Pular para o conteúdo principal

Alergia e Gravidez


As doenças alérgicas são condições frequentes na população e afetam cerca de 8% das gestantes. Podemos ciar como principais: Asma, Rinite e Dermatoses alérgicas.


Rinite e gravidez


A rinite se caracteriza por sintomas que se confundem com gripe: espirros em salva, coriza abundante e clara, coceira do nariz, olhos, ouvidos e garganta, entupimento nasal. Os olhos podem ficar avermelhados e lacrimejando.

Os sintomas da rinite ocorrem em cerca de 20% das gestações. Há um tipo peculiar de rinite gravídica que pode surgir no início da gravidez e resulta da ação hormonal na mucosa nasal, com aparecimento de sintomas nasais. É chamada de rinite gestacional. Costuma piorar a partir do segundo trimestre e atinge o pico no último trimestre da gravidez, desaparecendo em até uma semana após o parto.

As grávidas têm facilidade em apresentar obstrução nasal e devem ser instruídas a não usar descongestionantes nasais (“gotas” nasais) pelo risco de provocar vício e aparecimento de rinite medicamentosa. 

Sinusites são frequentes em grávidas. Em geral, resultam da rinite alérgica e das modificações hormonais da gestação, que diminuem a resposta imunológica para proteger o feto, mas com isso, pode facilitar infecções na gravidez.

A rinite tem um impacto na qualidade de vida da gestante, interferindo no sono, no dia a dia , sendo um fator de risco para asma e para surgimento de sinusite. Por isso, é recomendado tratar a rinite de forma eficaz e precoce evitando que as crises se agravem.


Asma na gestante

A asma, também conhecida popularmente como “bronquite alérgica”, “bronquite asmática” ou simplesmente “bronquite, ocorre em cerca de 8% das grávidas.] Nas gestantes que já tinham asma antes da gravidez, um terço melhora, um teço piora e um terço permanece estável.

A asma pode (e deve) ser tratada durante a gestação e requer acompanhamento contínuo, objetivando a normalização da função pulmonar, da oxigenação sanguínea, controlando a doença e evitando crises. Em geral, as crises de asma ocorrem entre a 24ª e a 36º semana da gestação, sendo raras nas últimas semanas e durante o trabalho de parto.

A asma bem controlada não constitui risco para a gravidez. O tratamento não difere da asma fora da gravidez. É preferencial o uso de remédios inalados, popularmente chamados de “bombinhas”, mais eficazes e com menores efeitos colaterais.

É importante ressaltar que os medicamentos para asma podem ser classificados em 2 grupos: 
- Aliviadores: remédios usados no resgate e tratamento de crises, e 
- Controladores: remédios para uso contínuo, mesmo que a gestante esteja bem, para controlar a asma e prevenir novas crises.

A asma bem controlada não afeta a gravidez. A asma sem controle ocasiona baixa da oxigenação, gerando riscos para a mãe e para o feto.


Dermatoses alérgicas na gravidez

A pele da gestante está alterada pela influência dos hormônios gravídicos. As principais alergias na gestação são: urticária, angioedema e dermatite atópica. Além disso, podem surgir alguns tipos de erupção cutânea nas gestantes.

A urticária se caracteriza pelo aparecimento de placas avermelhadas na pele, que coçam muito e têm duração fugaz e localização variável. Chama-se de angioedema quando atinge camadas mais profundas da pele e se manifestam por edema (inchação) em lábios, pálpebras, mãos, pés, área genital e face. Existe uma urticária que é um prurido da gestação. Normalmente surge no final da gravidez, com placas vermelhas, que coçam muito. Pode aparecer também uma urticária colinérgica. Ou dermografismo, que também melhora com antialérgicos.

A dermatite atópica se manifesta como eczema na pele, acompanhado de coceira intensa.



Normas para tratamento das alergias durante a gravidez

. A gestante não precisa sofrer durante a gravidez. As alergias podem (e devem) ser tratadas, a fim de propiciar condições saudáveis de desenvolvimento para o bebê e para a futura mamãe.

. Se for possível evitar uso de remédios no primeiro trimestre, quando o risco é maior para o feto. Mas, se for necessário, pode-se tratar as alergias com segurança.

. Uma gestante que esteja fazendo uso de vacinas para alergia (imunoterapia específica com alérgenos), poderá manter seu tratamento. Mas, é consenso que o tratamento com vacinas para alergia não deve ser iniciado durante a gestação.

. Os antialérgicos (anti-histamínicos) de uma maneira geral, poderão ser usados com segurança, preferindo-se a loratadina.

. Os sprays nasais contendo corticoides são seguros, com preferência para a budesonida.

. Remédios inalados para tratar a asma: atuam mais rápido, em doses menores e têm menos efeitos colaterais.

. Tratar alergia não é só tomar remédios: a gestante alérgica não pode descuidar de sua casa, de mantê-la sem ácaros, ficando longe da poeira e da fumaça de cigarros, entre outras providências importantíssimas.

. As gestantes alérgicas podem fazer uso de anestésico na hora do parto. É importante que o obstetra e o anestesista estejam informados das condições da paciente e das medicações que ela usa.

Concluindo, é bom frisar que a gestante alérgica não precisa sofrer durante a gravidez. Ela pode continuar fazendo seu tratamento normalmente, sendo aconselhável que a grávida alérgica seja acompanhada por um(a) especialista em Alergia, em parceria com o(a) obstetra, proporcionando condições de saúde para a mamãe e para seu bebê.  

Comentários

  1. Excelente artigo. Muito útil para meu dia a dia de obstetra.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada querida Dra Leila. Agradecemos sua participação no Blog da Alergia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano. Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico. Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madei

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert. Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa. É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça Quadro c

Disidrose (eczema disidrótico)

A disidrose é um eczema localizado em mãos e pés, ocorrendo em surtos alternados a períodos sem sintomas. A palavra disidrose (dis=defeito e hidrose=produção de água ou suor) foi usada pela primeira vez em 1873, porque na época acreditava-se que a doença era causada por distúrbios sudoríparos. Já em 1876, alguns estudos atribuíram a doença a fatores nervosos e modificaram o nome para Phompholix. Atualmente a disidrose é considerada uma reação eczematizada. Assume características peculiares por atingir mãos e pés, onde a pele tem características especiais, sendo mais espessada. O líquido presente nas lesões resulta de processo inflamatório. A alteração do suor, embora não seja fator causal, é um importante agravante das lesões. Verifica-se também que outros fatores, como alterações climáticas e estresse emocional constituem significativos fenômenos desencadeantes. Por isso, alguns autores preferem utilizar o termo Eczema Disidrótico. Como se manifesta: Na disidrose, surge primeiro o