Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2013

Não nutro qualquer tipo de afeto pela minha prima

Deduzo que por esta altura já todos terão chegado à conclusão de que hoje vos vou falar sobre… a minha prima – essa infame criatura.  Toda a minha família é um caso curioso, mas a minha prima ultrapassa de longe o limiar da curiosidade (e não o digo no sentido apreciativo da coisa). O irónico é que… eu nem tenho primas.   Imagino que agora esteja razoavelmente baralhado. Adoraria poder reconfortá-lo e dizer-lhe que vou resolver o seu problema – mas a verdade é que não vou. Lamento.  Apesar de a minha árvore genealógica me dizer claramente que não tenho primos, a Mãe Natureza insiste em contrariar a genética e os dados científicos, e presenteou-me com uma tal de Prima Vera. Por norma, eu ficaria extremamente feliz por ter um novo membro na minha família, mas não é este o caso. É que esta tal de Vera que se afirma minha prima – em primeiro grau e tudo, diz ela – não é flor que se cheire (literalmente).  Em primeiro lugar, anda desaparecida durante nove meses, todos os anos. E depoi

Alergia em idosos

Os dados mais recentes do IBGE mostram que mais de um milhão de pessoas têm mais de sessenta anos de idade, fazendo com que a população idosa do Rio de Janeiro represente uma proporção de um idoso para cada seis cariocas.  Estes números fazem prever que cada vez mais pacientes idosos estejam à procura de assistência medica para minorar suas manifestações patológicas, o que é corroborado pelo aumento significativo de pessoas com problemas alérgicos que procuraram a Clinica de Alergia da Policlínica Geral RJ.  Aos poucos, a direção e a equipe da Clinica de Alergia foi se capacitando no atendimento especializado dessa nova clientela e atualmente uma ficha clínica diferenciada destaca os idosos entre nossos pacientes, alcançando já o significativo número de mais de mil e quinhentas pessoas com mais de sessenta anos de idade.  Alguns fatores contribuíram para este aumento de frequência de clientes idosos e entre eles destacam-se a conscientização e capacitação da equipe médica e d

Adrenalina auto injetável - quando chegará ao Brasil?

A Diretoria da ASBAI enviou carta à Anvisa solicitando a viabilização no Brasil da medicação epinefrina (adrenalina) em sua forma autoinjetável.  A alergia pode provocar reações graves e ameaçadoras à vida, que são chamadas de ANAFILAXIA e popularmente conhecidas como CHOQUE ANAFILÁTICO.  Estes quadros anafiláticos podem ser desencadeados por fatores variados, como por exeplo: alimentos, medicamentos, contrastes, picadas de insetos, entre outros.  Os sintomas podem ser leves ou moderados e controlados com atendimento médico imediato. Contudo, embora mais rara, a anafilaxia fatal pode ocorrer.  O tratamento da crise anafilática deve ser sempre imediato e a adrenalina (epinefrina) é essencial para reverter o quadro clínico. O ideal é que a própria pessoa, um familiar ou alguém disponível no local aplique o remédio, já aos primeiros sinais da reação anafilática.  É comprovado que o atraso na aplicação da adrenalina pode agravar o problema, não havendo tempo para chegar ao hospital

Probióticos - as bactérias do bem

Bactérias são microorganismos que causam doenças. Assim se aprende na escola.  Mas, este enfoque mudou, com o conhecimento das bactérias "do bem", que podem ajudar nosso organismo e melhorar a defesa contra doenças, constituindo os chamados probióticos.  O organismo humano convive com muitas bactérias. Pode-se dizer que o corpo é  formado mais por bactérias do que por células. P robióticos são micro-organismos vivos capazes de alcançar o trato gastrintestinal e alterar a composição da flora intestinal, produzindo efeitos benéficos à saúde quando consumidos em quantidades adequadas.   As bactérias "do bem" vivem no intestino, tornando-se melhores com uma alimentação saudável. Os tipos mais encontrados nos alimentos são as chamadas bifidobactérias e os lactobacilos. O maior exemplo é o leite materno . Bebês que recebem aleitamento materno aumentam rapidamente o número em seu trato gastrintestinal ("efeito bifidogênico"), chegando as bifidobactéri