Pular para o conteúdo principal

Temos alergia aos pólens no Brasil?



Chegou a primavera, estação das flores. E, ao primeiro espirro, alguém logo acrescenta: é por conta dos polens! É verdade? Ou mais uma moda importada?

O Brasil é um país muito grande e com amplas variações do clima nas suas diferentes regiões. Os primeiros relatos de alergia aos pólens no Brasil foram feitos na década de 40 pelo professor Ernesto Mendes, mas os estudos tomaram impulso à partir dos anos 80.

A característica desta doença é o fato de ser estacional, ou seja, ocorre no período do ano em que ocorrem polinizações de alguns tipos de plantas. Por isso, tem seu auge entre os meses da primavera, sendo mais prevalente entre Setembro e Dezembro.

Nos Estados Unidos é chamada de “Febre do feno” (“hay fever”). Em muitos países, a polinose é tão comum que a informação sobre contagem de polens é disponibilizada diariamente através de emissoras de rádio, TV, jornais e sites. Em 2007, a revista BMJ publicou uma estimativa de que 1 em cada 6 pessoas nos países industrializados sofre de alergia sazonal ao pólen.

No Brasil, a alergia aos polens é descrita apenas nos Estados do Sul: Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, onde as estações são bem definidas. Em algumas cidades, como em Caxias do Sul e Santo Angelo das Missões, aparelhos de contagem polínica são usados com este fim.


Sintomas mais comuns:

- Espirros, coriza e grande desconforto nasal.
- Olhos lacrimejando, irritados e avermelhados.
- Coceira em olhos, nariz, palato (céu da boca).
- Mal estar, simulando um estado gripal.
- Asma pode ocorrer em alguns casos. A pessoa se queixa de dificuldade para respirar, tosse, tem chiados no peito.
- A pele pode apresentar coceira e eczema.

Estes sintomas são intensos e podem prejudicar a qualidade de vida do paciente, que dorme mal, tem fadiga, passa a se irritar facilmente. A coceira dos olhos é tão intensa que é comum se ouvir: “Tenho vontade de arrancar meus olhos!” Os olhos ficam tão avermelhados, criando constrangimento no convívio social ou no trabalho.

Causa: inalação de grãos de polens de alguns tipos de plantas faz com que as proteínas do pólen se depositem nas mucosas respiratórias, provocando uma inflamação alérgica, com participação do anticorpo da alergia, chamado de Imunoglobulina E ou simplesmente IgE.
E aí vai um dado é importante: a polinose atinge apenas as pessoas que tem predisposição genética alérgica para a doença.

Pólens: são grãos minúsculos, nem sempre vistos a olho nu, que participam da reprodução das plantas. A quantidade de pólen no ambiente varia com o tipo de planta, clima, etc. Em geral aumenta muito na época da reprodução destas plantas, que normalmente ocorre na Primavera.


Por que não há polinização no resto do país?

A polinização na maior parte do Brasil é feita através de insetos, que transportam os polens de um local para outro. Algumas plantas fazem autopolinização e outras fazem a polinização hidrófila (através da água).

A alergia ocorre quando os pólens são levados pelo vento, ou seja, quando grande quantidade destes minúsculos grãos se dispersa no ar, penetrando nas vias respiratórias humanas através da respiração. É o que ocorre no sul do país.

Fatores que influenciam no aparecimento da alergia:

O crescimento da agricultura nos últimos anos veio modificar a paisagem no sul do país, substituindo as florestas por gramíneas, que tem maior poder de provocar as alergias.

O aparecimento da alergia depende da concentração dos pólens, que deve ser alta o suficiente para causar sensibilização e sintomas.

Nos dias quentes e com leve brisa, o pólen vai mais longe, com predomínio no final da tarde. Já nos dias chuvosos e úmidos há menor quantidade de pólen na atmosfera.

O fato de uma pessoa ser alérgica ou ter história na família de pessoas portadoras de alergia aumenta a chance de apresentar alergia polínica.

Uma pessoa que morou no exterior poderá desenvolver a doença com mais freqüência.

Os principais pólens que causam alergias podem ser divididos em três tipos:
1. Pólens de gramíneas: Azevém, Cana-de-Açucar, capim, grama, milho, sapé, trigo.
2. Pólens de árvores: cipreste, alfineiro, pinheiro, plátano e salgueiro/chorão.
3. Pólens de Ervas: Alfafa, Ambrósia, Artemísia/Losna Brava, Carrapicho-de-Santa Helena, Caruru, Crisântemo, Dália, Dente-de-Leão, Erva-de-Bicho e Erva-de-Santa Maria, Lanceta-de-Ouro, Língua-de-Vaca, Losna Branca, Losna ou Absinto, Parietária, Quenopódio, Taboa ou Tabua, Tanchagem ou Plantago.


Cuidados preventivos:

• Manter janelas fechadas à noite.

. Utilizar ar condicionado com filtro.

• Manter as janelas do automóvel fechadas.

• Permanecer o maior tempo possível dentro de casa, durante os dias de maior concentração polínica, ou seja, naqueles ensolarados, secos e ventosos.

• Ao sair usar óculos de sol, para diminuir a impactação de pólens nos olhos.

• Evitar andar de moto ou bicicleta sem proteção para os olhos.

• Evitar passear no campo, cortar grama ou serviços de jardinagem.

• Antes de deitar, tomar banho, lavar os cabelos, para evitar a deposição de pólens no travesseiro e cama.

. Evitar colocar roupas para secar no exterior. Roupas úmidas coletam pólens que podem agravar a alergia.

Comentários

  1. Cara, isso aí é a visão do inferno. Em dias secos e ventosos, aqui no Sul (Passo Fundo/Planalto médio = MUITOOOO VENTO), fico completamente incapaz de realizar tarefas que demandem concentração mental. O estado nervoso é demais. Dá vontade de sair correndo, arrancar os olhos e o nariz mesmo, como diz o texto.

    ResponderExcluir
  2. Marceli: a alergia polínica é mesmo desconfortável e pode provocar muitas complicações. Por isso, o caminho mais adequado é tratar com alergista para se proteger e prevenir das crises. Gratos pela visita

    ResponderExcluir
  3. Marxchram Max: desconheço a informação que solicita. Aconselho que entre em contato com a regional da Asssciação Brasileira de Alergia em Santa Catarina. Agradecemos sua visita ao Blog da Alergia.

    ResponderExcluir
  4. Moro em Caxias do Sul e digo...inferno esta alergia. Vc não dorme sem ter crises de tosse, chiado no peito, parece que vai paar de respirar...tipo asma. Olhos vermelhos sempre, coceira na garganta e ouvidos, a pele do pescoço coça, espirros e catarro direto, cansaço, não consigo fazer atividade física...como viver assim???? E as dores de cabeça do corpo fatigdo e com 2 crianças pequenas em casa que adoram parque, sol, vento e dar conta de tudo sem conseguir respirar direito??????
    Há pouquíssimo alergistas na cidade...

    ResponderExcluir
  5. No sudeste, a presença de pólen não é dignificativa, em comparação com os altos índices da região sul.
    Para localizar os médicos portadores de título de especialista em Alergia em sua cidade, sugiro que acesse o site da ASBAI: www.sbai.org.br Procure a aba onde está escrito: "Público" e depois clique em “Localize um especialista”. Abrirá um campo para preencher os dados: clique no Estado desejado (UF) e depois escolha a cidade. Ao final, clique em "Enviar" e abrirá uma lista com os nomes de especialistas na localidade desejada. Gratos pela visita.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.