Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2021

Você sabe o que é refluxo laringofaríngeo?

O conteúdo ácido presente no estômago pode retornar pelo esôfago passivamente, chegar até a garganta e causar lesões e sintomas. Quando isso ocorre é denominado Refluxo Laringofaríngeo (RLF). Os sintomas e o tratamento são diferentes do refluxo que se manifesta no esôfago, cujos principais sintomas são azia e regurgitação. A melhora do RLF depende de um diagnóstico preciso e tratamento adequado. Pacientes com desconforto na garganta são surpreendidos com diagnóstico de refluxo gastroesofágico, pois boa parte não apresenta azia ou regurgitação. SINTOMAS DO REFLUXO LARINGOFARÍNGEO O refluxo laringofaríngeo pode causar inflamações ao atingir as cordas vocais provocando manifestações clínicas como: • Incômodo na garganta; • Necessidade de limpar a garganta com muita frequência (pigarro); • Tosse; • Sensação de algo preso na garganta (globus). SINTOMAS DO REFLUXO GASTRO ESOFÁGICO Apesar de possuir a mesma base fisiopatológica, o RLF é considerado diferente da DRGE clássica que possui como p

Vacinação para Covid-19 e comorbidades

A pandemia do Coronavírus tem sido um grande desafio para a humanidade. As vacinas para Covid-19 estão disponíveis no Brasil e no Rio de Janeiro, de acordo com a faixa etária, desde Janeiro deste ano (2021), tendo extrema importância para o combate à pandemia. Hoje se inicia a vacinação de grupos prioritários, incluindo pessoas portadoras de comorbidades. A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia do Rio de Janeiro (ASBAI-RJ) destaca que dentre as comorbidades incluídas no Programa Nacional de Imunizações (PNI), duas são acompanhadas por nossa especialidade: PNEUMOPATIAS CRÔNICAS GRAVES INCLUINDO ASMA GRAVE COM USO RECORRENTE DE CORTICOIDES SISTÊMICOS, INTERNAÇÃO PRÉVIA POR CRISE ASMÁTICA. IMUNOSSUPRIMIDOS: IMUNODEFICIÊNCIAS PRIMÁRIAS, IMUNODEFICIÊNCIAS SECUNDÁRIAS AO USO DE IMUNOSSUPRESSORES, INFECÇÃO PELO VÍRUS HIV. As pessoas com as comorbidades supracitadas devem apresentar atestado médico descritivo da doença, indicando a necessidade da vacina por conta da condição de saúde e