Pular para o conteúdo principal

Lanche na escola

Muitas mães se questionam o melhor tipo de dieta para crianças alérgicas. E, no que se refere à merenda escolar, as dúvidas aumentam: Qual o melhor tipo de lanche? Como escolher? Existe um tipo de lanche específico para as crianças alérgicas? Comprar o lanche na escola ou levar de casa?


Por isso, a equipe do Blog da Alergia reuniu algumas dicas para todos:


-Nem toda criança alérgica precisa de uma dieta especial. E, nos casos de alergia alimentar comprovada, esta orientação deve ser feita individualmente, de acordo com as características de cada criança.


- O ideal é priorizar alimentos saudáveis, naturais, evitando-se ao máximo os produtos industrializados, frituras e com excesso de calorias.


- Escolha os alimentos de acordo com a preferência da criança e procure variar, para não enjoar.


- Faça uma programação para a semana toda, pois assim fica mais fácil e rápido arrumar a lancheira da criança.


- É sempre bom tomar cuidado com alimentos perecíveis.


- Achocolatados são muito apreciados mas devem ser reduzidos, alternando com sucos, sucos de soja, bebidas lácteas.


- Crianças maiores preferem comprar o lanche na escola. Mas, quando elas se acostumam desde cedo, fica mais fácil optar por sucos ao invés de refrigerantes e por salgadinhos assados substituindo as frituras.


PREFERIR:


Pães e torradas
Sanduíche com geléia e queijo branco, peito de peru
Polenghinho
Bolos feitos em casa, de preferência sem calda
Pão de queijo
Biscoitos sem recheio
Barrinha de cereal
Para beber: água de coco, sucos naturas, bebidas lácteas, água fresquinha,


EVITAR:


Refrigerantes
Sucos artificiais
Batata frita
Bicoitos recheados
Pacotes de salgadinhos, cheetos e similares
Balas, chicletes, pirulitos


Colaboradora: nutricionista Marilucia Venda

Comentários

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…