Pular para o conteúdo principal

Doenças alérgicas subvalorizadas nas crianças

espirros
As doenças alérgicas, nomeadamente a rinite e asma, são muitas vezes menos valorizadas, "sub diagnosticadas" e menos tratadas do que deveriam, denunciou o presidente da Sociedade Portuguesa de Pediatria. Os pais são os primeiros a subvalorizar estas situações.

Contudo, ainda há alguns médicos que consideram que estas doenças "passam com a idade".
É preciso esclarecer "erros e mitos" relacionados com estas doenças, sublinhou o pediatra, defendendo que "quanto mais cedo se começa o tratamento, melhor é o prognóstico".

O médico adiantou que as doenças alérgicas são muito mais prevalentes nas crianças, atingindo o pico na adolescência.  Mas, também afetam adultos.

Estas doenças contribuem para prejuízo no rendimento escolar e na qualidade de vida, pois são altamente incômodas. Alergias sofrem influência de vários fatores ambientais, bem como de ordem psicológica. Por exemplo, uma pessoa pode ficar triste porque sente que o seu desempenho não está 100 por cento e pode ficar abatida, levando a alterações de humor, agressividade e irritabilidade.

Comentários

  1. fernanda loureiro29/3/09 14:11

    ola,tenho um filho de 1 ano e 7 meses e vira e meche ...ele fica pra baixo,ruinzinho,tosse sem parar ,e é uma tosse seca horrivel,o nariz dele escorre sem parar...não sei mais o q faço pra melhorar essa situação...por favor me ajudem.fernanda.

    ResponderExcluir
  2. Fernanda: compreendo sua preocupação, mas infelizmente não é possível emitir um parecer ou indicar tratamento, em especial numa criança, sem examinar pessoalmente. Contudo, seu relato sugere um quadro de rinite alérgica.Caso queira receber uma cópia do nosso livro sobrea rinite, escreva e solicite diretamente em nosso email. Infelizmente não há como enviá-lo através do sistema de comentários. A nossa equipe médica está ao seu inteiro dispor na Clínica de Alergia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro. Obrigada pela visita e volte sempre. Atenciosamente, Dra. Fátima Emerson - coordenadora do Blog da Alergia

    ResponderExcluir
  3. Olá Dra. Fatima, gostaria de saber se os antialergicos atrapalham o crescimento da criança? Obrigada desde já. Débora(mãe do João Fontella, seu paciente)

    ResponderExcluir
  4. Débora: fique tranquila: antialérgicos (ou antihistamínicos) não interferem no crescimento e no desenvolvimento infantil. Os medicamentos mais antigos, também conhecidos como "de primeira geração", podem provocar sonolência ou aumentar apetite em algumas crianças. Obrigado pela visita e volte sempre ao nosso blog.Um beijo especial ao João. Abraços, Fátima Emerson

    ResponderExcluir
  5. Olá,gostaria de ressaltar a competência e atençao dos médicos da Policlínica Geral do RJ., em especial o Dr.Luiz Carlos Arcanjo., e dizer que infelizmente minha filha não melhora das alergias, e sempre que muda o tempo fica pior. Teria uma idade para se fazer os testes de alergia? qual é a idade? Será que se cuidarmos da imunidade pode se evitar o quadro?

    ResponderExcluir
  6. A idade para fazer o teste depende de cada caso. Havendo necessidade, é possível testar crianças pequenas. Converse com Dr Luiz e ele poderá orientá-la de forma mais adequada pois conhece o caso do seu filho. Obrigado por sua participação em nosso blog

    ResponderExcluir
  7. Anônimo4/4/10 22:13

    dr. Fatima gostaria de saber se a vacina para alergia se tem cura para os pacientes, se é segura ou qual a chance do paciente sobre ela. estou interessada mas estou insegura de não ter o resultado que espero cura)
    cidilene

    ResponderExcluir
  8. Cidilene: alergias ainda não têm cura total, à luz dos conhecimentos atuais da medicina. A imunoterapia, quando bem indicada e realizada com extratos padronizados, é um tratamento valioso, com excelentes resultados no controle da doença. Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  9. Doenças alérgicas parecem que foram incorporadas ao hall de simples ocorrências durante a infância.Até porque estas alergias podem permanecer durante a fase adulta e atrapalhar o desenvolvimento do mesmo em suas atividades diárias.

    ResponderExcluir
  10. O seu comentário é muito pertinente, Sandro. É preciso conscientizar que embora pareçam leves e inocentes, as alergisa podem provocar transtornos Gratos por sua visita.

    ResponderExcluir
  11. André O seu comentário está incompleto. Por favor, escreva para nosso e-mail informando mais detalhes: blogdalergia@gmail.com Gratos pela visita.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"Os comentários publicados sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores deste blog reservam-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgarem ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou sem a devida identificação de seu autor também poderão ser excluídos".

Postagens mais visitadas deste blog

Alergias e reações na pele causadas por plantas

A natureza nos presenteia diariamente com plantas e flores proporcionando uma festa não apenas para os olhos mas para todos os sentidos. A sua utilidade prática é indiscutível e múltipla, seja purificando o ar, seja servindo como alimento ou como base para construção de habitações, na manufatura de mobiliário, utensílios, cosméticos, medicamentos, entre tantas outras aplicações. Se apenas tivessem o papel de embelezar, já seriam fundamentais, aliviando a dureza do cotidiano e transmitindo paz numa convivência harmoniosa de longa data com o ser humano. Mas, em algumas situações, a pele pode desenvolver reações quando entra em contato com plantas e daí pode coçar, se tornar vermelha, apresentar uma erupção cutânea e até inflamar. Estas reações surgem pelo contato com a pele, algumas puramente por irritação direta e outras, por mecanismo alérgico. Até mesmo árvores podem produzir um eczema de contato alérgico, sendo o exemplo mais conhecido a Aroeira, uma árvore de madei

Pitiríase rósea

É uma doença conhecida desde 1860, quando foi descrita por Camille M. Gibert, sendo conhecida também como Pitiríase rósea de Gibert. Não se conhece exatamente a causa, mas parece que a hipótese mais viável é que seja ocasionada por vírus, como por exemplo, o vírus do herpes. Mas, é possível que dependa de uma tendência genética do indivíduo, o que seria um facilitador do aparecimento da doença. Questiona-se também outros mecanismos, envolvendo alguns tipos de medicamentos, autoimune, associação com outras doenças, etc. Fatores psicológicos ou estresse podem facilitar o aparecimento da doença, assim como alterações da imunidade e gravidez. Não é contagiosa. É mais comum em adultos, acometendo mulheres e homens, sendo rara em crianças pequenas e em idosos, ocorrendo preferencialmente na primavera e no outono. O maior problema é que sua evolução pode ser prolongada e durar de semanas a meses, assustando o doente. Em alguns casos pode recidivar, mas não é comum que aconteça Quadro c

Disidrose (eczema disidrótico)

A disidrose é um eczema localizado em mãos e pés, ocorrendo em surtos alternados a períodos sem sintomas. A palavra disidrose (dis=defeito e hidrose=produção de água ou suor) foi usada pela primeira vez em 1873, porque na época acreditava-se que a doença era causada por distúrbios sudoríparos. Já em 1876, alguns estudos atribuíram a doença a fatores nervosos e modificaram o nome para Phompholix. Atualmente a disidrose é considerada uma reação eczematizada. Assume características peculiares por atingir mãos e pés, onde a pele tem características especiais, sendo mais espessada. O líquido presente nas lesões resulta de processo inflamatório. A alteração do suor, embora não seja fator causal, é um importante agravante das lesões. Verifica-se também que outros fatores, como alterações climáticas e estresse emocional constituem significativos fenômenos desencadeantes. Por isso, alguns autores preferem utilizar o termo Eczema Disidrótico. Como se manifesta: Na disidrose, surge primeiro o