Pular para o conteúdo principal

Furar orelhas das crianças pode colaborar na alergia ao nîquel no futuro?


A alergia aos metais é bastante comum e vem aumentando nos últimos anos. Pesquisadores de Minas Gerais desenvolveram um estudo entre crianças de 0 a 12 anos de idade que se apresentavam para consulta pediátrica num centro de saúde na cidade de Belo Horizonte. Os objetivos eram: 1) determinar a prevalência da alergia de contato aos metais em crianças e 2) avaliar os fatores envolvidos nos casos onde a alergia é detectada.


Completaram o estudo 144 crianças e todas fizeram testes de contato para 3 substâncias: cromo, cobalto e níquel: 4,9% apresentaram reação ao cromo, 9,7% ao cobalto e 20,1% ao níquel. Chamou a atenção o fato de que a maioria das crianças que tiveram reação ao níquel eram meninas e tinham orelha perfurada.


Grande parte das crianças usam brincos de ouro, mas muitos têm baixa qualidade ("folheados") podendo conter níquel, o que seria responsável pela sensibilização ao metal. Parece que o risco de alergia aumenta com o número de perfurações nos lóbulos das orelhas  e quando a perfuração ocorre antes dos 20 anos de idade.


Os autores concluíram que embora um estudo isolado não seja definitivo, familiares devem ser alertados sobre a possível associação da perfuração das orelhas nas crianças, com a maior possibilidade de alergia aos metais (bijuterias e níquel) no futuro

Fonte: Jornal de Pediatria

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano. Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico. Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madei

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert. Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa. É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça Quadro c

Disidrose (eczema disidrótico)

A disidrose é um eczema localizado em mãos e pés, ocorrendo em surtos alternados a períodos sem sintomas. A palavra disidrose (dis=defeito e hidrose=produção de água ou suor) foi usada pela primeira vez em 1873, porque na época acreditava-se que a doença era causada por distúrbios sudoríparos. Já em 1876, alguns estudos atribuíram a doença a fatores nervosos e modificaram o nome para Phompholix. Atualmente a disidrose é considerada uma reação eczematizada. Assume características peculiares por atingir mãos e pés, onde a pele tem características especiais, sendo mais espessada. O líquido presente nas lesões resulta de processo inflamatório. A alteração do suor, embora não seja fator causal, é um importante agravante das lesões. Verifica-se também que outros fatores, como alterações climáticas e estresse emocional constituem significativos fenômenos desencadeantes. Por isso, alguns autores preferem utilizar o termo Eczema Disidrótico. Como se manifesta: Na disidrose, surge primeiro o