Pular para o conteúdo principal

Vacina Influenza H1 N1

Temos recebido muitos e-mails solicitando informações ou questionando a vacina anti influenza H1N1. Alguns, ressaltam a possibilidade de provocar o aparecimento da Síndrome de Guillain-Barré, que afeta nervos responsáveis pela função motora, impedindo a locomoção. Outros, afirmam que a vacina conteria substâncias perigosas que poderiam causar danos, incluindo câncer. Questiona-se ainda a política de lucro da indústria produtora de vacinas.

A história da medicina e da humanidade é rica em exemplos de movimentos anti-vacinas, envolvendo médicos, profissionais de saúde, grupos religiosos,praticantes de medicina alternativa, entre outros. Mas, a imunização ainda é uma das maiores intervenções da saúde pública para prevenir doenças e óbitos, principalmente em crianças. Grandes exemplos foram a erradicação da varíola e da poliomielite em grande parte do mundo.

A vacina tríplice bacteriana (tétano, difteria e coqueluche) foi muito combatida e só passou a ser aceita após ocorrência de epidemias e mortes. Em 1997, a vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e cachumba) foi acusada de provocar autismo, com queda nas aplicações e aumento de casos graves de sarampo.

Hoje, os ataques se dirigem à vacinação contra influenza H1N1.

Não temos a pretensão de emitir um parecer científico, mas queremos fazer sim, algumas considerações: efeito colateral toda vacina pode ter. Mas a doença também tem "efeitos colaterais graves". É fato de que esta “nova gripe” não é equivalente à gripe comum. A experiência da pandemia anterior mostrou claramente a gravidade do comprometimento pulmonar, acometendo crianças, adultos jovens, gestantes, com alto índice de hospitalizações, casos graves e mortes.

A sociedade não pode se deixar levar por opiniões inconsistentes e deve procurar informações junto a instituições confiáveis, como a Organização Mundial de Saúde, Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e Municipais, Associações Médicas, em cada localidade.

Cada pessoa é livre para decidir se tomará ou não a vacina. A opinião dos médicos que compõem este Blog é que a gripe A (H1N1) merece ser prevenida, tanto pela adoção das medidas profiláticas como pela imunização (vacinação).


Comentários

  1. Caro blogueiro,

    A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza H1N1 já começou. Vamos vacinar trabalhadores de saúde, população indígena, doentes crônicos, jovens saudáveis de 20 a 39 anos, além de crianças maiores de seis meses a menores de dois anos. Precisamos vacinar 91 milhões de pessoas e, para isso, contamos com a sua ajuda. Preparamos diversos materiais que podem ser usados em seu blog para ajudar o Brasil nessa tarefa tão importante.
    Para mais informações sobre como se tornar um parceiro, escreva parafernanda.scavacini@saude.gov.br.

    Atenciosamente,
    Ministério da Saúde

    ResponderExcluir
  2. Ana Paula22/3/10 21:04

    Olá
    Tenho alergia a esmalte, e só posso passar esmaltes que não tenham toluol e formoldeído. Na composição da vacina contra a gripe A consta formoldeído. Sou gestante e gostaria de saber qual a recomendação: devo ou não tomar a vacina?

    ResponderExcluir
  3. Ana Paula: a alergia ao esmalte resulta de uma reação de contato, com mecanismo específico à base de células denominadas linfócitos. No caso da vacina, o mecanismo imunológico é diferente. Peça orientação do seu alergista pois ele conhece detalhes do seu caso e poderá orientar de forma mais adequada. Agradecemos sua visita.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite caríssimos do blog!

    Estou realmente pensando(decidindo) se irei ou não tomar a vacina H1N1,pois aqui na minha comunidade (psf) muitas pessoas vacinadas tiveram fortes reações, chegando mesmo a serem socorridas.
    Estou num dilema.

    ResponderExcluir
  5. A decisão de tomar a vacina deve ser tomada em conjunto com seu médico.Reações adversas existem, mas até na grande maioria foram registrados casos de reações leves e de resolução rápida. Agradecemos sua visita e convidamos que volte sempre ao nosso blog.

    ResponderExcluir
  6. EU SOU JUCIMARE MENDES A MINHA TIA TEM REUMATISMO PODE ELA TOMAR A VACINA H1N1.
    A VACINA E UM VIRUS VIVO OU MORTO.PAI PEDRO MG

    ResponderExcluir
  7. Jucimare: O parecer que solicita não pode ser emitido através de aconselhamento por e-mail. O fato de ter reumatismo não impede a vacina H1N1, mas para indicar, é essencial conhecer s dados clínicos de sua tia de forma minuciosa. Aconselho que peça esta orientação ao médico que a acompanha e trata dela. Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  8. JUCIMARE
    EU TENHO UM FILHO DE CINCO ANOS E OUTRO DE 2MESES E MEIO.PORQUE ELES NAO TOMAM E O QUE DEVO FAZER.AINDA VIRA VACINAS PARA ELES

    ResponderExcluir
  9. Jucimare: crianças portadoras de doenças crônicas poderão ser vacinadas. Sugiro que peça ao médico que trata dos seus filhos uma declaração que permita a vacinação H1N1. Agradecemos sua visita.

    ResponderExcluir
  10. Boa noite, tenho uma filha de 3 anos e ela ñ esta enquadrada no governo pra tomar a vacina h1n1, mas mesmo assim gostaria de imunizá-la, mas estou em dúvida ,ela tem alergia da vacina triplice e queria saber se ela pode tomar essa vacina h1n1.Por favor me respondam, obrigada.

    ResponderExcluir
  11. Peço sua compreensão, mas a orientação que deseja não pode ser emitida baseado apenas em seu breve relato e sem uma avaliação pessoal.Aconselho que leve sua filha a um alergista antes de aplicar a vacina H1N1, Obrigado pela sua visita.

    ResponderExcluir
  12. meu filho de 35 meses tomou uma dose de 0,5mlg da vacina no dia 23-04 e no dia 25-04 acordou vomitando e tremendo um pouco,mas sem febre levei no posto de saúde lá ele desmaiou e teve convulsão,como saber se foi pela vacina?ou se foi alergia a algum componente da fórmula?

    ResponderExcluir
  13. Infelizmente, não é possível esclarecer sua dúvida através da internet, pois é necessária uma consulta médica. Recomendo que leve seu filho a um médico alergista para o esclarecimento diagnóstico da manifestação que apresentou. Obrigado ela visita

    ResponderExcluir
  14. Sou alergica a PENICILINA e seus compostos, fico toda empolada cheia de caroços no corpo que coçam muito, posso tomar a vacina H1N1? pois no posto de saúde eles não souberam me informar, só perguntaram se sou alergica a ovo, coisa que não sou, então não quis arricar e ainda não tomei a vacina, tenho 36 anos e tambem tenho problemas de calculos nos rins, mas nada crônico.

    ResponderExcluir
  15. A alergia a penicilina não contraindica a vacinação H1n1.A alergia a ovo do tipo anafilática é um impedimento ao seu uso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No ano de 2010 tomei a vacina H1N1 e 2 dias após perdi a visão direita,sou alérgica a penicilina...tenho laudos de anos anteriores a 2010 que minha visão era perfeita,até hoje os médicos não descobriram a causa! Obs: Não sou alérgica a ovo.

      Excluir
  16. É VERDADE QUE A VACINA H1 NI QUAUZA O VIRUS DO HIV GOSTARIA DE SABER MAIS SOBRE ISSO .POR GENTILEZA PODE ME ESCLARECER MINHA DUVIDA .TEM MUITO COMENTERIO SOBRE ISSO

    ResponderExcluir
  17. Katia: A nota oficial divulgada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Ministério da Saúde informou que as pessoas que tomaram a vacina H1N1, contra a nova gripe, podem ter resultado positivo para HIV mesmo sem ter o vírus que provoca a Aids. Ou seja, a pessoa faz o teste positivo mas não tem a doença. O próprio Ministro da Saúde fez questão de esclarecer que este problema desaparece com o passar do tempo e que não significa que a pessoa tenha adquirido o vírus da Aids. Para maiores informações recomendo que visite o site do ministério da Saúde: www.vacinacaoinfluenza.com.br Agradecemos sua visita

    ResponderExcluir
  18. Oie eu tomei a vacina 2010,todo ano tenho q toma??

    ResponderExcluir
  19. É ideal que a aplicação da vacina da gripe seja repetida anualmente. Agradecemos sua visita ao nosso blog.

    ResponderExcluir
  20. Lorena: os dados que envia não mostram uma relação de causa - efeito entre a aplicação da vacina e sua alergia a penicilina. Caso more no Rio, a nossa equipe está ao seu dispor para investigar e prestar esclarecimentos. Gratis por sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  21. Letícia5/2/17 06:48

    Obtive uma atrofia no nervo óptico e perdi mais de 70% da visão do olho direito após 2 dias em que "tomei" a vacina em 2010 ou 2011! Até hoje não tenho resultados do motivo pelo qual obtive esta atrofia e até hoje não enchergo do olho direito 😢

    ResponderExcluir
  22. Meu filho tem dermatite atopica ele pode tomar a vacina contra h1n1 ele tem três anos

    ResponderExcluir
  23. Emanuel: o fato de ter dermatite atópica por si só, não impede o uso da vacina para gripe H1N1. Contudo, a liberação para a vacina deve ser feita pelo pediatra que acompanha o tratamento do seu filho, pois é preciso conhecer seus dados clínicos de forma criteriosa. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…