Pular para o conteúdo principal

Café melhora a asma?

Este texto responde a uma dúvida de um internauta.

Esta história é antiga e remonta aos idos de 1700 com William Withering, médico e botânico inglês, continuando por volta de 1860 com Henry Hide Salter, médico e também asmático, que foram os primeiros a afirmar que o café forte estaria indicado no tratamento da crise de asma.

È sabido que nos tempos antigos, quando não estavam disponíveis medicamentos adequados, os asmáticos recorriam por vezes ao café para reduzir os efeitos das crises. Acreditava-se que numa emergência, tomar algumas xícaras de café forte poderia proporcionar alívio.

E por que?

A razão seria porque a cafeína é um componente natural do café e quimicamente semelhante à teofilina, um broncodilatador.

A teofilina é um medicamento sintetizado em 1900, usado no tratamento da asma a partir da década de 40, auxiliando no alívio da falta de ar e dos sintomas das crises.

Entretanto, embora tenha sido bastante utilizado com eficiência por muitos anos, os estudos posteriores evidenciaram uma atuação sujeita a efeitos tóxicos com muita facilidade. A teofilina atua numa faixa estreita de ação (entre 5 e 20 microgramas /ml), sendo este potencial tóxico dependente da dose. O risco é maior nas doses acima de 20 microgramas/ml; sendo ideal que o seu uso seja monitorizado através de dosagens sanguíneas séricas. Além disso, o metabolismo dos medicamentos que contém teofilina sofre a influência de inúmeros fatores (idade, sexo, presença de outras doenças ou de remédios concomitantes, hábitos alimentares, etc), prejudicando o efeito final.

Por tudo isso e aliado ao fato de que surgiram novos remédios com maior capacidade de tratamento e prevenção da asma, o uso destes medicamentos diminuiu significativamente nas ultimas décadas.

E o café?

Quanto ao café, este pode ser um hábito agradável e delicioso para muitas pessoas, mas não dá para afirmar que a asma melhoraria apenas com a sua ingestão. Para isso, seria necessária uma quantidade tão grande que não valeria a pena, já que os efeitos adversos são dose-dependentes.

Comentários

  1. Passei 3 dias internada com infecção respiratória quando recebi alta o médico passou um tratamento de 7 dias com o antibiótico ciproflaxino. Um xarope e uma vitamina. Só que ainda continuo sentindo falta de ar e ainda dói quando respiro. Oque faço?

    ResponderExcluir
  2. A conduta mais adequada é retornar ao seu médico para que seja re-examinada. Assim será possível avaliar a causa do problema. Avaliar pela internet, baseado apenas nos poucos dados enviados pode gerar erro. Agradecemos sua participação no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.