Pular para o conteúdo principal

Adrenalina e Anafilaxia


Anafilaxia é uma reação alérgica sistêmica, grave e rápida desencadeada geralmente por uma substância, chamada alérgeno, e se caracteriza pela diminuição da pressão arterial, taquicardia e distúrbios gerais da circulação sanguínea, acompanhada ou não de edema da glote e urticária. A reação anafilática pode ser provocada por quantidades minúsculas da substância alergênica. O tipo mais grave de anafilaxia — o choque anafilático — pode ocasionar a morte caso não seja tratado.

O principal medicamento para a anafilaxia é a adrenalina intramuscular, que pode ser aplicada através de injeção (nos serviços médicos), ou pelo paciente (ou responsável) com a utilização de um dispositivo autoinjetável.




Em casos graves como anafilaxia, não se usa a via subcutânea, muito menos a nebulizada, pois estas têm um tempo muito maior para ação e fornecem uma concentração plasmática (concentração no sangue) muito menor do que a desejável. Também não se usa a via intravenosa, pois a adrenalina tem efeitos colaterais importantes e quando a medicação chega direto pelo sangue, a concentração plasmática fica muito acima do que a necessária e pode haver riscos cardiovasculares. A via endovenosa só é utilizada para injetar adrenalina em caso de parada cardiorrespiratória.
 

Onde comprar adrenalina?
No Brasil, este é um problema... Não temos ainda o dispositivo autoinjetável e quem dele necessita tem de importar a um custo muito alto. Além disso, a adrenalina não é vendida em farmácias e nem poderia, pois é um medicamento de uso exclusivo hospitalar, pelos seus riscos. Usar adrenalina em dose incorreta é quase tão grave quanto sua não utilização e a preparação de uma seringa para aplicação intramuscular não é tarefa para quem não tem preparo de enfermagem, medicina ou farmácia. Por isso, em situações onde é impossível a aquisição de dispositivos autoinjetáveis (que possuem doses fixas da medicação: 0,15mg para crianças e 0,30 mg para adultos), ou quando estes vão demorar a chegar e o risco de anafilaxia é alto, a alternativa é o uso de seringas pré-preenchidas. 

Pontos de consenso entre os alergistas para uso da adrenalina:
1- O ideal são os dispositivos autoinjetáveis.

 
2- Se estes não estiverem disponíveis e avaliando-se caso a caso, o alergista (que compra a adrenalina em distribuidores hospitalares) pode fornecer ao paciente seringas pré-preenchidas na dose correta. Tais seringas devem ser guardadas em estojo escuro (a luz degrada a medicação), limpo, à temperatura ambiente (evitar superaquecer, como deixando em carros sob sol!  Isso serve também para os dispositivos autoinjetáveis) e sempre em duplicata (ou seja, duas seringas). Esse estojo deve ser levado pelo(a) paciente em todos os lugares, exatamente como os dispositivos autoinjetáveis e a segunda seringa deve ser utilizada após 5-10 minutos da primeira caso os sintomas ainda persistam (isso serve igualmente para os dispositivos autoinjetáveis que também devem estar em duplicata). Essas seringas pré-preenchidas duram 2 meses, prazo este após o qual devem ser substituídas, quer porque aumenta o risco de contaminação, quer porque diminui a eficiência da medicação pela sua degradação.

 
3- Local de aplicação – tanto dos dispositivos autoinjetáveis, quanto das seringas - deve ser a coxa pois existem estudos mostrando que nesse local a absorção da droga é mais rápida e como o músculo vastolateral da coxa é muito robusto, o risco durante o procedimento é menor se comparado a outros locais.
 

4- A via, como já dito, sempre intramuscular.

Este e outros temas de grande importância, abordando a anafilaxia, podem ser lidos no site "Anafilaxia Brasil" coordenado pela ASBAI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antialérgicos ou Anti-histamínicos

Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert.
Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa.
É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça


Quadro clínico.

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano.
Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico.
Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madeira de alta resist…