResponderExcluir
  3. boa tarde !!! Ao fazer tratamento para alergia via sub lingual(1º fase), tem algum problema em ingerir bebida alcoolica????

    ResponderExcluir
  4. Hugo Bom dia A ingestão moderada de bebida alcoólica não interfere com o efeito da imunoterapia sublingual. Recomenda-se que não seja feita de forma simultânea. Gratos por sua participação no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.